Número reduzido de respiradores preocupa governo chileno - Revista Oeste

Edição da semana

Em 31 maio 2020, 19:03

Número reduzido de respiradores preocupa governo chileno

31 maio 2020, 19:03

De acordo com dados da Universidade John Hopkins, país tem 99.688 casos confirmados e 1.054 mortes

Chile - mil - mortos - coronavírus

Foto: PLLANCAO/ Pixabay

Neste domingo, 31, o Chile superou os mil mortos em decorrência do coronavírus. No momento, de acordo com dados da Universidade John Hopkins, são 99.688 casos confirmados e 1.054 mortes. Apesar disso, o país registra um índice de 55 óbitos para cada um milhão de habitantes, número inferior ao da maioria dos países.

As autoridades chilenas informam, contudo, que estão disponíveis apenas 313 respiradores. Das 1.174 pessoas internadas em UTIs, 318 estão em estado crítico. Hoje foram confirmadas 57 mortes causadas pela doença, o maior número em um mesmo dia desde o início da pandemia, afirmou a televisão chilena T13.

Veja também: “Chile pede US$ 23,8 bilhões ao FMI”

O nível de ocupação dos leitos de UTI está em 88%. Quase 43 mil pessoas já se recuperaram da doença.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês