'O lockdown foi um grande erro', concluem intelectuais alemães - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 13 maio 2020, 19:15

‘O lockdown foi um grande erro’, concluem intelectuais alemães

13 maio 2020, 19:15

“Sou a favor da maneira sueca, com recomendações para que a distância seja mantida e que as pessoas em risco fiquem em casa”, afirmou a jornalista Patricia Riekel

O jornal alemão Bild, o mais vendido da Europa, publicou uma reportagem com a opinião de intelectuais do país sobre a prática do lockdown para combater a pandemia de coronavírus. “Foi um grande erro”, concluíram. A determinação consiste no isolamento completo, que, entre outras coisas, proíbe a circulação de pessoas sem autorização.

O patologista Klaus Püschel, chefe do Instituto de Medicina Forense do Hospital Universitário de Hamburgo, argumentou que, “no fim, a covid-19 é uma doença viral como a gripe”. Inofensiva para a maioria das pessoas e fatal em casos excepcionais.

“É importante saber se o coronavírus realmente foi a causa do óbito”, disse Püschel. “Dos aproximadamente 180 mortos com coronavírus que examinamos, todos sofriam de condições preexistentes graves e não eram crianças ou adolescentes.”

Ex-conselheiro do governo federal, o professor Stefan Homburg, diretor do Instituto de Finanças Públicas da Universidade de Hannover, argumentou que os números oficiais na Alemanha não justificavam o bloqueio. “Na Itália, a epidemia de coronavírus foi pior do que uma epidemia de gripe. Na Alemanha, foi menos grave”, constatou. “Os prejuízos estão aumentando diariamente. Todas as proibições devem ser suspensas. Estádios de futebol vazios e restaurantes meio vazios não servem a ninguém.”

Hans-Jürgen Papier, ex-presidente do Tribunal Constitucional Federal alemão, argumentou que as intervenções estatais foram longe demais. “O objetivo era buscar o equilíbrio entre a proteção da vida e da saúde de um lado e a dos bens constitucionais de outro”, lembrou. “Deveria ter havido um debate parlamentar e público mais amplo e detalhado.”

Julian Nida-Rümelin, ex-ministro da Cultura da Alemanha, argumentou que a divulgação de estatísticas sem contextualização cria medo e pânico e não promove o debate. “Com a covid-19, os grandes números que aparecem a cada dia nos deixam assustados e perplexos”, observou. “Esses números precisam ser contextualizados. Por exemplo, quantas pessoas normalmente morrem por dia na Alemanha? Quantas morrem de ataque cardíaco? E de câncer? E de covid-19?”

Para a jornalista Patricia Riekel, advertências e um apelo à responsabilidade pessoal seriam preferíveis ao bloqueio. “Sou a favor da maneira sueca, com recomendações para que a distância seja mantida e que as pessoas que fazem parte dos grupos de risco fiquem em casa”, afirmou. “O que vimos nas últimas seis semanas foi excessivo. Nós nos tornamos um povo de queixosos e delatores.”

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

8 Comentários

  1. Em alguns lugares começa a aparecer algum bom senso…

    Responder
  2. “Nos tornamos um povo de queixosos e delatores.” Estamos vendo esse comportamento também aqui.

    Responder
  3. Devagarzinho a verdade vai se sobrepondo à mentira. Mas quantas vidas foram desperdiçadas por politicas erradas nessa crise ?

    Responder
  4. Infelizmente somos governados por imbecis ( governadores) e a elite dita intelectual (artistas, cantores, escritores , jornalistas ,etc) esquerdistas que gostam de arrotar sabedoria porém não auxiliam em nada a quem precisa,e não assumem suas responsabilidades e só semeiam o ódio, vão quebrar a cara direitinho!

    Responder
    • Deveria ser leitura obrigatória para os imbecis dos nossos governadores e prefeitos que estão instaurando o caos.

      Responder
  5. Como diria o sábio chinês: Tá foda!

    Responder
  6. Cade o artigo original do Das Bild? Que feio hein…

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês