O gabinete do amor bandido - Revista Oeste

Revista

O gabinete do amor bandido
A suposta caçada às fake news, que embasa os recentes atos brutais do STF, é o truque para tentar calar a opinião pública livre
29 Maio 2020, 10:07

O Supremo Tribunal Federal está brincando de ditadura. Mas esse tipo de brincadeira não dá para brincar sozinho. O STF só tem coragem de mandar invadir a casa dos outros para confiscar o direito de opinião porque tem a cobertura dos democratas de auditório. Eles criaram a novelinha do Gabinete do Ódio para poder amordaçar geral fingindo defender a liberdade.

Vamos deixar aqui uma modesta sugestão aos democratas de fachada — que estão há um ano e meio dedicados a seu fetiche fascista e não se conformam com a democracia: saiam de seu armário cívico. Assumam publicamente seu horror à soberania da vontade popular. Declarem-se milicianos de seus interesses particulares, de seus políticos de proveta fabricados pelo Clube dos Ricos, de suas ONGs hipócritas, de suas associações sombrias fantasiadas de salvacionismo global, de seus inconfessáveis projetos de usar o charme cosmopolita para subjugar o Estado e mandar na porra toda.

A suposta caçada às fake news — que embasa os recentes atos brutais do STF — é o truque para tentar calar a opinião pública livre. Não é difícil de ver. Antes mesmo da eleição de 2018, a armadilha já estava montada. Então na presidência do Tribunal Superior Eleitoral, o ministro Luiz Fux declarou que a comprovação de fake news na campanha presidencial poderia levar à anulação da eleição. Uma declaração genérica, preparando uma diretriz flácida, insidiosa e malandra. Quem iria determinar, e com quais critérios, o que eram fake news — e, principalmente, se interferiram ou não no sufrágio? Adivinhe.

O novo governo era “ilegítimo”. Tinha sido ungido por uma conspiração de iPhone

Claro que nunca se ouviu uma única bravata togada, nunca se viu uma única e suprema pirueta contra a enxurrada de panfletos que diziam que o adversário do PT ia acabar com o Bolsa Família. O papo de fake news na eleição, obviamente, era para tentar controlar as redes sociais e outras mídias não controláveis. Evidentemente, ali estava a nova frente de formação de consciência democrática — e isso é muito perigoso. Foi assim que nasceu, após a eleição de Bolsonaro, a tese patética do golpe de WhatsApp.

Fascistas diabólicos tinham espalhado para as tias que o príncipe Haddad era chato, bobo e feio — e foi assim que elas migraram para o adversário. Até ali, ninguém tinha nem notado que Haddad era um suplente de presidiário.

A “profecia” de Luiz Fux se cumpriu com essa narrativa idiota, que dominou a grande imprensa ao raiar do novo governo. Ele era ilegítimo, tinha sido ungido por uma conspiração de iPhone. Foi então preparada a fanfarra da CPI das Fake News, irmã gêmea desse inquérito extraterreno do STF que embasou a invasão ditatorial de domicílios contra a liberdade de opinião. A CPI das Fake News foi criada para avalizar as teses conspiratórias de Gabinete do Ódio e golpe de WhatsApp — e acabou desmoralizando-as, com detalhes sórdidos trazidos pelas próprias fontes que embasavam a dramaturgia “democrática”. O circo saiu pela culatra.

As fake news de grife não suportam a democratização da opinião

Mas eles não descansaram. O Brasil foi às ruas diversas vezes, em manifestações pacíficas de apoio à agenda reformista aprovada nas urnas, e isso também era sempre uma orquestração fascista do Gabinete do Ódio. O povo na rua pedindo a reforma da Previdência (aprovada) era, na leitura prévia da resistência cenográfica, articulação miliciana para dar palanque ao fascismo. Contando ninguém acredita. Mas foi exatamente assim.

Nunca se viram antes tentativas de embargar, previamente e no grito, manifestações populares de rua. Mas isso passou a acontecer a partir de 2019. Rodrigo Maia e sua tropa fisiológica ameaçavam sabotar as reformas — com declarações ostensivas na grande imprensa contra a equipe econômica — e o povo se mobilizava para defender nas ruas a agenda de Paulo Guedes. Imediatamente brotavam manchetes e fofocas sobre um movimento obscurantista contra o Parlamento. Confundir repúdio à sabotagem com ameaça ao Congresso foi um dos esportes preferidos, no último ano e meio, do Gabinete do Amor.

As fake news de grife não suportam a democratização da opinião e o aprofundamento da liberdade de expressão para além de seus domínios. O STF não daria um pio sem a cobertura desses democratas de auditório. A Suprema Corte é covarde. A ditadura é mais embaixo.

Leia também nesta edição:
“Uma aberração de circo”, de J. R. Guzzo
“O Pavão de Tatuí sobrevoa o Palácio do Planalto”, de Augusto Nunes

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

35 Comentários

  1. O esforço para sufocar a liberdade de expressão vem de todos os lados e a verdade que se apresenta nua e crua é que os doidões do Trump e Bolsonaro é que, no fundo, estão lá se empenhando para defende-la, como se vê, agora, com o decreto do Trump e a defesa do governo às falas amalucadas do ministro da educação. O interessante no jogo democrático é que a maldade pode bater e voltar como essa lei que tentam implantar no Brasil de combate a fake news. Se passar, certamente garantirá, pela impossibilidade de retroceder no tempo, o governo sua defesa legítima. Por fim, registro que o pacto com o centrão será o fim do governo Bolsonaro. Ele é um golpe no golpe. Já foi Moro, o próximo será Guedes. Tudo no seu tempo. A governabilidade se consegue com governadores. Fácil fazê-la. Basta anular o endividamento dos estados e municípios ja contabilizados na divida pública federal.

    Responder
    • Papo de petista frustrado.

      Responder
      • Opa! Esquerdopata detectado. Devemos usar inseticida ou raticida?

        Responder
        • Deve ser algum funcionário público revoltado que entrou de gaiato na conversa. Estou pesquisando se é do PT, PSOL, PDT ou um que chegou de Marte agora.

          Responder
    • Brilhante artigo, Fiuza.
      O triste é ver grande parte mídia tradicional (jornais,revistas, rádios e tvs) defendendo a censura imposta às vitimas do inquérito, na maioria delas youtubers. Essa mídia se esquece de que também já foi vítima disto anos atrás, mas quer ver o fim das mídias alternativas porque sabe que são suas reais concorrentes; afinal, sabemos todos, muita gente deixou de assinar jornais e revistas tradicionais para se informar acessando as mídias alternativas gratuitas ou, se cobradas, por valores bem mais acessíveis.
      Parabéns pela lucidez de sempre !

      Responder
      • Democratas de auditório escondidos dentro do armário cívico foi genial!

        Responder
      • Mais uma vez, obrigado. A suprema corte tem sido covarde.

        Responder
        • Isso só o Lulla pode dizer, cuidado!!!

          Responder
        • Um craque, parabéns ! Estava muito difícil ler um bom texto na imprensa brasileira. Esta revista está sendo um bálsamo de sensatez, coerência, honestidade intelectual.

          Responder
      • Tenho também plena consciência de um STF abraçado com a perseguição à liberdade de expressão. Como já diziam alguns muitos anos atrás: o Judiciário consegue ser o mais podre dos poderes. Hoje temos o CNJ fingindo fiscalizar e controlar alguma coisa dentro do Judiciário. Imaginem quando não havia CNJ e demais conselhos!!!

        Responder
      • Esse establishment vive o seu ocaso. Nao querem enxergar e se debatem contra a mudança inexorável da informação via mídias sociais. Podem fazer as leis que quiserem que vão sempre ficar correndo atrás do rabo. A tecnologia é mais rápida, o povo não é mais manobrável como antes.
        Já perderam, canalhas.

        Responder
      • Um craque, parabéns ! Estava muito difícil ler um bom texto na imprensa brasileira. Esta revista está sendo um bálsamo de sensatez, coerência, honestidade intelectual.

        Responder
    • Que Deus nos dê resistência para suportar o lado negro da força.
      Parabéns, Fiuza, pelo transbordamento de realidade em seu artigo.

      Responder
    • Impressionante como é fácil dar soluções fáceis para questões complexas. Prezado Marco Aurélio, o Governo Federal não pode e não deve anular divida de Estados e Municípios por diversas razões. Dentre elas, destaco que seria incentivar gestões incompetentes e corruptas que já presenciamos em diversos locais, principalmente no RJ. Outro motivo seria oficializar um endividamento que não contraído pela União.
      No mais, essa história de prever queda de Ministro, parece mais torcida particular do que fato.

      Responder
  2. Qual o medo? No fundo querem fazer crer que toda a corrupção escancarada nos ultimos anos é “fake news” para poder estancar o processo lento e trabalhosa de moralização.

    Agora, o conceito de “fake news” é tola. Existem duas categorias de “news”: mentiras e estoria contada ( inicio, meio e fim e objetivo da estoria).

    Responder
  3. A pouco tempo poucas famílias com seus impérios de comunicação dominavam a narrativa,não se tinha meios de confrontar.A internet e os modernos meios de comunicação expuseram a fraude que eram esses formadores de opinião, não conseguem mais manter sua influência.Não é a total redenção ,porque muitas plataformas mantém um assombroso viés ideológico, mas vamos avançando , hoje temos escolha.Obrigado Guilherme Fiúza, que nos brinda com seus textos precisos sobre a atualidade Brasileira em transição.

    Responder
    • Democratas de auditório escondidos dentro do armário cívico foi genial!

      Responder
    • Não à ditadura e a censura do STF!
      Lava Toga JÁ!!!

      Responder
  4. Esse “Gabinete do Odio” foi uma invencao dos redatores do Estadao. Repetiram a exaustao o termo para, na teoria do Goellbes, torna-la uma verdade inquestionavel…

    Responder
    • Achei que o termo vtivesse sido criado pelo FMB. Ele fez uma reportagem sobre o tal gabinetena Crusoé.

      Responder
  5. Texto irretocável e verdadeiro, quando tiveram consciência de que Bolsonaro seria eleito começaram as narrativas.

    Responder
  6. Contam que nos tempos do cangaceiro Lampião, que andava pra todo lado e não parava em lugar nenhum, um dia parou numa estalagem para passar a noite. Depois de tomar umas três ou quatro, resolveu aprontar das suas e mandou o cepo na sua zabumba. Como a noite já ia alta e ninguém nas redondezas conseguia dormir, nem sabia quem fazia tamanha anarquia, um fazendeiro irado chamou um de seus capangas e mandou lá pra furar aquela zabumba de qualquer jeito, por bem ou por mal. Este foi e não voltou. O “corené” então mandou outro. Este também não voltou. O sujeitou se irou ainda mais e foi logo falando pra mulher: agora quem vai furar aquela zabumba sou eu. E foi. Daí a pouco, voltou com o rabo entre as pernas e com cara de burro fugido, e antes que a mulher, já aflita, perguntasse alguma coisa, foi logo dizendo: Tem problema não, mulher, tem problema não. Sabe quem era? Era compadre Lampião mulher, era compadre Lampião. (Precisa dizer mais alguma coisa?)

    Responder
  7. Bom dia Fiuza, muito obrigado pelo texto. Quem disse que seria fácil? A liberdade e democracia devem ser conquistadas diariamente. Você nos ajuda nessa missão. No mais, a verdade prevalecerá. Apesar de todo o circo, seguiremos em frente por um país melhor para todos e não apenas para uma elite.

    Responder
  8. Excelente Fiuza.
    Esse e o cenario atual e precisamos de medidas sabias e urgentes para nao deixarmos o pais submerso nessa armadilha. Estao de fato brincando de ditadura

    Responder
  9. Antes eu elogiava.Agora só rezo pra OESTE.”O senhor é meu Pastor e nada me faltará!”Essa tal de Operação Bandeirantes…bater na porta dos outros de madrugada e revirar a casa toda de arma na mão é pra assustar mesmo?Ou só pra ressuscitar R.Jefferson e fazê-lo maior líder nacional-mais de 500 mil visualizações-pela entrevista no Pingo dos iss da J.P.?No Youtube?”Aí meu Jesus,livrai-me de todo o mal!”Brasília pode virar Minneápolis”?Ou “Brasil pode virar Venezuela”?”Deus acima de tudo.”Acuda,meu BOM JESUS!!!

    Responder
  10. A ditadura do STF (Juristocracia) instalada em Brasilia, é o rescaldo dos governos esquerdistas do PT e do PSDB . Virou um poder político totalitário com o aval da quadrilha do Senado e do Congresso, que meneiam a cabeça para as sandices da corte satânica. Ainda tem o $$$ externo da elite globalista financiando a agenda da ONU 2030 sendo enfiadas goela abaixo dos brasileiros. O quarto poder a Extrema Imprensa age como co-partícipe dessa narrativa das fakenews(ninguém sabe o que é isso), pois já perdeu espaço e credibilidade para as mídias alternativas da Internet. Agora é ficar atento e NÃO permitir a perda das liberdades conquistada com muito custo.

    Responder
  11. Brilhante! 🌟

    Responder
    • Brilhante, maravilhoso!!!!! Faltou é claro falar do papel da grande imprensa em toda essa farsa: na própria concepção de fake news, na tentativa de criar uma espécie de monopólio da infirmação a partir dessa concepção furada e de agências de checagem pra lá de tendenciosas e faltou principalmente falar do papel dos Antas e do Felipe Moura Brasil no famigerado Gabinete do Ódio. Essa gente que não tem a mínima noçâo do que é ódio kkkkkk e que ensina que política se faz com.paz e amor 🙀.É preciso entender a relação nebulosa daquele site com.a política e com figuras como S. Moro

      Responder
  12. Fiuza parabéns pelo ótimo texto, o que faz esta revista ser diferente e exatamente seus colunistas.
    Estamos caminhando para uma situação que de certa maneira era e é previsível pois determinadas instituições não aceitam o resultado das urnas, e querem por que querem derrubar o atual governo, se não reagirmos a está arbitrariedade daqui a pouco a polícia irá bater na porta de todos nós

    Responder
  13. Todos os que morriam de medo do Bolsonaro fascista, nazista, autoritário, ditador, estavam olhando para o espelho.

    Responder
  14. Excelente comentário!

    Responder
  15. Gostaria de saber por que não consigo cancelar minha assinatura….

    Responder
  16. Caro Jornalista Guilherme Fiúza, o renomado jornalista foi quem mais se aproximou da conclusão que o golpe do STF já existe. As decisões monocráticas do decano e do Alexandre de Moraes são ratificadas pelo silêncio dos demais. Muitos juristas renomados já dizem que o golpe já ocorreu. Ele está protagonizado pelo STF e com o respaldo do congresso(Maia e Alcolumbre), FHC, Lula, demais partidos de esquerda, OMS,governo chinês e governadores ladrões de esquerda. O presidente Bolsonaro e os generais estão acovardados e temem a ameaça de ser contra o estado de direito. Acredito existir golpistas nas forças armadas. O próximo passo será o processo da fake news para destituir a chapa Bolsonaro-Mourão. Não sou vidente nem alquimista,, porém que tem golpe , tem.

    Responder
  17. De acordo com Rogério Carvalho e Ronaldo Paes Barreto, acima. Embora alguns ministros do STF não tenham mesmo a ilustração jurídica exigida, ninguém seja ingênuo de achar que o pisoteamento reiterado da Constituição Federal traduziu mera atecnia de membros daquela Corte Constitucional.

    Responder
  18. Então vai lá Fiuza, leia algo do tipo “vírus morre se você tomar Pinho Sol” e tome Pinho Sol. O cara te matou, e aí? Viva a liberdade de expressão dele? Fake Nes é crime, de qualquer lado que venha. Não é liberdade de expressão, que deve respeitar a lliberdade dos outros através da Constituição.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OESTE NOTÍCIAS