O lado certo da história - Revista Oeste

Revista

O lado certo da história
A lembrança do líder do mundo livre na Segunda Guerra é mais importante do que nunca neste momento de radicalização ideológica e ascensão populista
1 maio 2020, 11:03

O primeiro dia de Barack Obama na Casa Branca em 2009 foi também o último de um icônico busto de Winston Churchill, colocado no Salão Oval durante o mandato de seu antecessor e devolvido, sem nenhuma cerimônia, para a embaixada britânica em Washington. O prefeito de Londres na época, ninguém menos que Boris Johnson, reagiu furiosamente em desagravo vendo no retorno do busto uma ofensa ao maior dos estadistas ingleses. A intenção do ato foi negada, mas o busto se foi e a cicatriz ficou.

Hoje, o prefeito de Londres não é mais um conservador, mas um muçulmano de esquerda, enquanto a direita retomou a Casa Branca. As voltas que o mundo dá. A retirada do busto de sir Winston Leonard Spencer-Churchill — eleito “o maior britânico de todos os tempos” num concurso promovido pela BBC em 2002 — no exato primeiro dia do mandato de Barack Obama é algo repleto de um simbolismo político-ideológico inegável.

Em 30 de outubro de 2008, Obama declarou num comício: “Estamos a cinco dias de transformarmos fundamentalmente os Estados Unidos da América”. Em maio daquele ano, sua esposa, Michelle, já havia dito que “vamos precisar mudar nossas tradições, nossa história”. Quando seu marido foi anunciado como vitorioso da eleição, confessou: “É a primeira vez que sinto orgulho deste país”. Para radicais como o casal Obama, nada menos que refundar o mais importante, livre, poderoso e próspero país da história da humanidade poderia satisfazer sua sanha ideológica.

Churchill era filho de um aristocrata inglês com uma americana e trazia no sangue a tradição compartilhada das duas nações.

 Mesmo sendo um patrimônio britânico indiscutível, pelo lado materno tinha parentesco com mais de dez ex-presidentes americanos e era praticamente uma síntese viva do que de melhor a civilização anglófona deu ao Ocidente.

A lembrança do líder do mundo livre na Segunda Guerra Mundial é mais importante do que nunca num momento de radicalização ideológica e ascensão populista em diversos países, com desdobramentos ainda que merecem atenção. A ruptura do consenso “pós-político” depois da queda do Muro de Berlim, quebrado oficialmente em 2016 com o Brexit e a eleição de Donald Trump, foi um evento que merece ser comemorado por todos os que exaltam o legado do liberalismo clássico britânico e norte-americano, mas os desdobramentos no mundo de governos populistas, no sentido técnico do termo, ainda são incertos.

É nesse sentido de indefinições político-ideológicas que revisitar Churchill é tão importante. Mesmo sendo um anticomunista ferrenho e de primeira hora (nas palavras dele, “antibolchevique”), tendo horror ao que sabia sobre o que ocorria na União Soviética e nada tímido ou dúbio na condenação do regime, quando se tenta rotular o velho inglês nas tradicionais caixinhas ideológicas, o desafio é mais complexo.

Como político, Churchill foi membro do Partido Conservador de 1900 a 1904, migrando para o Partido Liberal de 1904 a 1924 e depois voltando a ser um tory, de 1924 até o fim da vida. Todas as suas mudanças de partido foram importantes para analisar a trajetória de um gigante da política que se identificava não com ideologias tradicionais, mas com o que entendia ser o “espírito inglês”.

Churchill era um anticomunista, mas nunca entendeu que ser “de direita” eliminasse o compromisso de uma nação próspera como o Reino Unido com seus cidadãos mais vulneráveis.

Sempre foi um entusiasta dos programas de proteção social, nunca como uma estratégia de redistribuição de renda, mas como uma obrigação moral e solidária com outros britânicos que genuinamente precisavam de ajuda. Ele nunca aceitaria a ideia absurda e estapafúrdia de que a assistência social é “de esquerda”.

Cinquenta e cinco anos depois de sua morte, é preciso entender que esse monstro sagrado da história não defendia partidos ou ideologias, mas o que entendia como legado único dos povos de língua inglesa para o Ocidente e que deveria, até pelas armas como último recurso, ser preservado.

Tirar o busto de Churchill do Salão Oval da Casa Branca não era apenas uma mudança decorativa, mas uma mensagem que ainda não foi totalmente entendida por quem pensa que, na discussão político-ideológica, existem apenas leves divergências, quando há profundas diferenças em visões de mundo tão distintas quanto possível entre os que olham o “Oeste” com orgulho, mesmo ciente de suas imperfeições, e os que sonham em “transformar fundamentalmente” e “mudar” sua história e suas tradições.

Mesmo com um biógrafo e profundo admirador de Churchill morando no número 10 da Downing Street, não é hora de relaxar.

 Esqueça as caixinhas ideológicas, os bordões e os rótulos ginasianos que fariam Churchill revirar no túmulo e pense no que ele defendia, no que acreditava, no que lutou em toda a sua vida e no que fez de sua memória algo tão marcante que até um simples busto com seu rosto pode causar.

Mais que um tory ou um whig, Churchill era um conservador britânico por excelência, uma tradição de liberdade, responsabilidade individual e senso de dever com ecos desde a Magna Carta e moldada pela fidalguia da nobreza da qual descendia e pelos valores vitorianos que marcaram sua educação. Era também um pragmático que soube ver em Hitler, um anticomunista ferrenho, a antítese de tudo em que acreditava e que a Inglaterra representava. Não basta ser anticomunista para estar do lado certo da moral, da política e da história.

—————————————————————

Alexandre Borges é podcaster e analista político. Seu canal no YouTube, Imprensa Livre, teve mais de 2 milhões de views no segundo turno da eleição de 2018. É também analista político e colunista de Veja, da Gazeta do Povo e autor contratado da Editora Record. Na dio Jovem Pan, foi apresentador do programa 3 em 1, líder de audiência no segmento.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

19 Comentários

  1. ???????????????

    Responder
    • Excelente Borges. Abraço

      Responder
  2. É muito bom o texto do Alexandre.Agora fico situado no contexto do nome da Revista OESTE.Realmente não é fácil ser um liberal conservador, num mundo cada vez mais rasteiro,ideológico,e populista como hoje e com uma imprensa tão baixo nível e ligada a verbas públicas.Uma imprensa de origem na fina flor do “cangaço”,dos coronéis do nordeste e da “burguesia”burra e corrupta às custas do Estado no sul e eixo Rio-São Paulo.É preciso incentivar a leitura da OESTE nos nossos meios conservadores.A nossa juventude precisa libertar-se de movimentos imbecilizados como do MVR e MBL.

    Responder
  3. Para um povo que gosta de enforcar o subjuntivo, parece que “nunca entendeu que ser “de direita” eliminava o compromisso de uma nação próspera como o Reino Unido com seus cidadãos mais vulneráveis” seja um bom motivo para notar que “eliminasse” nos pouparia de um sentido duplo. Ou não?

    Responder
  4. Excelente artigo. Churchill era um líder icônico que consolidou muito dos valores do ocidente, da metade oeste do mundo. Curioso e revelador o esforço do casal Obama na destruição dessa e de outras sólidas referências culturais que nos levaram, com a graça de Deus, à ventura de estar do lado certo da História.

    Responder
  5. Excelente, Alexandre. O arremate final do artigo foi muito bom:

    “Não basta ser anticomunista para estar do lado certo da moral, da política e da história”.

    Isso é bem verdade.

    Trazendo para nosso contexto, vejo que a direita no Brasil precisa evoluir bastante e incorporar valores que vão muito além do “anticomunismo”. Só assim atingiremos a maturidade do que é, de fato, o pensamento conservador/liberal.

    Aproveitando o fim de semana, recomendo aos amigos assinantes o filme “Darkest Hour/ O Destino de Uma Nação (BR) “, disponível no Prime Video da Amazon, que fala de um momento que foi crucial para a história do mundo, quando Churchill assume como primeiro-ministro da Grã-Bretanha e tem como desafio enfrentar o avanço da Alemanha nazista de Hitler, tomando decisões dificílimas. Muito bom mesmo!

    Responder
  6. Sempre fui um crítico dos seus artigos Alexandre, mas este foi de tirar o chapéu! Meus parabéns

    Responder
  7. 21/06/1941 – Talvez a tempestade perfeita, inicio da Operação Barbarossa. Dois países aliados, que através de um protocolo secreto, haviam dividido a Europa entre si. URSS e Alemanha. Muitos questionam porque Churchill se aliou a URSS? Talvez fosse melhor deixar a coisa correr e depois lutar contra o que sobrasse? Os EUA, sob Roosevelt, apoiou maciçamente a URSS, através do famoso Lend-Lease Program, depois negado por Gorbachev. Hoje se sabe que a administração de FDR estava totalmente contaminada com comunistas. Fica a questão, como teria sido, se a URSS, o império do mal, colhesse os frutos do que plantou?

    Responder
  8. Quanto mais leio sobre Churchill, mais aumenta minha admiração por esse ser humano. Nas vésperas da batalha da Grã-Bretanha estava quase falido financeiramente; colocou o dono de um império jornalístico para coordenar a produção de caças para a RAF, com incrível sucesso(!), invariavelmente tomava dois banhos de banheira por dia e ditava ordens de dentro da banheira para sua secretária (!);era entusiasta de novas tecnologias e seu apoio a elas, muitas vezes contra seus chefes militares, foi fundamental para a vitória contra o nazismo. Não há paralelo possível entre esse admirável homem e o pequeno e politicamente correto (medíocre) Obama.

    Responder
  9. Um escritor português que não me lembro o nome disse certa vez que “Ganhar um presente e não usar é uma falta de respeito com quem deu”. Ora, na qualidade de representante máximo do povo americano, Obama desrespeitou sim o povo inglês. Mas antes disso o povo americano desrespeitou a si próprio elegendo um sujeito que prometia mudar tudo, ou seja, negava valores muito caros à nação. E o que é pior: por duas vezes seguidas. Há alguma coisa muito errada nisso aí, não sei o que.

    Responder
  10. “Não basta ser anticomunista para estar do lado certo da moral, da política e da história”
    Basta ser humano para estar do lado certo da moral, da política e da história.
    Não basta ser anticomunista, basta ser humano, pra compreender que ninguém governa este PAÍS cooptado pelo CRIME ORGANIZADO internacional. Desaparelhar os 3 PODERES com IMPRENSA tbm cooptada é o grande desafio.
    Comecemos c a PRESTAÇÃO DE CONTAS com o LEGISLATIVO, PRISÃO em SEGUNDA instância e fim do foro privilegiado. Este é o assunto.

    Responder
    • Perfeito!

      Responder
    • “não basta ser anticomunista para estar do lado certo da moral, da política e da história”. Não, não basta. Mas afirmo com convicção: JÁ É MAIS DO QUE MEIO CAMINHO ANDADO”.

      Responder
  11. Impecável!!!

    Responder
    • Seus textos são sempre muito bons. Pena que mal compreendidos por uma grande maioria.

      Responder
  12. Grande análise!

    Responder
  13. Perfeito em suas considerações e nos dá uma visão muito clara da nossa miserabilidade, pois nos falta um Churchill nesta hora de dúvidas quanto aos rumos tomar, esse é o peso que recai sobre os homens de bem, os que pensam na liberdade como um direito inalienável e um dever de acolher o próximo sem o transformar em um servil, mantendo a sua dignidade e tirando-o de sua miséria financeira e intelectual, a mais grave. Pena que nosso país é tão atrasado, mesquinho e corrupto.

    Responder
  14. Excelente artigo, Alexandre !!!
    Profundo.

    Responder
  15. Muito bom, Alexandre Borges! Meus parabéns!!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OESTE NOTÍCIAS

R$ 19,90 por mês