O resgate de Tocqueville - Revista Oeste

Revista

O resgate de Tocqueville
O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos
20 nov 2020, 08:47

Enquanto a eleição presidencial norte-americana segue sendo questionada judicialmente pelos republicanos, a nação continua dividida, e Joe Biden fez um discurso em prol da união. As palavras são positivas, mas os atos, nem tanto. Afinal, seu Partido Democrata tem sido responsável por segregar o povo, demonizar os adversários e eleitores de Trump, e nem sequer consegue condenar abertamente movimentos radicais e violentos como Antifa e Black Lives Matter.

Além disso, a política de identidade tem jogado mais lenha na fogueira da divisão, o ataque ao legado dos “pais fundadores” é frequente e ideias socialistas vão ganhando força dentro da base democrata. O partido que hoje tem Bernie Sanders, Kamala Harris, Alexandra Ocasio-Cortez e Ilhan Omar seria irreconhecível para um JFK, católico, anticomunista e defensor de menos impostos. O tecido social da América está esgarçado, e Trump é bem mais sintoma do que causa.

Nesse contexto, talvez seja útil resgatar a análise daquele que foi o observador mais arguto das peculiaridades norte-americanas que fizeram dos Estados Unidos uma grande potência democrática. Alexis de Tocqueville foi conhecer in loco a realidade do país e se encantou com muitas características excepcionais, que criavam certo abismo em relação à realidade europeia, em especial àquela francesa, de seu país natal.

Tocqueville escreveu seu clássico A Democracia na América buscando contribuir para a preservação da liberdade na França durante a conturbada transição da aristocracia para a democracia. Apesar do tempo transcorrido, o livro continua atual e válido em vários aspectos. Tocqueville reconhece a importância do caráter nacional norte-americano para a liberdade existente no país, e dá crédito aos religiosos puritanos pela moldagem desse caráter.

Entre as observações que fez sobre o país, consta a extraordinária capacidade das associações voluntárias no dia a dia da vida norte-americana, como uma força social muito mais potente e extensiva que o Estado. Se os franceses se voltavam para o Estado, e os ingleses para a aristocracia, os norte-americanos formavam livres associações uns com os outros quando precisavam de alguma coisa.

Os norte-americanos praticavam o autogoverno, em síntese. Não dependiam do governo, mas se organizavam para alcançar os próprios objetivos. Ele concluiu que a lei da associação é a primeira lei da democracia: “Entre as leis que governam as sociedades humanas, há uma que parece ser mais precisa e clara do que todas as outras. Se os homens devem continuar a civilizar-se ou tornar-se civilizados, a arte de associação deve crescer e melhorar, na mesma proporção em que aumentam as condições de igualdade”.

O socialismo procura igualdade na restrição e na servidão

A igualdade de que falava Tocqueville não tem nenhum elo com a igualdade pregada pela esquerda democrata hoje, voltada para resultados iguais, independentemente do mérito ou valor gerado. Tocqueville deixou isso bem claro numa passagem conhecida: “Democracia e socialismo não têm nada em comum além de uma palavra: igualdade. Mas note a diferença: enquanto a democracia procura a igualdade na liberdade, o socialismo procura igualdade na restrição e na servidão”.

Os norte-americanos imaginam, segundo observou Tocqueville, que está em seu próprio interesse fazer contribuições para o bem-estar comum e o bem público. O futuro deles e de seus filhos se beneficia disso. O bem público está assim associado ao próprio interesse de cada um, ao dever moral de quem se sente parte de um todo. Não é preciso falar em altruísmo, pois a própria busca da satisfação dos interesses particulares já leva um povo mais avançado culturalmente a cuidar dos bens comuns. O norte-americano sente que a coisa pública é sua também, é de todos.

Tocqueville explica melhor seu ponto sobre o respeito do cidadão às leis: “Ele obedece à sociedade não porque seja inferior aos que a dirigem ou menos capaz de governar a si mesmo do que outro homem; ele obedece à sociedade porque a união com seus semelhantes lhe parece útil e porque sabe que essa união não pode existir sem um poder de controle”.

Mas essa postura, para Tocqueville, era derivada de valores e costumes que a religião ajudava a preservar. A importância que Tocqueville deu ao fator religioso, especialmente o protestante, no sucesso relativo dos Estados Unidos foi enorme. Conforme resume Michael Novak em seu The Universal Hunger for Liberty, seriam basicamente cinco os aspectos mundanos da utilidade religiosa: restrição aos vícios e ganhos na paz social; ideias fixas, estáveis e gerais sobre as dinâmicas da vida; o foco na questão de igualdade perante a lei; uma nova concepção de moralidade como uma relação pessoal com Deus, e, portanto, um motivo para agir de forma correta mesmo quando ninguém está observando; e, por meio da elevada honra dedicada ao laço do matrimônio, uma regulação tranquila das regras no casamento e em casa. Uma rede de confiança inspirada pela fidelidade, alimentada dentro do lar familiar e criando filhos felizes, isso aumentaria as chances de sucesso de um governo republicano.

Para Tocqueville, a religião vê na liberdade civil um nobre exercício das faculdades do homem. Ela vê no mundo político um campo liberado pelo Criador para os esforços do intelecto. A liberdade, por sua vez, vê na religião a companheira de suas lutas e seus triunfos. Considera a religião como salvaguarda dos costumes e os costumes como garantia das leis e de sua própria durabilidade.

A aristocracia artificial, a nobreza por nascimento, era algo incompatível com a realidade democrática norte-americana, e Tocqueville celebrava isso. O “homem comum” tinha um valor bem superior ao que ele notava na Europa, e o ceticismo para com a classe governante era um antídoto contra tiranias. Tocqueville certamente demonstraria preocupação com a “tirania dos especialistas” na era moderna, com a arrogância dos “homens da ciência” que desejam agir como “engenheiros sociais”. Ele constatou: “O império moral da maioria se baseia na ideia de que há mais esclarecimento e sabedoria em muitos homens reunidos do que em um só, mais sabedoria no número do que na escolha dos legisladores. Esta é a teoria da igualdade aplicada ao intelecto”.

O que fez da América uma grande potência livre vem sendo abandonado faz tempo, em especial pela esquerda democrata. Obama, em seus discursos, diminuía a importância do empreendedor na criação de riqueza, apelando para um coletivismo incompatível com a meritocracia individual. A tentativa de apagar o passado e rejeitar as tradições herdadas é outra postura antagônica àquilo que Tocqueville enxergava como crucial para a manutenção do tecido social. O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos.

Em suma, seria ótimo se os democratas realmente desejassem maior união. Mas para tanto seria necessário abandonar boa parte da retórica atual, eivada de um sentimento de arrogância elitista e ressentimento tóxico contra os “deploráveis”. Os democratas teriam também de depositar maior confiança no cidadão, no indivíduo, e menos no papel estatal como locomotiva do progresso e da “justiça social”. Tais crenças parecem bem mais próximas da mentalidade francesa aristocrática dos tempos de Tocqueville do que com aquilo que fez da América um caso excepcional de sucesso. Os democratas precisam resgatar Tocqueville se querem mesmo resgatar a América!

Leia também nesta edição a coluna de Ana Paula Henkel, “O mal de roupa nova”

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

28 Comentários

  1. Ótimo Constantino. E cumprimentos à Revista Oeste pela postura independente da tua manuntenção como colunista, diversamente do que ocorreu com a Jovem Pan, que simplesmente deixei de assistir (dizem que ela pertence a um conhecido político de SP, será verdade?), pois acovardou-se diante da patota manipuladora de sempre. Não dá para achicar-se para essa gentalha. O ensinamento de Churchill é atual: “Conciliador é aquele que alimenta um crocodilo -, na esperança de que ele o devore por último”. Ou, “entre a desonra e a guerra, escolheste a desonra, e terás a guerra. Uma nulidade da qual só de olhar-se já se vê que é uma hipócrita, e que é a Vera Magalhães, ter tanto trânsito assim junto a essa mídia nojenta, já e revelador da podridão do Sistema.

    Responder
    • Constantino, sempre terá espaço para você em ambientes democráticos de verdade. Chegava a ser cômico o programa da JP se chamar 3 em 1, quando deveria ser 2 contra 1. Você não foi o ultimo sofredor da cultura do cancelamento, neste ambiente tóxico das redes socais e de jornalistas militantes, que ser preocupam mais com sua agenda do que com a veracidade dos fatos.
      Forte abraço, well done!

      Responder
    • Concordo plenamente com seu acertado comentário. Não devemos achicar perante a esquerda que defende Cuba, Venezuela, China, que eles consideram paraísos, mais nem a tiro vão morar lá. Esta incoerência os coloca como seres degradadores em qualquer ambiente que atuem. Constantino, parabéns, e vamos continuar a luta pela verdadeira Democracia.

      Responder
  2. Parabéns Constantino!

    Responder
  3. As colunas de Constantino são sempre ótimas! Parabéns.

    Responder
  4. Parabéns! Ótimo texto.

    Responder
  5. Ótimo artigo. Assim com o fez Ana Paula em “O mal de roupa nova”, você avaliou com precisão os valores que fizeram dos EUA uma grande Nação. Parabéns Rodrigo

    Responder
  6. Craque! Parabéns, Consta!

    Hoje mesmo assisti a aula sobre Toqueville em seu curso!

    Responder
  7. Me senti honrado ao ler sobre uma realidade que temo, e que na verdade é Universal e perigosa para as nações ocidentais, já em estado avançado de putrefação aqui no BRASIL.
    Tenha como exemplo os meus irmãos paulistas, como consequência do adiantado processo de insensatez e desunião, se dividirem entre Boulos o invasor de propriedades, e um representante “qualquer” de uma Orcrim comunista, travestida de social democrata.
    E ainda pior, a política pode nos surpreender com um “CENTRÃO”, tbm uma das maiores ORCRIMS do mundo, por ser eclética e representar o extrato da sem vergonhice e estupidez fisiológica, apoiando no 2o. Turno o marginal Boulos, o semeador da desordem, o antifa da X, tendo como objetivo corretíssimo, implodir desde já o jornalista corrupto Dória. Nada mal.
    MORO sai ganhando, o PSDB de FHC retorna ao domínio comunista Nacional, e em 5 anos as clínicas de estética faturam horrores, para ficarmos na moda, conservadores cristãos com cara de chineses para não sermos massacrados pela tirania que se avizinha.
    Melhor então votar no covas? Oh Deus qtas dúvidas, que labirinto. O POVO Paulista ñ pode ser responsabilizado. Realmente as coisas se afunilaram!!!
    Em breve concluiremos que nós brasileiros somos mesmo bundões não politizados, e falamos em democracia!! Qdo na verdade víamos como única alternativa eleger um MESSIAS, jogando Nele a responsabilidade sobre o que compete somente a nós, povo: Acabar com o CONLUIO sórdido entre o congresso e o STF, e nas ruas INSTITUIRMOS a PRISÃO em SEGUNDA instância e fim do Foro privilegiado, separando o JOIO DO TRIGO.
    Então, como sair da enrascada em que se meteu o POVO BRASILEIRO no 2o. Turno em São Paulo?
    Não podemos mais nos conformar em sermos presenteados com “Itaqueirões “.
    Se não acordarmos e não nos unirmos em torno das pautas ANTICORRUPÇÃO elencadas nas RUAS de todo o PAÍS em 2.013, e em 5 anos tiramos o EXECUTIVO do CONLUIO entre os 3 poderes, continuaremis perdendo de 7, e em breve teremos os olhos “puxadinhos”.

    Responder
  8. Concordo com sua análise, Constantino. Sou pastor batista e observo na prática a influência positiva dos valores cristãos na formação de cidadãos livres para decidir fazer o bem ao próximo e à sociedade. Recomendo a leitura de “O Livro que fez o seu Mundo – Como a Bíblia criou a alma da civilização ocidental” (Ed. Vida) do escritor indiano Vishal Mangalwadi.

    Responder
    • viva o Protestantismo!!!, especialmente o Calvinismo kkkk

      Responder
  9. Parabéns Constantino, o esquerdistas no mundo inteiro tem algo em comum. sempre as atitudes deles está diametralmente oposta ao discurso.

    Responder
  10. Continua tua luta, Constantino !
    Abração!

    Responder
  11. Belo texto!

    Responder
    • Ótimo texto, didático.

      Responder
  12. Constantino, vejo três pilares nos seus comentários: cultura, informação e esclarecimento. Obrigada!

    Responder
  13. Parabéns.. E Vida Longa a Revista OESTE…

    Responder
  14. parabens show de bola

    Responder
  15. Constantino é um mestre na cultura conservadora e nos mostra seus pilares básicos.Enquanto a nova “retórica” democrática americana só dá vexame e vergonha, se afundando e demolindo as conquistas dos “pais fundadores”.Do outro lado,pasmem, a “democracia do Putim” preserva a ordem e os costumes da Pátria,Deus e Família,condenando LGBT, os muçulmanos e Europa em discurso duro na Praça Vermelha.Está num vídeo e juro que vi.

    Responder
  16. Mesmo com tudo que nos ensina transmitindo seus bons sentimentos para o convívio em sociedade, Rodrigo Constantino foi cancelado por importantes meios de comunicação como a Jovem Pan, cujos dirigentes sequer souberam interpretar o que tentou transmitir em seu twitter sobre a conduta de um pai que se importa sim com a vida em sociedade de seus filhos.
    Pior ainda quando importantes e tradicionais empresas atendem o site anônimo “sleeping giants” movido a ONG A nossas.org dirigida por Alessandra Orofino propagadora de lives com Gregorio Duvivier e Felipe Neto, e cortam patrocínio ao tradicional jornal Gazeta do Povo que não se rendeu e manteve Constantino em seu jornalismo.
    Perdem portanto a Jovem Pan e essas empresas com incompetentes departamentos de marketing que preferem ouvir Felipe Neto, Gregorio Duvivier e a desconhecida Alessandra Orofino.
    Nós ficamos com Constantino, entenderam?

    Responder
  17. Excelente texto, Constantino! Mantém o mesmo nível de excelência da sua aula sobre Tocqueville no curso Os Pensadores da Liberdade. Sou sua apoiadora na defesa da divulgação da verdade. Coragem!!! Siga forte!

    Responder
    • Lamentável ! 51 ESTRELAS da LIBERDADE e curvam a 1 ESTRELA da DITADURA COMUNISTA. #spazzatura cinese

      Responder
  18. Parabéns! A ratoeira que armaram para você vai deixar cicatrizes, mas a sua força intelectual demonstra que a cabeça tá no lugar.

    Responder
  19. Eu não gosto de puxar saco de autores, mas esse texto está mto bom. Eu morei nos Status e pude verificar bem o que é a capacidade associativa dos gringos. Estacionamento numa rua lateral é decidido pelos moradores, segundo regras gerais.

    Responder
  20. Muito bom o artigo, Constantino, parabéns! Também por escrever “progressistas” entre aspas, quando se refere aos esquerdistas que se fingem adeptos do progresso. Acabar com a religião e com as famílias é a regra deles, para vencerem (isso nunca será um progresso)

    Responder
  21. Estou me tornando repetitivo nos comentários. É sempre “Ótimo!”, “Excelente!”, “Parabéns!”, e dessa vez não é diferente! Textão!

    Responder
    • Parabéns Rodrigo C.
      Esclareceu um pouco mais o q disse Alexis de Tocqueville.

      Responder
  22. Parabéns Constantino.
    Li Alexis de Tocqueville e gostei muito.
    Vc esclareceu ainda mais alguns pontos.
    Grande abç

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OESTE NOTÍCIAS

R$ 19,90 por mês