'O estuprador não comete o crime apenas uma vez' - Revista Oeste

Edição da semana

Em 11 set 2020, 09:00

‘O estuprador não comete o crime apenas uma vez’

11 set 2020, 09:00

Oeste conversou com o autor do projeto de lei que cria o novo Cadastro Nacional de Pessoas Condenadas por Crime de Estupro, deputado Hildo Rocha (MDB-MA)

cadastro, estupro, hildo rocha, senado, câmara dos deputados, congresso nacional, código penal

O deputado federal Hildo Rocha (MDB-MA) | Foto: Geraldo Magela/Senado Federal

O Congresso Nacional aprovou nesta quarta-feira, 9, um projeto que permitirá mapear criminosos que cometeram crimes de estupro no país. Aprovado pelo Senado, o projeto de lei número 5.013, apresentado pelo deputado Hildo Rocha (MDB-MA), prevê a criação do Cadastro Nacional de Pessoas Condenadas por Crime de Estupro. Como já tinha o aval da Câmara, resta agora apenas a sanção do presidente Jair Bolsonaro.

Na prática, o governo federal e os Estados terão um banco de dados no qual vão constar informações do estuprador como: características físicas, impressões digitais, perfil genético (DNA), foto e endereço residencial.

Oeste conversou com o autor do projeto. Para ele, a aprovação é um passo importante para coibir esse tipo de crime no país. “O estuprador não comete o crime apenas uma vez”, diz o deputado. “Mas como os cidadãos não sabem quem são essas pessoas, às vezes nem mesmo a polícia consegue fazer um trabalho preventivo contra esses criminosos.”

Para Rocha, o cadastro pode ajudar à medida em que disponibiliza informações sobre os estupradores não apenas no local onde eles vivem, mas em todo o Brasil. “Se ele mudar de cidade e for preso, o delegado local já vai saber do histórico dele”, acrescenta.

No Código Penal brasileiro, o crime de estupro é punido com pena de seis a dez anos em regime fechado. Em caso de estupro de vulnerável, ou seja, contra quem não tem discernimento do que está acontecendo ou não tem como oferecer resistência, a pena aumenta: fica entre 8 e 15 anos.

Ambos os crimes são considerados hediondos, portanto inafiançáveis e não podem receber o benefício de indulto, graça ou anistia.

Castração química

Em conversa com Oeste, Hildo Rocha também se posicionou a favor do Projeto de Lei 4.233/2020, do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que propõe a castração química dos estupradores.

“Sou totalmente favorável, porque senão, o crime vai se repetir mesmo, não tem jeito”, afirma.

Na castração química, o criminoso recebe uma injeção hormonal que provoca inibição sexual, ainda que não prejudique a fertilidade.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Os projetos são importantíssimos. Precisamos sair da idade média quando nos referimos a esse crime bárbaro. Tem que castrar esses tarados SIM! Tem que jogar esses vagabundos na cadeia por muito tempo SIM! Tem que massacrar essa gentalha de tenta vender a imagem deles como doentes SIM! Que se dane se eles são recuperáveis. O risco para a sociedade se esses caras ficarem soltos é inaceitável. QUE APODREÇAM NA PRISÃO! O q a globolixo tem a dizer? Afinal, ela usa repórter pra dar abraço em estuprador e assassino de crianças.

    Responder
  2. Castração química? Pensei que fosse a tradicional.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

O pai, o filho e o deboche

O pai, o filho e o deboche

A ideia geral de que não se deve praticar certas coisas em público, porque “pega mal”, parece caminhar rapidamente...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês