-Publicidade-

Associações criticam aumento de restrições em São Paulo

Entidades afirmam que vão cumprir os novos protocolos, mas acreditam que serão ineficazes

Entidades afirmam que vão cumprir os novos protocolos, mas acreditam que serão ineficazes

Campinas
Movimentação no centro de Campinas (SP) | Foto: Wagner Souza/Futura Press/Estadão Conteúdo

A regressão do Estado de São Paulo para a fase amarela do plano de contenção da covid-19 foi criticada pelas associações comerciais. As entidades afirmam que vão cumprir os novos protocolos, mas acreditam que serão ineficazes.

A Fecomercio-SP vê a decisão como um custo para o empresário sem que ocorra um benefício da redução da contaminação.

Leia mais: O ‘não voto’ foi o grande campeão na eleição em São Paulo

“Qual a diferença de abrir 10 ou 12 horas? O consumidor, se tiver 4, 8 ou 12 horas para fazer compra, ele vai se concentrar. Ou seja, com a restrição, corre-se o risco de haver mais aglomeração”, opinou Fabio Pina, assessor econômico da Fecomercio-SP.

Percival Maricato, presidente do conselho estadual da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de São Paulo (Abrasel-SP), foi na mesma linha.

“Ao meu ver, o governo não tem controle sobre uma parte da sociedade. Nos bares a gente vê aglomeração só fora, de gente que não consegue entrar. Até propusemos que liberassem mesas na calçada para reduzir a aglomeração. Agora reduzir em 40% vai aumentar a aglomeração. A medida não foi correta e é uma espécie de resposta para atender à pressão da sociedade”, garantiu Maricato.

A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) também discordou dos critérios.

“A entidade acredita que esse tipo de atitude não se justifica, já que o varejo não está entre os lugares onde há mais contaminação da doença. A entidade também entende que esse tipo de medida pode causar mais fechamento de lojas, porque o comerciante ainda se recupera do primeiro impacto da pandemia.”

A Abrasce, que responde pelos shoppings, informou que cumprirá os protocolos, mas “reforça que manterá o diálogo com o Poder Público em busca de uma operação mais justa”. Ainda, acrescentou que “a alta no número de internações por covid-19 foi impulsionada por outros setores que não investiram na criação e manutenção de protocolos de segurança”.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Envie-nos a sua opinião, sugestão ou crítica! Fale conosco
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês