O autoritarismo escancarado invade Paris - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 29 out 2020, 19:59

O autoritarismo escancarado invade Paris

29 out 2020, 19:59

Uma abordagem policial mostra que, além do vírus chinês, a epidemia de coronavírus espalhou também o vírus do autoritarismo

Policial francês aborda clientes de um restaurante em Paris

“Saiam daqui”, ordena o policial a clientes sentados nas mesas da calçada de um restaurante em Paris, na França. Visivelmente desconcertados, homens e mulheres olham atônitos sem saber como agir. Um deles tenta argumentar que está bebendo e por isso não usa a máscara de proteção, guardada em seu bolso.

Para o grupo seguinte, manda que se afastem e mantenham o distanciamento social. Os gestos de truculência ostensiva passam a ser alternados com palavras como “monsieur” (senhor), o “s’il vous plaît” (por favor) e “merci” (obrigado), ditas sempre de forma ríspida. Uma voz feminina solitária esboça um protesto: “totalitarismo”.

Os clientes se levantam. Alguns entram no estabelecimento, outros vão embora. As imagens finais mostram copos ainda cheios sobre mesas vazias. E os policiais, vestidos como se fossem para a guerra, marchando rumo à próxima abordagem.

Está cada vez mais mais evidente que, tão terrível quanto o vírus chinês, a epidemia de coronavírus espalhou também o vírus do autoritarismo.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

12 Comentários

  1. Macron mentiu mais uma vez.
    Disse que colocaria 7 mil policiais nas ruas após os atentados em Nice e Avignon, mas não era para proteger pessoas dos ataques terroristas e, sim, para implementar mais um lookdown tirânico.
    A França realmente acabou!

    Responder
  2. Se é para manter o distanciamento social, então, é para manter. Qual o problema? Além do mais, policiais não são mocinhas educadas. Eles lidam com criminosos e idiotas.

    Responder
    • Criminosos e idiotas que não estão nos bares bebendo calmamente. Tudo na fraudemia é para subjugar o mundo.

      Responder
  3. Um país que sofreu tanto com a opressão imposta pelos alemães na segunda guerra mundial aparentemente não aprendeu nada.

    Responder
  4. Se os franceses tiverem o mínimo de vergonha na cara, têm de votar na Marie Le Pen para acabar com essa palhaçada de marxismo cultural e invasão islâmica. Não é possível que estejam tão aparelhados que não conseguem reagir a esse totalitarismo. Viva a liberdade!

    Responder
    • Desculpem-me pelo tom, mas é revoltante ver um país como a França, tão importante, culturalmente, para o ocidente, de joelhos frente a uma ideologia e a uma religião que a estão colocando de joelhos.

      Responder
  5. Desculpem-me pelo tom, mas é revoltante ver um país como a França, tão importante, culturalmente, para o ocidente, de joelhos frente a uma ideologia e a uma religião que a estão colocando de joelhos.

    Responder
  6. É incrível como o filme O Demolidor, de 1994, com Silvester Stalone, previu o mundo em bolhas que vivemos hoje. Interações humanas proibidas, desde um simples aperto de mão ao sexo, pois tudo é sujo e transmite doenças. E, de quebra, as multas por “palavras obscenas”. Para quem não viu, fica a dica.

    Responder
  7. O grande problema da França é a invasão muçulmana, aceita pela esquerda.

    Responder
  8. A França, tão orgulhosa de si, a rigor, na história recente das 1ª e 2º Guerra Mundiais, ficou de joelhos ante a Alemanha, tendo sido salva da anexação pelos americanos do norte..E o seu Iluminismo, que resultou na Revolução Francesa sucedida pelo regime de terror que devorou seus próprios artífices, e que engendrou também o comunismo, agora demonstra ao mundo que está mesmo desaguando no totalitarismo, mas contra os cidadãos, e não contra o terrorismo que lá, está ficando corriqueiro. Já já toda a Europa estará desfigurada (ainda mais do que já está) das nacionalidades dos países que a compõem, eis que governos de esquerda têm sido demasiadamente tolerantes e até lenientes com populações de culturas e religiões diversas, que não respeitam os valores dos anfitriões, e que lá querem a todo custo tornarem-se supremazes. Como dizia Churchill, não se pode ficar conciliando com o crocodilo, somente na esperança de que ele o devore, sim, mas por último. Reveladora a saída da Inglaterra, do MCE…

    Responder
  9. É bom que os franceses aprendam pq nenhum País no Ocidente fez mais pela propagação de ideias idiotas de esquerda do que a Pátria Gaulesa. Sartre, Foucault, Derrida, Maio de 68, blá-blá-blá. Agora o cidadão francês começa realmente a experimentar o que é totalitarismo.

    Responder
  10. O multiculturalismo extinguiu a história européia. A França hoje é praticamente um país mulçumano e refugiados mesmo são os franceses que ainda residem lá. O mundo socializou de uma maneira que está de joelhos para o totalitarismo.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

O custo e o valor de ser ‘contrariador’

Prêmios como o ‘Contrarian Prize’ servem para aplacar o medo que muitos têm de se manifestar em defesa daquilo em que acreditam e assim reduzir o poder social do cancelamento cultural

Mentir e trancar é só começar

“Se você começar a proibir aglomeração em ônibus, vai faltar povo pra abastecer a quarentena vip, né?” / “Aí você captou tudo. Vidas doces importam”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Não é erro, é viés!

Não é uma tese conspiratória imaginar que há, sim, esquema nas pesquisas. Essa é uma possibilidade plausível

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

O ex-mártir

O ex-mártir

"O antigo santo da luta anticorrupção, bandido para a esquerda e traidor para os bolsonaristas é um homem como qualqu...
A descoberta do ano

A descoberta do ano

"Desde o primeiro caso de covid-19, boa parte dos políticos viram na epidemia uma belíssima oportunidade para tirar pr...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Revista Oeste — Edição 37 — 04/12/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês