Obrigar ‘vacina experimental’ é ação ‘ditatorial’, diz Bia Kicis

Edição da semana

Em Em 26 out 2020, 20:18

Obrigar ‘vacina experimental’ é ação ‘ditatorial’, diz Bia Kicis

26 out 2020, 20:18

Parlamentar entra na discussão sobre a aplicação do imunizante

deputada bia kicis x vacina experimental

A deputada federal Bia Kicis é contra obrigatoriedade de vacina contra a covid-19
Foto: Will Shutter/Câmara dos Deputados

A deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) entra para a lista de agentes públicos que analisam políticas sanitárias em relação a uma futura vacina contra a covid-19 no Brasil. Alinhada ao discurso do presidente Jair Bolsonaro, ela se manifesta contrária a qualquer medida que venha a obrigar a aplicação do imunizante em toda a população.

“Não vejo nenhum sentido em obrigar uma pessoa a tomar uma vacina experimental”

Sem citar diretamente a CoronaVac, que é amplamente defendida por João Doria, Bia deu a entender que os projetos em estudo ainda não apresentam comprovação científica de eficácia contra o contágio do novo coronavírus. “Não vejo nenhum sentido em obrigar uma pessoa a tomar uma vacina experimental”, definiu a parlamentar em entrevista à edição de hoje de Os Pingos no Is, programa da Jovem Pan que conta com a participação de três colunistas da Revista Oeste: Ana Paula Henkel, Augusto Nunes e Guilherme Fiuza.

Leia mais: “Vacina da Oxford apresenta novos resultados positivos”

Na visão da deputada da base governista, insistir em eventual obrigatoriedade representa “postura ditatorial”. Dessa forma, ela demonstra sintonia com Bolsonaro. Isso porque na última semana o presidente da República afirmou que obrigar a população a vacinar-se contra a covid-19 é coisa de “aprendizes de ditadores”. Ambos, entretanto, preferiram não inserir nenhum político nessa condição.

Defensora de vacinas

Bia Kicis fez questão de reforçar que seu ponto de vista a respeito de futuros imunizantes para o enfrentamento da covid-19 não representa movimento “antivacina ou negacionista”. Ela enfatiza que sua postura se dá porque entende os projetos atuais como “experimentos”. Nesse sentido, informou que ela tomou todas as vacinas que constam no programa brasileiro.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Deputada estou e sou contigo livra nos destes sim Ditadores

    Responder
    • Parabéns a Deputada, são poucas as pessoas sensatas, determinadas a mostrar a realidade. O rotatória quer é aumentar o poder chinês, único país com PIB positivo em plena pandemia.
      Todos os países que sofrem com a pandemia causada pela China devem aplicar sanções, o que percebemos, favorecimento.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Um caso de amor com a tirania

Na França, é cada vez mais evidente o namoro com o autoritarismo sob o disfarce da racionalidade, da competência administrativa, do bem comum, da justiça social

O custo e o valor de ser ‘contrariador’

Prêmios como o ‘Contrarian Prize’ servem para aplacar o medo que muitos têm de se manifestar em defesa daquilo em que acreditam e assim reduzir o poder social do cancelamento cultural

Mentir e trancar é só começar

“Se você começar a proibir aglomeração em ônibus, vai faltar povo pra abastecer a quarentena vip, né?” / “Aí você captou tudo. Vidas doces importam”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Não é erro, é viés!

Não é uma tese conspiratória imaginar que há, sim, esquema nas pesquisas. Essa é uma possibilidade plausível

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

O ex-mártir

O ex-mártir

"O antigo santo da luta anticorrupção, bandido para a esquerda e traidor para os bolsonaristas é um homem como qualqu...
A descoberta do ano

A descoberta do ano

"Desde o primeiro caso de covid-19, boa parte dos políticos viram na epidemia uma belíssima oportunidade para tirar pr...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Revista Oeste — Edição 37 — 04/12/2020

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês