O que Toffoli tem a dizer sobre o inquérito das 'fake news'? - Revista Oeste

Edição da semana

Em 4 set 2020, 15:48

O que Toffoli tem a dizer sobre o inquérito das ‘fake news’?

4 set 2020, 15:48

Criticada investigação foi validada pelo Supremo sob a presidência dele

inquérito das fake news - stf -toffoli

Foto: REPRODUÇÃO

Validar a legalidade do criticado inquérito das fake news foi a decisão mais difícil que Dias Toffoli tomou na presidência do Supremo Tribunal Federal (STF). Ao se reunir com jornalistas na manhã de hoje em Brasília, o ministro admitiu que não foi nada fácil analisar o tema.

Leia mais: “Lava Jato só ganhou força graças ao STF, diz presidente da Corte”

“Foi a decisão mais difícil da minha gestão a abertura desse inquérito”, declarou. Contudo, afirmou de modo genérico que outras nações lidam com situações parecidas. “Mas ali já vínhamos vivendo algo que vinha ocorrendo em outros países, o início de uma política de ódio plantada por setores que queiram, e querem, destruir instituições, que querem o caos”, continuou, sem, entretanto, citar nomes dos tais disseminadores de ódio.

“A história vai avaliar o papel desse inquérito na democracia do Brasil”

“No mais, a história vai avaliar o papel desse inquérito na democracia do Brasil”, enfatizou Toffoli, conforme informações do portal UOL. Por ora, o inquérito das fake news validado pelo STF foi criticado por juristas, políticos e pela Procuradoria-Geral da República. Além disso, o caso fez com que o ministro Alexandre de Moraes fosse denunciado a uma corte internacional.

MAIS: “De saída da presidência do STF, Toffoli elogia Bolsonaro: ‘nenhuma atitude contra a democracia'”

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. O que o “home” de notório saber jurídico tem a dizer sobre o inquérito do fim do mundo? N-A-D-A! Absolutamente nada.

    Responder
  2. Acho que quem quer o caos e dissemina o ódio são uns semideuses do Araque , que vivem em terra sem lei, que passam o tempo inteiro atrapalhando o governo de trabalhar e exercer suas prerrogativas e no tempo que sobra censura conservadores, prende cidadãos de bem, tira o direito a segurança dos moradores da favela do RJ,enquanto arquiva inquéritos de inúmeros corruptos, tira bandido, assassino e estuprador da cadeia e muda a lei para livrar seu herói de quatro dedos da prisão.

    Responder
  3. Enquanto o STF pratica o nefasto ativismo judicial comuno/globalista, pilhas de processos contra políticos corruptos prescrevem sob a toga dos 11 tiranos.

    Responder
  4. O inquérito é um absurdo jurídico: o stf seria vítima e investigador , julgador e setenciador. Além do mais, há várias denúncias dos advogados dos réus de que não tiveram acesso ai autos. Não, não tem substancialidade neste processo. Ele é autoritário e inconstitucional. . E membros do supremo ainda acusam o presidente da republica de ser autoritário quando o presidente não teve , até agora, nenhum gesto dessa natureza. Bolsonaro tem sido uma.pilastra da democracia no Brasil.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

O pai, o filho e o deboche

O pai, o filho e o deboche

A ideia geral de que não se deve praticar certas coisas em público, porque “pega mal”, parece caminhar rapidamente...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês