O Juizado da Verdade Suprema - Revista Oeste

Revista

O Juizado da Verdade Suprema
Fake news é o que “a gente” quiser que seja
3 jul 2020, 08:45

— Esse negócio aí de fake news, você é contra ou a favor?

— Contra, claro.

— Por quê?

— Ué, porque sou contra a mentira. Qual seria a dúvida?

— Não, nenhuma. É que não é bem isso.

— Não é bem isso o quê?

— Esse negócio de mentira.

— Como assim? Mentir agora é relativo?

— Depende.

— Depende de quê?! Você enlouqueceu?

— Depende da fake news. Vou te explicar.

— Por favor.

— Por exemplo: a eleição presidencial foi decidida por uma fraude de WhatsApp?

— Claro que não.

— E você leu notícias dizendo que a eleição foi maculada por disparos de WhatsApp?

— Li.

— E você viu algum desses checadores de fatos decretando que isso aí era fake news?

— Não.

— Então não era.

— Não era o quê?

— Fake news. Se os checadores não disseram que era fake news, não era fake news.

— Aonde você quer chegar?

— Já cheguei. Estou te provando que nem sempre mentira é fake news.

— Então o que é fake news?

— Está preparado para ouvir a verdade?

— Sempre.

— Então lá vai: fake news é o que a gente quiser que seja.

— A gente, quem?

— A gente que denuncia fake news.

— Tá meio confuso, isso. Dá um exemplo.

— Sabe o Supremo Tribunal Federal?

— E como sei.

— Pois é. Eles botam a polícia pra pegar jornalista, invadir casa de deputado, enfim, tocam o terror dizendo que estão combatendo fake news, né?

— Impressionante, não tinha me dado conta. E quais são as fake news que eles estão denunciando?

— Bobo.

— Qué isso? Olha o respeito!

— Desculpa. Eu quis dizer distraído.

— Tá certo. Ando meio distraído mesmo. Essa quarentena tá…

— Olha o foco. Estamos falando de fake news.

— Isso, obrigado. A denúncia do STF. Continua.

— Já terminei. O STF prende e arrebenta dizendo que é alvo de fake news. E ainda fala que tá defendendo a democracia. Aí não precisa explicar nada, é só sair amordaçando.

— Desculpe a minha distração… Ninguém reclama disso? Ninguém diz que é contra a lei?

— Só o povão da internet. Mas você não tá tão distraído assim: esse é um bom ponto e já está sendo resolvido.

— Como?

— Com uma nova lei. Pra ninguém mais poder dizer que é contra a lei.

— Interessante. E o que vai dizer essa lei?

— Basicamente isso que eu já te disse.

— O quê?

— Que fake news é o que a gente quiser que seja.

— Isso vai virar lei, é?

— Já tá virando. O Senado fez a parte dele. Foi uma coisa linda. Até os tucanos apoiaram.

— O pessoal do FHC apoiou a mordaça?

— Se você usar essa palavra mais uma vez, eu te acuso de fake news e mando o STF invadir a sua casa.

— Calma, desculpe. Foi só uma brincadeira. Entendi perfeitamente que criar um juizado da verdade suprema não é amordaçar ninguém. É só convidar as pessoas a pararem de se meter a besta e só falarem o que é certo, não é isso?

— Exatamente! Quem não falar coisa errada não vai ter problema.

— Perfeito. Só não entende quem não quer. Até eu que ando meio distraído entendi. Posso te fazer só mais duas perguntas?

— Se for pergunta certa, sim. Se for pergunta errada, não.

— Já tá no clima da nova lei, né?

— Tem que exercitar.

— Sem dúvida. Então aqui vai a primeira pergunta certa: a gente pode contar com a Câmara dos Deputados pra aprovar essa lei tão importante para a democracia brasileira?

— Gostei do “a gente”. Seja bem-vindo ao clube da verdade soberana. Sim, contamos com a Câmara para prestar esse serviço ao clube… digo, ao povo. Os deputados podem ter a certeza de que, se aprovarem a lei proibindo o eleitorado de dizer coisa errada, só vai ser eleito político certo. Isto é, os que aprovaram a lei. É dando que se recebe.

— Sensacional.

— E a outra pergunta?

— Essa é mais simples. Você vai ter influência na escolha dos checadores da verdade?

— Sim.

— É que eu tenho um sobrinho muito bom…

— O que ele faz? Neste momento tá em casa.

— Home office?

— Não. Home home, mesmo. Mas de vez em quando ele sai. De máscara.

— Pra evitar o contágio, faz muito bem.

— Não. Pra jogar pedra em vidraça. Ele luta contra o fascismo por um mundo melhor.

— Bom perfil. Com certeza o seu sobrinho saberá o que é fake news.

— Que bom! É isso mesmo, ele vive na internet mandando as pessoas calarem a boca.

— Então pode dizer a ele que vai continuar fazendo isso, só que com um ótimo salário.

— Oba! Muito obrigado! E viva as fake news! Quer dizer… morte às fake news! Desculpe…

— Relaxa. Dá no mesmo.

Sobre esse tema, leia também nesta edição os artigos de Ana Paula Henkel e J. R. Guzzo

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

31 Comentários

  1. Muito bom! Você deixa claro como está fácil se “enganar” com os discursos!

    Responder
    • O “1984” de George Orwel está se consubstanciando no Brasil pelas mãos do legislativo e do judiciário.

      Responder
  2. Fiuza: juiz de direito da ativa por 20 anos (até outubro/2017), jamais imaginei que, como cidadão, vivenciaria tamanho achincalhe jurídico, repetidamente praticado pela nossa Corte Constitucional. Cláusulas pétreas da Constituição insertas no seu art. 5º, simplesmente pisoteadas. Não há interpretações (lembremo-nos que a literal deve ser a primeira delas), e sim distorções aberrantes do seu texto. Incongruências e contradições, são recorrentes. O STF chega ao cúmulo de ignorar a suas próprias Súmulas, inclusive – pasme-se, acerbadamente – Vinculantes. Onde, então, a segurança jurídica??? Onde o Congresso, para coibir tais excrescências, na forma da lei? Onde o protesto veemente das Instituições, como a OAB, e das Associações (Oficiais) de Magistrados, do MP, e da Defensoria Pública? Onde o protesto da (grande) mídia, e da ABI sobre prisões teratológicas, inclusive de jornalista? Tudo parece uma concertação ideológica que causa repulsa, mesmo aos apartidários, como eu. Tristes tempos.

    Responder
    • Dr. Vc está certo. E entre outros assuntos é o que entendemos por validade e prazo de vigência das leis.

      Responder
  3. Quanto ao Senado, é de se perguntar, seriamente: para que ele serve, a não ser para escorchar a sociedade, e para autolocupletar-se e autoproteger-se, ademais, a um custo enorme? Ressalve-se a minoria de Senadores que lá estão, e que lutam denodadamente contra a maioria fisiológica, a começar pelo seu Presidente. Tudo considerado, para quê sistema bicameral no País? Ou, pelo menos que – se necessário – se mude o Regimento Interno para afastamento a qualquer tempo, da Presidência daquela Casa, que pratique ou deixe da praticar atos (como não dar seguimento à (v. g), CPI da Toga ou pedidos de impeachment de ministros do STF).

    Responder
  4. O Roberto Jefferson já matou a charada , é muita gente com o rabo preso!

    Responder
    • O Supremo Tribunal Militar vem aí. É só uma questão de tempo. Oremos

      Responder
  5. Simples assim!

    Responder
  6. Entre o cansaço pelo tanto de abusos que correm por aí, o nojo pela politicagem prenhe de segundas intenções e objetivos inconfessáveis, o ódio pela cretinice de tantos, preciso dizer que qualquer tutela ou limitação ao livre pensamento é, por definição, censura. Se a manifestação de opinião tipificar algum ilícito penal, deixa de ser opinião e é punida como crime. Se a manifestação contém “fato inexistente” (desculpem a contradição em termos), idem. Resumo: não dá para engolir esse arremedo legislativo! Que diabos!

    Responder
  7. O Xande vai mandar te prender pelo texto acima?
    Talvez, não. Já que você não escreveu a palavra proibida: Bolsona…o.

    Responder
  8. Brilhante!!! 🌟

    Responder
  9. TODAS AS INSTITUIÇÔES A FAVOR DA CORRUPÇÃO E ROUBALHEIRA , SIMPLESMENTE INCRÍVEL, CASO UNICO NO MUNDO DEMOCRÁTICO, VAI PERMANECER POR MUITO TEMPO NA MEMÓRIA DO PAIS.

    Responder
    • A solução para este abuso dos ministros do STF, passa necessariamente pela eleição de um novo presidente do Senado, cuja proposta seja a mudança do regimento interno e abrir mão de impedir que os processos de impeachment sigam seu caminho natural que não seja a gaveta, neste momento veremos a careca do Moraes se enrugando. Mas o que vejo hoje já é uma campanha para que se “legalize” no STF uma nova interpretação da constituição para que Alcolumbre possa continuar no comando, quem duvidar é louco.

      Responder
  10. Como Nasrudin criou a verdade

    Nasrudin
    (Khawajah Nasr Al-Din)

    — As leis não fazem com que as pessoas fiquem melhores — disse Nasrudin ao Rei. — Elas precisam, antes, praticar certas coisas de maneira a entrar em sintonia com a verdade interior, que se assemelha apenas levemente à verdade aparente.

    O Rei, no entanto, decidiu que ele poderia, sim, fazer com que as pessoas observassem a verdade, que poderia fazê-las observar a autenticidade — e assim o faria.

    O acesso a sua cidade dava-se através de uma ponte. Sobre ela, o Rei ordenou que fosse construída uma forca.

    Quando os portões foram abertos, na alvorada do dia seguinte, o Chefe da Guarda estava a postos em frente de um pelotão para testar todos os que por ali passassem. Um edital fora imediatamente publicado: “Todos serão interrogados. Aquele que falar a verdade terá seu ingresso na cidade permitido. Caso mentir, será enforcado.”

    Nasrudin, na ponte entre alguns populares, deu um passo à frente e começou a cruzar a ponte.

    — Onde o senhor pensa que vai? — perguntou o Chefe da Guarda.

    — Estou a caminho da forca — respondeu Nasradin, calmamente.

    — Não acredito no que está dizendo!

    — Muito bem, se eu estiver mentindo, pode me enforcar.

    — Mas se o enforcarmos por mentir, faremos com que aquilo que disse seja verdade!

    — Isso mesmo – respondeu Nasrudin, sentindo-se vitorioso. — Agora vocês já sabem o que é a verdade: é apenas a sua verdade.

    Responder
  11. Muito bom!

    Responder
  12. Muito bom!!!!

    Responder
  13. Sempre se superando Fiuza!!!!

    Responder
  14. Se o que aconteceu no Brasil nos últimos 90 dias fosse relatado por um jornalista como um cenário em qualquer jornal brasileiro há poucos anos atrás, o jornalista seria tachado de louco e que “as instituições” jamais deixariam esse tipo de coisas acontecer. Todas as instituições brasileiras estão paralisadas e coniventes com essa situação gravíssima. O país esta’ atonito e a corda que estava esticada ja’ se rompeu. O que mais poderá acontecer?

    Responder
  15. Ótimo texto, só tratando com ironia os Poderes no Brasil.

    Responder
  16. Excelente, Fiúza, como sempre.
    Estamos vivendo em regime ditatorial, exceto do Poder Executivo.
    Isso é inédito e esquizofrênico.

    Responder
  17. Essa lei da fake news é um aberração. Os políticos envolvidos em ladroagem e falcatruas não admitem que o pessoal das redes denuncie ou comentem suas sacanagens. Essa lei deverá ser levado para a latrina e sofrer uma descarga, juntamente com os 44 canalhas que votaram favoráveis.

    Responder
  18. Sensacional, Fiuza!

    Responder
  19. 👋👋👋👋👋👋👋👋. Partido Novo em 2020!!!

    Responder
  20. Dr. Vc está certo. E entre outros assuntos é o que entendemos por validade e prazo de vigência das leis.

    Responder
  21. Caro jovem articulista. Vc entrou no assunto com muitas variáveis para pensar. Sou responsável pela montagem e disseminação da quele vídeo que milhões assistira, curtiram e compartilharam. Coloquei o Joaquim Barbosa criticando o Gilmar Mendes no plenário do Excelso STF. É fake, uma mentira deslavada. Estou esperando a policia do Moraes para me buscar.

    Responder
  22. Até quando a elite do Judiciário vai se omitir quanto aos desmandos desses membros do atual Supremo e, agora também, do Senado?
    Já não estava na hora dos Desembargadores “desembargarem”?
    “O que preocupa é o silêncio dos bons…”

    Responder
  23. Sensacional!
    No final de tudo, e além de tudo, ainda nasce um cabidão de emprego para espetar no distinto contribuinte.
    Tudo para sua proteção!

    Responder
  24. GE-NI-AL!

    Responder
  25. Parabéns Fiuza, excelente artigo que representa bem o absurdo que o Senado Federal fez.

    Responder
  26. Caro Fiuza, viralizou no WhatsApp a troca de mensagens do “senador” Angelo
    Coronel, da Bahia. O conteúdo ó o que segue abaixo:
    – Coronel. como está o acordo de terça?
    – O acordo está fechado com os líderes, supremo e Alcolumbre
    – Muito bom, essa PL vai ajudar todos nós
    – Sim. Vamos acabar com a liberdade deles e mandar prender todo mundo. Vai todo mundo ir pra cadeia se discordar de nós.
    – Sim. Vamos acabar com esses politiqueiros
    – Sim. O embaixador vai enviar uma verdinha para nós quando a lei passar é interesse deles também.
    – Ata o Chinês ?
    -Sim
    Será que é preciso dizer mais alhuma coisa? Onde está o careca CANALHA pra mandar prender esse vagabundo? O que o Presidente Bolsonaro está esperando para invocar o artigo 142?

    Responder
  27. Muito bom, Fiuza!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OESTE NOTÍCIAS