Oi: O que significa a disputa pela telefonia móvel? - Revista Oeste

Edição da semana

Em 7 ago 2020, 17:34

O que significa a disputa pela telefonia móvel da Oi?

7 ago 2020, 17:34

Fundo de investimento norte-americano rivaliza com consórcio formado por concorrentes brasileiras

oi telefonia móvel da oi - highline - tim - claro - vivo - recuperação judicial

Empresas disputam o serviço de telefonia móvel da Oi. Concorrentes diretas estão de olho
Foto: DIVULGAÇÃO

Companhia em processo de recuperação judicial desde 2016, a Oi se vê em meio a negociações para repassar seus ativos a outras empresas do mercado. De um lado, a Highline do Brasil, que é mantida pelo grupo de investimentos Digital Colony, dos Estados Unidos. Do outro, surge o consórcio formado pelo trio brasileiro Claro, TIM e Vivo.

Leia mais: “Operadoras de telefonia disputam compra da Oi”

Até o início do mês, a Highline tinha prioridade na negociação pela aquisição da telefonia móvel da Oi, serviço que conta com cerca de 34 milhões de clientes. Afinal, o fundo americano tinha um “acordo de exclusividade” — “acima do preço mínimo estabelecido” para a compra da Oi, o que impedia a empresa brasileira de analisar outras propostas. Mas o acordo da Oi com a Highline chegou ao fim em 2 de agosto e não foi renovado.

Concorrentes na jogada

Nos bastidores, discute-se que a Highline tem maiores chances de levar a negociação adiante. Isso porque o consórcio brasileiro pode fazer com que o processo se arraste por mais tempo. Afinal, caso seja celebrada a venda para Claro, Vivo e TIM, a comercialização só será concretizada por meio de aval do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), pois pode haver risco de monopólio — uma vez que as três já dominam o mercado de telecomunicações do país.

Dessa forma, contra o consórcio há a possibilidade de a negociação arrastar-se por meses. A Oi continuará arcando com os custos de sua telefonia móvel até o parecer final do Cade, que pode, inclusive, anular a venda para o trio brasileiro.

O interesse da Highline pela Oi pode ser benéfico para o consumidor brasileiro, acostumado a pagar caro pelo serviço de telefonia móvel. Enquanto um plano básico nos Estados Unidos custa em média US$ 20, no Brasil um pacote similar sai por US$ 80. Com a possível entrada do fundo americano, o valor ofertado pelo serviço ao consumidor final pode ser reduzido em todo o país, o que desagradaria a concorrência.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Assim ficou claro porque a Claro, TIM e Vivo entraram na briga. Querem evitar um concorrente forte. Que venha a Highline.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Supremas safadezas

Como os ministros do Pretório Excelso, o promotor da minha infância se julgava onipresente, onisciente e onipotente

A Suprema Corte e o abuso do poder

Quando juízes se tornam “superlegisladores”, as instituições se fragilizam e a sociedade perde a fé no sistema democrático

David Hume cancelado

Está em curso uma espécie de eugenia intelectual que conta com a simpatia ou covardia de reitores e professores de prestigiadas universidades internacionais

Vacina contra ditadura

Na ONU, Trump fez o que todo mundo com juízo deveria ter feito — e não fez, sabe-se lá por que mistério das escrituras empáticas

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

E chegamos à era dos ciborgues

Teremos nosso potencial mental multiplicado e nossas ações serão, literalmente, rápidas como o pensamento. O que faremos com esse novo poder?

Os intelectuais e a sociedade

Intelectuais ignoram que há mais sabedoria na população em geral do que num indivíduo qualquer, por mais inteligente que ele seja

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Revista Oeste — Edição 27 — 25/09/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês