'Não deve haver saída da crise com saída da democracia', diz Fachin

Em 1 jun 2020, 16:46

‘Não deve haver saída da crise com saída da democracia’, diz Fachin

1 jun 2020, 16:46

Ministro do STF falou em “legalidade constitucional” para enfrentar a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus

edson fachin - democracia - carlos moura - sco - stf

O ministro Edson Fachin | Foto: CARLOS MOURA/SCO/STF

Ao passo em que Celso de Mello compara o Brasil com a Alemanha Nazista, conforme registrado por Oeste mais cedo, outro ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) demonstra serenidade. Ao participar hoje de webinar promovido pelo Centro Universitário de Brasília (Ceub), Edson Fachin clamou por valores democráticos, ainda mais em meio à uma pandemia.

Leia mais:O STF não tem direito de fazer uma investigação criminal, afirmam juristas

“Não deve haver saída da crise com saída da democracia”, disse Fachin, de acordo com informações da Agência Brasil. O integrante do STF afirmou, ainda, que o cumprimento das regras já estabelecidas no país será o caminho para superar à crise relacionada ao novo coronavírus. “É dentro da legalidade constitucional que devemos lidar com essa crise”, prosseguiu o ministro durante participação no evento online.

“É dentro da legalidade constitucional que devemos lidar com essa crise”

Ainda sobre o momento do país, que se vê em meio à pandemia de covid-19, o ministro do STF fez um comentário para além da atuação de autoridades dos três poderes. Segundo a visão de Fachin, a sociedade brasileira como um todo precisa agir “para que o enfrentamento dessa crise seja um laboratório da democracia”. E consequentemente ”não seja, em hipótese alguma, um laboratório de autoritarismo”, discursou.

Tolerância às divergências

Por fim, Fachin ressaltou que o Brasil precisa saber lidar com as mais diferentes linhas de pensamentos. Conforme afirmou no webinar, o ideal — para ele — é que os pensamentos diversos se unam em pelo menos um ponto: a defesa da democracia. Respeitando, assim, o direito alheio à liberdade de expressão. “Quem demande respeito se respeite. Chamar para si a liberdade de expressão para atentar contra a liberdade da expressão é ser tolerante com os intolerantes”, finalizou o ministro do STF.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. Ele está dizendo que os que criticam o STF são intolerantes, vamos interpretar texto por favor, todos do STF, a oposição, os meios de comunicação, todo o estabilishment quer dar um golpe no governo e o acusam de anti democrático.

    Responder
  2. Depende de que Democracia ele se refere, se for a Democracia da Esquerda, aquela que a extrema Imprensa chamou os bandoleiros vestidos de preto que apareceram na Av Paulista e em Copacabana para tumultuar a manifestação passifica pró Bolsonaro, se for essa Democracia pode sair dela que sentiremos mais Ordem e mais Progresso . O Brasil está no avesso do avesso, chamam baderneiros de Democratas e Ordeiros de Antidemocráticos, pode isso Arnaldo? Perguntar não ofende : É Democrativo um Ministro do Supremo ofender um Presidente comparando-o como nazista?

    Responder
  3. Se os poderes respeitassem os seus limites constitucionais, não haveria crise. O problema é que o STF é o primeiro a sair do seu limite.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias