O 'STF' dos EUA está a um passo do conservadorismo - Revista Oeste

Edição da semana

Em 26 set 2020, 19:00

O ‘STF’ dos EUA está a um passo do conservadorismo

26 set 2020, 19:00

Indicada por Trump à Suprema Corte, Amy Coney Barrett defende que a “a vida começa na concepção” e está alinhada às posições do presidente

o stf dos eua

Cerimônia de confirmação do nome da futura ministra do ‘STF’ dos EUA | Foto: Reprodução/YouTube/NBC News

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, oficializou neste sábado, 26, o nome da juíza Amy Coney Barrett para ocupar na Suprema Corte dos EUA a cadeira da magistrada Ruth Bader Ginsburg, que morreu semana passada. A escolha tem de passar, agora, pelo Senado, onde os Republicanos têm maioria. Portanto, a ratificação do nome escolhido pela Casa Branca é quase certa e muda o perfil do “STF dos EUA”, cuja maioria será conservadora (6 contra 3 progressistas).

Leia também: “A Suprema Corte e o abuso de poder”, artigo de Ana Paula Henkel publico na edição n° 27 da Revista Oeste

Barrett, de 48 anos, é juíza de carreira, estudou Direito na Escola de Direito de Notre Dame, em Indiana, e atualmente integra o Tribunal de Apelações do 7º Circuito de Chicago. Católica e mãe de sete filhos, Barrett defende que “a vida começa na concepção”. Dessa forma, se posiciona contra o aborto e poderá ter voto decisivo se o tema voltar à pauta do tribunal. Além disso, a futura ministra está alinhada com posições de Trump em relação ao uso de armas e restrições a imigrantes ilegais.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

6 Comentários

  1. E claro, o presidente escolhe um ministro da suprema corte de seu país, aliando a ele, sempre foi assim, Lula foi assim, Dilma foi assim, Obama, foi assim, Clinton foi assim ,mas parece que esse alinhamento, o Bolsonaro e o Trump, não tem direito.
    O Trump tem que escolher um alinhado com o Obama,e o Bolsonaro, um alinhado com o Lula.

    Responder
    • JB vai indicar um juiz alinhado com o povo. O resto precisou botar serviçais lá para se protegerem.

      Responder
  2. Trump 2020

    Responder
    • …e JB 2022

      Responder
  3. A Juíza Amy disse (preste muita atenção): – Juízes não podem mudar a Constituição. Não é democrático.

    Responder
  4. Pena que por aqui ainda levaremos 3 anos e muita reza pra nossa corte (corte?), se endireitar.
    A menos q aqueles funcs públicos indicados POR BANDIDOS, abram mão e busquem suas aposentadorias.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês