O triste fim do superjumbo A380 - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 16 ago 2020, 14:49

O triste fim do superjumbo A380

16 ago 2020, 14:49

Lançado pela Airbus para desafogar os grandes aeroportos internacionais, o avião para mais de 500 passageiros agora é visto como ‘elefante branco’

a380, airbus, covid-19, coronavírus, crise do coronavírus, indústria da aviação

A380 da Airbus: de maior do mundo a aposentadoria como sucata | Foto: Divulgação

Quando foi lançado, em 2007, o superjumbo A380 da Airbus espantou o mundo: dois andares de poltronas podiam abrigar mais de 500 passageiros em viagens internacionais de longa distância.

O principal objetivo da companhia europeia era desafogar os superlotados aeroportos internacionais pelo mundo, mesmo que, para isso, tivesse que cobrar das companhias aéreas nada módicos US$ 250 milhões por aeronave, em média.

Não bastasse o desgaste natural dos aviões pelos anos e o surgimento de novos equipamentos mais eficientes — e menores —, este ano a Airbus ainda teve de lidar com outro inimigo: o coronavírus.

Ainda em fevereiro, a Emirates cancelou um pedido de 39 A380. Com a previsão da International Air Transport Association de que a indústria da aviação não deve se recuperar até 2024, foi a vez da Air France anunciar que seus nove A380 nunca mais voarão. A companhia ainda prevê uma redução de € 500 milhões no valor de sua frota. A Lufthansa também diminuiu o uso do jumbo, de 14 para seis aeronaves e a segunda maior operadora do mundo, a Singapore Airlines, que conta com 19 A380, trabalha com uma diminuição em sua frota de 19 aviões gigantes.

Com isso e pelo fato de não ter sido projetado para ser transformado num avião de carga na “aposentadoria”, como é comum na indústria da aviação, muitos A380 estão sendo simplesmente sucateados. Para as empresas que compram as aeronaves para locá-las, tornaram-se verdadeiras pechinchas, com valores variando entre US$ 6 milhões e US$ 15 milhões.

Um triste fim para quem já foi atração principal nos maiores aeroportos do planeta.

Adaptado de The Economist

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

7 Comentários

  1. cia Americana ??????????????????

    Responder
    • Boa, Ricieri, não passa nada despercebido por aqui. Vamos ver se corrigem. Também achei estranho chamarem de Jumbo… que pra mim sempre foi sinônimo de avião gigante da concorrente Boeing, esta sim americana.

      Responder
      • Agradeço a observação, rapazes. Informação corrigida. É muito bom ter uma audiência tão qualificada. 🙂
        Beijos!

        Responder
    • Agradeço a observação, rapazes. Informação corrigida. É muito bom ter uma audiência tão qualificada. ?
      Beijos!

      Responder
  2. Melhor avião que já voei! Uma pena mas foi projetado pra ser usado em hubs, e só deu certo na Emirates!

    Responder
  3. A Airbus não é americana. É européia.

    Responder
    • Grata, Rosely. Corrigido. Beijo!

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

A obsessão da imprensa por Donald Trump

Com o único propósito de ser anti-Trump, a mídia não saberá o que fazer se não puder culpar o bufão laranja por todo o mal que eventualmente venha a acontecer

O Guevara da Daslu

Faça como Doria. Pare diante do espelho, fale meia dúzia de clichês do humanismo de butique e note que você também tem um corpinho de centro-esquerda

A China e a fábula dos pardais

Enquanto o discurso ambientalista foca a Amazônia e as mudanças climáticas, a China segue com suas práticas predatórias e não assume responsabilidades

O gênio e o mito

Maradona não deveria ser uma referência moral para ninguém. Mas é um equívoco não homenageá-lo por seu futebol-arte

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

É o “mecanismo”

É o “mecanismo”

A 3ª maior doadora da campanha paulistana do PSOL é uma herdeira da empreiteira de obras públicas Andrade Gutierrez...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês