O Renda Cidadã e o risco fiscal - Revista Oeste

Edição da semana

Em 30 set 2020, 11:20

O Renda Cidadã e o risco fiscal

30 set 2020, 11:20

Não há mágica. E o mercado tem reiterado o apoio ao melhor caminho

o renda cidadã

Aplicativo auxílio emergencial do Governo Federal | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Há boas razões para a defesa do programa Renda Cidadã. Sobretudo a possibilidade de criação das chamadas “portas de saída” — instrumentos por meio dos quais o beneficiário poderá gradativamente deixar o guarda-chuva do assistencialismo para ingressar na economia produtiva. Mas o Brasil perde se o programa ficar de pé às custas do comprometimento fiscal. O país sairia da rota virtuosa traçada pela equipe econômica do governo, que vinha garantindo inflação baixa e juros em patamares nunca antes registrados.

Não há mágica. E o mercado tem reiterado o apoio ao melhor caminho:

1º) Privatizar ou extinguir estatais, enfrentando as consequências políticas, corporativistas e jurídicas decorrentes;

2º) Aprovar uma reforma tributária que não aumente a carga de impostos, já extremamente excessiva num país de serviços públicos deploráveis;

3º) Aprovar uma reforma administrativa que reorganize o aparelho do Estado, elimine privilégios e não envolva apenas servidores que venham a ser contratados, mas também aqueles que hoje compõem a máquina.

É clara a mensagem dos agentes econômicos: o governo e o Congresso não devem ceder à tentação de assegurar a popularidade com a erosão das finanças públicas.

Leia também: “O custo da ineficiência”, reportagem publicada na edição n° 2 da Revista Oeste

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. A reforma administrativa é urgente, e nos 3 poderes!

    Responder
  2. Mas como fazer isso com o Congresso que temos, como fazer isso se o STF é formado por ativistas judiciais de esquerda, canalhas que se sentem os deuses editores do Brasil?

    Responder
  3. A pergunta e como fazer isso com o Congresso atual e com o STF tentando barrar todas as ações do governo para que o pais não cresça???

    Acho corretas as três proposta porem não consigo ver outro caminho. Será muito bom mais reportagens sobre o tema. Precisamos discutir isso amplamente como sociedade.

    Responder
  4. Acho que o texto está correto, mas “a política é a arte do possível”.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês