O impeachment Boitatá - Revista Oeste

Em 20 mar 2020, 20:40

O impeachment Boitatá

20 mar 2020, 20:40
Bolsonaro no ato do dia 15 de março

O presidente da República, Jair Bolsonaro, desce a rampa do Palácio do Planalto, em Brasília, para cumprimentar manifestantes que participavam de ato pró-governo, neste domingo, 15 – Foto: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO

Há uma lenda do nosso folclore, como a Mula-Sem-Cabeça ou o Negrinho do Pastoreio, que desfruta de grande respeito pelos jornalistas políticos brasileiros: a lenda segundo a qual realmente já foi visto, nas noites de lua cheia ou então sem lua nenhuma, um ente do além-túmulo que se chama Impeachment do Presidente da República. Garantem, alguns, que ele foi visto pela primeira vez logo depois que Jair Bolsonaro foi eleito presidente em outubro de 2018, e antes mesmo de tomar posse. Depois disso, dizem que vive aparecendo nas encruzilhadas de Brasília (onde o dr. Niemeyer permitiu que houvesse encruzilhadas), cemitérios abandonados e outros lugares em que as pessoas geralmente não gostam de ir. Justo agora parece que jogaram água benta em cima dele; o bicho deve ficar sumido por algum tempo.

Foi uma decepção, para muitos dos admiradores das nossas fábulas populares, mas o fato é que o presidente da Câmara dos Deputados, segundo divulgado hoje em matéria de Oeste, anunciou a seus próximos que vai mandar arquivar todos os pedidos de impeachment de Bolsonaro que foram apresentados a ele. Sonhava-se aqui e ali que Rodrigo Maia, a quem a mídia atribui diariamente sérias desavenças com o presidente, iria deixar a coisa rolar. Mas, por mais que desgoste de Bolsonaro, Maia não rasga dinheiro nem bebe água fervendo – e os pedidos que socaram em sua mesa, até agora, compõem uma das mais ambiciosas contribuições jamais feitas para o Arquivo Nacional dos Requerimentos Cretinos. O último deles foi apresentado pelo deputado Alexandre Frota. Não é preciso dizer mais nada.

A Constituição Federal permite, sim, que o presidente da República seja deposto do cargo por um processo de impeachment. Aliás, dos últimos cinco presidentes eleitos pelo voto popular direto, dois, Fernando Collor e Dilma Rousseff, foram legalmente postos no olho da rua. Tem dado um aproveitamento de 40% – nada mal. Mas há um detalhe realmente incômodo para tirar o presidente do seu cargo num processo de impeachment: é preciso dizer por quê. “Não dá para você pedir o impeachment do chefe da Nação como quem vai na farmácia comprar um Melhoral”, dizia o grão-sacerdote Ulysses Guimarães, sob a admiração geral dos nossos cérebros políticos ótimos e máximos. Esse “porquê” é complicado: para haver impeachment é preciso que o presidente tenha cometido um crime no exercício do seu mandato. Ou os jornalistas têm esse crime para falar no assunto, ou então têm apenas um Boitatá para ficarem passeando na floresta.

Qual delito, passível de impeachment, o presidente cometeu? Nenhum – nem a OAB acha isso, e nem o ex-presidente Lula é a favor dessa história. O último crime que tentaram colar em Bolsonaro foi “incentivar o contágio da população pelo coronavírus”, por ter cumprimentado grupos de admiradores que foram saudá-lo outro dia na porta do palácio. Assim fica difícil: desse jeito o homem não passa a faixa pelos próximos 250 anos. Ao fazer circular a sua lenda, a mídia poderia lembrar, só lembrar, que Dilma Rousseff sofreu 68 pedidos de impeachment; só um colou. O ex-presidente Lula teve 37 pedidos. Michel Temer, 31.

Há milhões de pessoas nas ruas gritando “Fora Bolsonaro”? Não há, e isso é um problema-gigante para quem quer tirar o homem de lá. Melhor, em vez de perder tempo com impeachment, é começar a pensar num jeito de ganhar as eleições de 2022.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

14 Comentários

  1. Esse Guzo e crack. E tem uma coisa que nenhum jornalista na sua faixa etária tem: a modernidade no jeito de escrever e a malicia irônica dos inteligentes!

    Responder
    • Grande Guzzo assinei hoje revista so pra ter o prazer e orgulho de ler suas colunas. Sou seu fa e que Deus proteja cada vez mais a sua imensa sabedoria.

      Responder
  2. Parabéns pela matéria, Guzzo! Estou adorando a revista. Ele será física tb? Sinto falta de ler no papel uma boa revista! Abraço.

    Responder
    • Karina, a priori será somente digital! Obrigado pela audiência e continue conosco! 🙂

      Responder
  3. 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

    Responder
  4. Ótimo texto pela clareza. Guzzo é sempre ótima leitura. Mas, ao contrário do que diz o articulista, Bolsonaro comete quase um crime por dia, crimes que ensejam impeachment. Crimes que habitam o mundo real, não o do Boitatá. Contudo, concordo com o ponto do texto: não é hora para impeachment, Bolsonaro ainda tem sustentação popular, e o momento pede união e sensatez. Coisas que o próprio presidente repele. De todo modo, 2022 está distante, por mais que Bolsonaro o tenha antecipado desde o dia da posse já que só pensa em reeleição; melhor ainda do que perder tempo tentando tirar o homem de lá é lhe cobrar decência e eficiência. Mas é perda de tempo maior ainda.

    Responder
  5. Lembrei-me de outro ser fantástico brasileiro, o Curupira. Com os pés invertidos – calcanhares à frente – ele complica a vida dos caça-fantasmas e da oposição demofóbica. E a claque disfarçada de imprensa, olhando as pegadinhas, só vê retrocesso… A criatura, porém, está lá na frente, saudando os populares – na saúde e na doença -, até que 2022 os ponha novamente em aliança.

    Responder
  6. Parabéns, grande estréia, Guzzo! Com humor, ironia e muita lucidez vc. disse tudo sobre esses ridículos pedidos de impeachment, os quais não tem qquer amparo legal, são só revanchismos, imbecilidade e muita má fé de quem quer ver o circo pegar fogo.

    Responder
  7. Quanto orgulho ver brotar profissionais da imprensa que buscam a todos esforços separarem o joio da jóia. Sei que as lutas são ingentes, mas esse figurino só cabem aos Titãs que não se vendem as mitologias. Sucessos.

    Responder
  8. Excelente, Guzzo! Parabéns!

    Responder
  9. Pura papagaiada dos esquerdopatas. Povo doente da cabeça, que até hoje não se conformam com a derrota e a decepção de não ver o País dominado pelo o regime comunista.

    Responder
  10. Brilhante! J.R. Guzzo é uma das raríssimas exceções no jornalismo brasileiro! 👏👏👏.

    Responder
  11. Excelente! Deveria ser base de reflexão para a mídia que se empenha tanto em derrubar o Presidente, todos os dias!

    Responder
  12. Deputados com altos salários, que ao invés de ocuparem tempo legislando a favor do povo, perdem tempo com pedidos de impeachment ocos.
    Isso, sim, é complicado e indecoroso.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias