Kassio Nunes Marques: O futuro decano do Supremo é garantista

Edição da semana

Em Em 21 out 2020, 21:39

O futuro decano do Supremo é garantista

21 out 2020, 21:39

Kassio Nunes Marques poderá permanecer por quase 30 anos no STF

kassio nunes marques - futuro decano do STF e garantista

Kassio Nunes Marques: confirmado como o mais novo ministro do STF | Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar cadeira no Supremo Tribunal Federal (STF), Kassio Nunes Marques teve o seu nome aprovado pelo Senado na noite de hoje. Dessa forma, já é certo que ao decorrer das próximas semanas ele tomará posse no tribunal que conta com figuras como Alexandre de Moraes, Gilmar Mendes, Roberto Lewandowski, Marco Aurélio e Luís Roberto Barroso.

Leia mais: “Quando a turma indicada pelo PT deixará o STF”

Com isso, o agora ex-desembargador do Tribunal Regional Federal da 1ª Região se prepara para se tornar ministro da mais alta Corte do Brasil. Condição que poderá desempenhar por quase três décadas. Conforme noticiado anteriormente por Oeste, o piauiense de 48 anos de idade terá a oportunidade de permanecer nos quadros do STF até maio de 2047 — quando completará 75 anos, o que o obrigará a se aposentar de forma compulsória.

Se permanecer no novo cargo até a aposentadoria obrigatória, Nunes Marques deixará o tribunal como decano do STF. Isso porque os atuais 10 membros da Corte irão obrigatoriamente sair de cena antes. Dias Toffoli e Alexandre de Moraes serão os que poderão permanecer por mais tempo como colegas do indicado de Bolsonaro. Eles irão completar 75 anos em 2042 e 2043, respectivamente.

Garantista

Durante a sabatina realizada pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ), Kassio Nunes Marques se definiu como juiz “garantista”. Com suas próprias palavras, explicou o que isso significa. “O garantismo deve ser exaltado porque todos os brasileiros merecem o direito de defesa. Todos os brasileiros, para chegarem a uma condenação, precisam passar por um devido processo legal”, afirmou. Além disso, afirmou que esse perfil não significa enfraquecer o combate à corrupção.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

8 Comentários

  1. O País da Impunidade continuará sendo o País da Impunidade.

    Responder
    • A não ser que nós eliminemos a impunidade à força, mas como ter força dersarmado contra estado armado até os dentes com os nossos recursos e proibindo nós nos armarmos?
      Pedir para o estado bandido para poder comprar e portar arma???
      Qual o sentido de deixarmos o inimigo saber como estamos armados contra eles??
      ARMA TEM QUE SER DIREITO DE TODOS E SEM PEDIR SATIRFAÇÃO PARA QUALQUER AGENTE DO ESTADO!
      Esse poveco é muito estúpido, abana rabo para qualquer pseudobenefício, sem observar as epistemologias das relações!

      Responder
  2. O que achei notável foi a ostentação de um laço rosa na lapela. E quem faz isso SEMPRE é militante de alguma causa, e toda causa é SECTÁRIA, vai de encontro a outras causas que não se ajustam a proposta em questão!
    Toda militância se pauta no passionalismo e não na razão, se pauta na manipulação de massas!

    Não creio que tal perfil seja adequado a um juiz ostentar!

    Uma nação que tem sua preferência nacional em bundas, e que estabelece que buraco de fezes é órgão sexual, naturalmente se entende gerada pela sua preferencia e sua crença, e não preciso dizer o que é que “nasce” da preferência nacional e do “órgão sexual” de viados!!
    Repetindo Krishnamurti: Não é sinal de saude ser ajustado a uma sociedade completamente doente!

    E assim caminha a “umanidade”!!!

    Responder
  3. Nenhum dos atuais 10 integrantes do essetêefe, e o indicado, Sr. Kássio Nunes Marques, está à altura de ocupar a corte suprema. Tenho sérias dúvidas de que o ocupante da cadeira do “Juiz de [email protected]#$%”, que já se foi tarde, terá um desempenho de acordo com a CF. Pago pra ver.

    Responder
  4. Observar as leis e devido processo legal. Isso é coisa que não se vê no STF.
    Na verdade, sem ingenuidade, eu não sei se havia escolha ….para o PR.
    Não gostei da indicação….mas era o ruim e o pior….
    Isso mostra como é importante escolher um Senado que preste….

    Responder
  5. O que foi que Bolsonaro fez conosco, meu Deus???!
    Incompreensível!

    Responder
  6. Prometeu Moro no STF mas indicou esse traste. Estelionato eleitoral.

    Responder
  7. Se quisermos, DE FATO, um Supremo confiável e, consequentemente, JUSTIÇA neste país, precisamos desinfetar, imediatamente, o Congresso. Sobretudo, o SENADO. 2022 está chegando. Pensem bem.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

O custo e o valor de ser ‘contrariador’

Prêmios como o ‘Contrarian Prize’ servem para aplacar o medo que muitos têm de se manifestar em defesa daquilo em que acreditam e assim reduzir o poder social do cancelamento cultural

Mentir e trancar é só começar

“Se você começar a proibir aglomeração em ônibus, vai faltar povo pra abastecer a quarentena vip, né?” / “Aí você captou tudo. Vidas doces importam”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Não é erro, é viés!

Não é uma tese conspiratória imaginar que há, sim, esquema nas pesquisas. Essa é uma possibilidade plausível

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

O ex-mártir

O ex-mártir

"O antigo santo da luta anticorrupção, bandido para a esquerda e traidor para os bolsonaristas é um homem como qualqu...
A descoberta do ano

A descoberta do ano

"Desde o primeiro caso de covid-19, boa parte dos políticos viram na epidemia uma belíssima oportunidade para tirar pr...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Revista Oeste — Edição 37 — 04/12/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês