O 5G chinês é uma arma de espionagem - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 24 out 2020, 16:30

O 5G chinês é uma arma de espionagem

24 out 2020, 16:30

A Huawei é a estrutura comercial que existe por trás de um modelo de vigilância governamental internacional sediado em Pequim

twitter

O Brasil é mais um dos atores no centro da disputa internacional sobre como se dará o implemento dessa tecnologia de ponta | Foto: Divulgação/Flickr

Por Márcio Coimbra

A China tem enfrentado desafios inesperados nos últimos tempos. A guerra comercial com os Estados Unidos afetou sua economia mais do que o previsto. Suas exportações entraram em declínio ao redor do mundo, alcançando uma diminuição ainda maior quando os clientes são os americanos. Diante disso, Pequim vem trabalhando alternativas para evitar uma débâcle ainda mais pesada.

No meio do caminho está a tecnologia 5G, que tem condições de redirecionar a China para seus objetivos, de modo a recuperar o espaço perdido e inserir o país em posição privilegiada ao redor do mundo. Toda a estratégia de Pequim está centrada na atuação da Huawei, questionada largamente em muitos países por na verdade representar mais o governo chinês do que interesses puramente comerciais de uma companhia privada.

O Brasil é mais um dos atores no centro da disputa internacional sobre como se dará o implemento dessa tecnologia de ponta e qual será a companhia responsável por todo o processo. O debate já atravessou o mundo e muitas nações preferiram não optar pela solução chinesa com receio dos riscos que poderão advir.

O debate é importante porque estamos falando do tráfego de informações pessoais e também outras de Estado, altamente estratégicas. Nesse tipo de tecnologia não é possível qualquer arremedo de solução intermediária, separando o centro (core) do sistema de sua periferia, já que a integração é total entre equipamentos e conexões. Sabe-se que o parceiro na implementação precisa ser uma empresa aberta, transparente, sujeita às leis e essencialmente sediada em um país de regime democrático e sem qualquer vinculação umbilical a um governo estrangeiro.

Na China, as leis locais de Segurança de Dados (Artigo 28º) e Inteligência (Artigo 7º) estabelecem que todas as empresas nacionais são obrigadas a fornecer informações ao governo que sejam úteis ao Partido Comunista Chinês. A Huawei não é uma exceção. Ou seja: toda informação relevante que transitar nas redes brasileiras pode acabar nas mãos de um governo ditatorial estrangeiro. Algo que certamente gera impacto em nossa soberania e segurança nacional.

A Austrália já está sendo vítima da chantagem da China

Parece cada vez mais claro que, na verdade, a Huawei é a estrutura comercial que existe por trás de um modelo de vigilância governamental internacional sediado em Pequim. A rede da empresa fornece ao governo chinês a possibilidade de abrir qualquer porta que atravesse seus canais, incluindo propriedade intelectual, dados bancários, padrões de consumo, reconhecimento facial, troca de mensagens, redes sociais, comunicação comercial e dados sensíveis governamentais.

Os detentores dessas informações são capazes de monitorar bilhões de pessoas, direcionar propaganda, abortar trânsito de dados e controlar a infraestrutura de praticamente toda uma nação. Assim erodiram as liberdades em Hong Kong e o mesmo pode acontecer com qualquer país que ouse enfrentar a fúria do Big Brother oriental.

A estratégia por trás da necessidade de controlar o fluxo de informações por qualquer nação por esta tecnologia já começou a fazer vítimas. A Austrália tem enfrentado problemas gravíssimos depois que decidiu não se alinhar com a Huawei e a ZTE (ambas chinesas) e buscar outros parceiros para implementação de sua rede de 5G.

Depois de criar dependência econômica ao longo dos anos, a China conseguiu criar armas poderosas para tentar forçar seus parceiros comerciais a agir de acordo com seus interesses. No caso da Austrália, Pequim revisitou toda política de subsídio ao vinho daquele país, enquanto dois jornalistas australianos eram presos na China e a Huawei retirava o patrocínio do time de rugby nacional. Claros movimentos de retaliação com um claro objetivo: forçar o governo de Camberra a ceder aos interesses chineses.

As retaliações foram adiante, inclusive depois da propagação do novo coronavírus, nascido em território chinês. A Austrália, umas das primeiras nações médias a se aproximar da China, vem pagando um preço muito alto pela audácia em manter sua independência e soberania. Os impactos na economia estão sendo profundos e o país está diante de sua primeira recessão depois de três décadas.

No Brasil, que está prestes a definir seu caminho no processo de modernização das redes, o debate vem ganhando corpo. Alguns alegam que se a escolha nacional recair sobre a Huawei, Ericsson ou Nokia, os riscos dos dados brasileiros caírem nas mãos de governos estrangeiros é o mesmo. Na verdade isso é um erro. Enquanto Ericsson, sueca, e Nokia, finlandesa, são empresas privadas sediadas em países livres e democráticos, onde existem judiciários independentes, no caso da Huawei estamos falando de uma empresa paraestatal, oriunda de um país ditatorial que controla e monitora o Judiciário.

A lista de países que optaram por blindar seus sistemas da Huawei tem aumentado ao longo tempo. Austrália, Nova Zelândia, Reino Unido, Japão, Estados Unidos, Itália, República Tcheca, Polônia, Estônia, Romênia, Dinamarca, Letônia, Grécia e mais recentemente França têm se movimentado no sentido de afastar-se da solução chinesa e buscar parceiros mais confiáveis.

Nesse espectro surge o que se convencionou chamar de Open RAN (Open Radio Access Network). Uma tecnologia desenvolvida pela Telefônica espanhola e a Rakuten japonesa que usa uma plataforma aberta e inteligência artificial. O sistema já está sendo testado no Brasil, na Alemanha, na Espanha e no Reino Unido. A Huawei não fornece o core desta solução, uma vez que a tecnologia não precisa de apenas um fornecedor. Uma opção que deixa o sistema livre, democrático mais aberto a competição.

Como vemos, os caminhos para a hegemonia de Pequim passam por uma profunda estratégia política internacional. A China tem usado seu poderio econômico e laços de dependência comercial que criou ao longo dos anos como arma para consolidar sua liderança. O 5G é um lance ousado que aumentará a dependência de qualquer nação que opte por se associar ao país oriental e seu braço comercial, a Huawei. O Brasil tem o direito de optar, preservar sua autonomia e soberania, sem submeter seu futuro às ordens emanadas de Pequim.

Márcio Coimbra é coordenador da pós-graduação em Relações Institucionais e Governamentais da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Brasília, Cientista Político, mestre em Ação Política pela Universidad Rey Juan Carlos (2007). Ex-Diretor da Apex-Brasil. Diretor-Executivo do Interlegis no Senado Federal.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

3 Comentários

  1. O autor descreveu muito bem o grave problema de dependência tecnológica (e financeira) de países ditatoriais. Não se pode confiar todo o tráfico de dados a uma empresa governamental ditatorial. Além disso há uma série de eventos não esclarecidos sobre diversas tecnologias absorvidas(ou afanadas) por países ditatoriais. Não podemos esquecer que uma tecnologia livre (conhecida e aberta a vários parceiros) é fundamental para o sucesso da independência de qualquer país. Já nos basta alguns governadores vendilhões da soberania brasileira.

    Responder
  2. Simples: a China r uma ditadura e toda ditadura é um perigo dominando informações sensíveis . O capitalismo chinês precisa dar uma guinada para a democracia se quiser recuperar qualquer credibilidade.

    Responder
  3. A China se afundou na propria areia movediça. Ninguém mais a aceita.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês