-Publicidade-

Bolsonaro critica politização de tratamento precoce contra a covid-19

PSOL informou que planeja acionar o Ministério Público contra o ministro da Saúde, que recomendou o tratamento no início dos sinais e sintomas

PSOL informou que planeja acionar o Ministério Público contra o ministro da Saúde, que recomendou o tratamento no início dos sinais e sintomas

Jair Bolsonaro
Presidente da República, Jair Bolsonaro | Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta quinta-feira, 14, a politização do tratamento precoce contra a covid-19. A declaração foi dada a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada.

“Agora tivemos a informação – vou confirmar se é verdadeira ainda – que o PSOL teria entrado com uma ação na Justiça para que os prefeitos não deem o tratamento precoce ao pessoal que procurar. Se for verdade, pelo amor de Deus, acho que está na hora de parar de politizar esse negócio aí”, afirmou Bolsonaro.

Leia mais: “Bolsonaro critica Manaus por falta do tratamento precoce”

Nesta semana, o PSOL, por meio do deputado Marcelo Freixo, informou que planeja acionar o Ministério Público contra o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

A legenda disse que tomou a decisão “após o chefe da pasta pressionar a Prefeitura de Manaus, capital do Amazonas, a receitar e usar cloroquina e ivermectina, entre outros medicamentos sem eficácia comprovada, no combate à covid-19”.

Segundo Bolsonaro, a capital amazonense apresenta “um problema sério” no controle da pandemia. Nesta semana a Justiça Federal suspendeu a aplicação da prova do Enem no Amazonas e o Pará fechou as divisas para tentar conter a proliferação de casos.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

20 comentários

  1. O PSOL está sendo coerente.
    Com certeza quer o caos e que as mortes aumentem pra colocar na responsabilidade do presidente genocida……
    Repito: “o inferno tá garantido pra esses partidos de esquerda e pra Tucanos, Mandretas e outros da mesma espécie…..”

    1. PSOL: quadrilha de extrema canalhice.
      Cadê a classe médica que não se pronuncia em defesa de uma chance para as pessoas contaminadas…logo no início?

    2. Conheço alguns casos em que o tratamento precoce foi negado põe médicos a pessoas com sintomas e tenho lido sobre outros casos iguais. É o cúmulo do mau-caratismo, do desrespeito à vida das pessoas, esse comportamento da esquerda. Como é que essa gente não enxerga isso? Como podem votar num partido que se ocupa unicamente em prejudicar os brasileiros???

  2. Do Psol e Rede e outros de esquerda só vem coisa ruim. Se o supremo atender a mais esse pedido deles acho que o exército tem que tomar providências.

    1. A Canalhada junta, Psol, PDT, e outros da esquerda que tem no STF compinchas que recebem qualquer pedido esdrúxulo, em linha direta, dão margem a canalhices contra o povo , rotineiramente. Corja de bandidos.

  3. Qual é o problema ideológico em receitar o tratamento precoce??
    Ridícula as alegações do PSOL…Na crise de saúde vamos deixar muitos morrerem e se contaminarem porque o tratamento precoce é tratado com viés ideológico?
    Galera do PSOL : o que vocês querem?
    Proponham algo, só criticar para aumentar a confusão não dá!

    1. Arthur, sou médico com mais de 40 anos de clínica, afirmo com grande lastro clinico, que o tratamento precoce funciona na grande maioria dos pacientes , já tem milhares de médicos salvando vidas com este procedimento. Os ignorantes que falam que não tem comprovação científica, tem que se informar dos novos trabalhos científicos confirmando a eficácia deste tratamento. Estes comunistas, sempre indo na contramão dos interesses do Brasil e continuar aterrorizando o homem de bem. Deveriam ser banidos para Cuba, Venezuela, China, lugares que merecem, igualmente alguns Togados do STF que estão mancomunados com estes irresponsáveis.

  4. Essa gente da esquerda é horrorosa. Os médicos prescrevem remédios experimentais desde sempre. E já têm até estudos publicados comprovando a eficácia de alguns desses remédios indicados para a covid. É só estudar um pouquinho sobre o assunto. Mas essa turma é autoritária, desleal no campo intelectual e fora dele, haja vista a “roubalheira”.

  5. Tem que avisar à esse eleitor que vota nesse PSOL, REDE, PT, PSDB, PDT, pessoal esquerdopatas, para serem coerentes, e seguir a receita dos mesmos, não tomarem hidroxicloroquina e ivermectina, e irem ao hospital só quando estiverem com falta de ar.

  6. https://www.liberation.fr/debats/2019/07/27/la-france-doit-refuser-l-accord-de-libre-echange-ue-mercosur_1742315 Leiam este link e vejam as assinaturas da petição ao Macron. Este artigo foi publicado na França. Cenferir no Google. Só estes canalhas petistas, psolistas, pedetistas e sindicalistas do mal, poderiam fazer esta alta traição ao Brasil e a todos os brasileiros de bem. Agora querem matar o povo, pela retirada judicial do tratamento precoce, já consolidado na maioria da classe Médica. Se o STF conceder esta excrescência de pedido, exigiremos do Senado a que os processem nacional e internacionalmente como ASSASINOS GENOCIDAS.

  7. CONTINUAÇÃO DO MEU COMENTÁRIO: ESTE É O TEOR DO PEDIDO DO psol, pdt E pt JUNTO A SINDICATOS, AO PRESIDENTE DA FRANÇA MACRON, TEXTUALMENTE;
    Pedimos, portanto, à França que recuse o tratado de livre comércio entre a UE e o Mercosul e condicione o comércio entre nossos dois países à adoção de normas muito restritivas em termos de proteção ao meio ambiente e aos trabalhadores brasileiros. .

    Signatários: François Alfonsi , MEP (EELV); Manon Aubry , eurodeputado e co-presidente do partido europeu GUE / NGL (Esquerda Unitária Europeia) (FI); Clémentine Autain , Membro do Parlamento (FI); Ugo Bernalicis , MP (FI); Benoît Biteau , MEP (EELV); Manuel Bompard , eurodeputado, chefe da delegação rebelde ao Parlamento Europeu (FI); Guilherme Boulos , representante nacional do Movimento dos Trabalhadores em Situação de Rua e ex-candidato (PSOL) nas eleições presidenciais (Brasil); Glauber Bragadeputado federal do PSOL membro suplente da Comissão de Relações Internacionais e Defesa Nacional (Brasil); Damien Carême , MEP (EELV); Leïla Chaibi , MEP (FI); Fabien Cohen , Secretário-Geral da França América Latina (França); Eric Coquerel , deputado (FI); Alexis Corbière , deputado (FI); David Cormand , MEP (EELV); Humberto Costa , senador do PT e presidente do Grupo no Senado (Brasil); Gwendoline Delbos-Corfield , MEP (EELV); Karima Delli , MEP (EELV); Caroline Fiat , MP (FI);Vagner Freitas , presidente da Central Única dos Trabalhadores do Brasil (CUT) (Brasil); Raphaël Glucksmann , MEP (Place publique); Sylvie Guillaume , MEP (PS); Gleisi Hoffmann , deputada federal e presidente do PT (Brasil); Yannick Jadot , MEP (EELV); Aurélie Journée-Duez , presidente do comitê de solidariedade com os índios das Américas (CSIA-Nitassinan, França); Michel Larive , deputado (FI); Marie-Noëlle Lienemann , senadora (GRS); Gilles Maréchal , presidente da associação AMAR– Brasil (atores do mundo agrícola e rural (França); David Miranda, membro da Comissão de Relações Internacionais e Defesa Nacional (Brasil); Emmanuel Maurel , MEP (FI); Jean-Luc Mélenchon , deputado, presidente do grupo parlamentar rebelde da França; Danièle Obono , MP (FI); Younous Omarjee , MEP (FI); Mathilde Panot , Membro do Parlamento (FI); Anne-Sophie Pelletier , MEP (FI); Taliria Petrone , deputada federal do PSOL (Brasil); Paulo Pimenta , deputado do PT e presidente do grupo na Câmara dos Deputados (Brasil); Loïc Prud’homme , adjunto (FI); Adrien Quatennens , deputado (FI); Jean-Hugues Ratenon, deputado (FI); Muriel Ressiguier , MP (FI); Michèle Rivasi , MEP (EELV); Caroline Roose , MEP (EELV); Sabine Rubin , MP (FI); François Ruffin , adjunto (FI); Mounir Satouri , MEP (EELV); João Pedro Stédile , Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (Brasil); Sophie Taillé-Polian , senadora (Génération.s); Bénédicte Taurine , Membro do Parlamento (FI); Marie Toussaint , MEP (EELV); Salima Yenbou , MEP (EELV); Ivan Valente, deputado federal do PSOL (Partido Socialismo e Liberdade), presidente do grupo PSOL na Câmara dos Deputados (Brasil); O Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Brasil).

    um grupo de personalidades e associações políticas francesas e brasileiras

  8. Pedimos, portanto, à França que recuse o tratado de livre comércio entre a UE e o Mercosul e condicione o comércio entre nossos dois países à adoção de normas muito restritivas em termos de proteção ao meio ambiente e aos trabalhadores brasileiros. .

    Signatários: François Alfonsi , MEP (EELV); Manon Aubry , eurodeputado e co-presidente do partido europeu GUE / NGL (Esquerda Unitária Europeia) (FI); Clémentine Autain , Membro do Parlamento (FI); Ugo Bernalicis , MP (FI); Benoît Biteau , MEP (EELV); Manuel Bompard , eurodeputado, chefe da delegação rebelde ao Parlamento Europeu (FI); Guilherme Boulos , representante nacional do Movimento dos Trabalhadores em Situação de Rua e ex-candidato (PSOL) nas eleições presidenciais (Brasil); Glauber Bragadeputado federal do PSOL membro suplente da Comissão de Relações Internacionais e Defesa Nacional (Brasil); Damien Carême , MEP (EELV); Leïla Chaibi , MEP (FI); Fabien Cohen , Secretário-Geral da França América Latina (França); Eric Coquerel , deputado (FI); Alexis Corbière , deputado (FI); David Cormand , MEP (EELV); Humberto Costa , senador do PT e presidente do Grupo no Senado (Brasil); Gwendoline Delbos-Corfield , MEP (EELV); Karima Delli , MEP (EELV); Caroline Fiat , MP (FI);Vagner Freitas , presidente da Central Única dos Trabalhadores do Brasil (CUT) (Brasil); Raphaël Glucksmann , MEP (Place publique); Sylvie Guillaume , MEP (PS); Gleisi Hoffmann , deputada federal e presidente do PT (Brasil); Yannick Jadot , MEP (EELV); Aurélie Journée-Duez , presidente do comitê de solidariedade com os índios das Américas (CSIA-Nitassinan, França); Michel Larive , deputado (FI); Marie-Noëlle Lienemann , senadora (GRS); Gilles Maréchal , presidente da associação AMAR– Brasil (atores do mundo agrícola e rural (França); David Miranda, membro da Comissão de Relações Internacionais e Defesa Nacional (Brasil); Emmanuel Maurel , MEP (FI); Jean-Luc Mélenchon , deputado, presidente do grupo parlamentar rebelde da França; Danièle Obono , MP (FI); Younous Omarjee , MEP (FI); Mathilde Panot , Membro do Parlamento (FI); Anne-Sophie Pelletier , MEP (FI); Taliria Petrone , deputada federal do PSOL (Brasil); Paulo Pimenta , deputado do PT e presidente do grupo na Câmara dos Deputados (Brasil); Loïc Prud’homme , adjunto (FI); Adrien Quatennens , deputado (FI); Jean-Hugues Ratenon, deputado (FI); Muriel Ressiguier , MP (FI); Michèle Rivasi , MEP (EELV); Caroline Roose , MEP (EELV); Sabine Rubin , MP (FI); François Ruffin , adjunto (FI); Mounir Satouri , MEP (EELV); João Pedro Stédile , Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (Brasil); Sophie Taillé-Polian , senadora (Génération.s); Bénédicte Taurine , Membro do Parlamento (FI); Marie Toussaint , MEP (EELV); Salima Yenbou , MEP (EELV); Ivan Valente, deputado federal do PSOL (Partido Socialismo e Liberdade), presidente do grupo PSOL na Câmara dos Deputados (Brasil); O Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Brasil).

    um grupo de personalidades e associações políticas francesas e brasileiras

  9. OFICIO AO PRESIDENTE DA FRANÇA, ASSINADO PELO PSOL,PDT, PT E SIDICATOS Pedimos, portanto, à França que recuse o tratado de livre comércio entre a UE e o Mercosul e condicione o comércio entre nossos dois países à adoção de normas muito restritivas em termos de proteção ao meio ambiente e aos trabalhadores brasileiros. .

    Signatários: François Alfonsi , MEP (EELV); Manon Aubry , eurodeputado e co-presidente do partido europeu GUE / NGL (Esquerda Unitária Europeia) (FI); Clémentine Autain , Membro do Parlamento (FI); Ugo Bernalicis , MP (FI); Benoît Biteau , MEP (EELV); Manuel Bompard , eurodeputado, chefe da delegação rebelde ao Parlamento Europeu (FI); Guilherme Boulos , representante nacional do Movimento dos Trabalhadores em Situação de Rua e ex-candidato (PSOL) nas eleições presidenciais (Brasil); Glauber Braga deputado federal do PSOL membro suplente da Comissão de Relações Internacionais e Defesa Nacional (Brasil); Damien Carême , MEP (EELV); Leïla Chaibi , MEP (FI); Fabien Cohen , Secretário-Geral da França América Latina (França); Eric Coquerel , deputado (FI); Alexis Corbière , deputado (FI); David Cormand , MEP (EELV); Humberto Costa , senador do PT e presidente do Grupo no Senado (Brasil); Gwendoline Delbos-Corfield , MEP (EELV); Karima Delli , MEP (EELV); Caroline Fiat , MP (FI);Vagner Freitas , presidente da Central Única dos Trabalhadores do Brasil (CUT) (Brasil); Raphaël Glucksmann , MEP (Place publique); Sylvie Guillaume , MEP (PS); Gleisi Hoffmann , deputada federal e presidente do PT (Brasil); Yannick Jadot , MEP (EELV); Aurélie Journée-Duez , presidente do comitê de solidariedade com os índios das Américas (CSIA-Nitassinan, França); Michel Larive , deputado (FI); Marie-Noëlle Lienemann , senadora (GRS); Gilles Maréchal , presidente da associação AMAR– Brasil (atores do mundo agrícola e rural (França); David Miranda, membro da Comissão de Relações Internacionais e Defesa Nacional (Brasil); Emmanuel Maurel , MEP (FI); Jean-Luc Mélenchon , deputado, presidente do grupo parlamentar rebelde da França; Danièle Obono , MP (FI); Younous Omarjee , MEP (FI); Mathilde Panot , Membro do Parlamento (FI); Anne-Sophie Pelletier , MEP (FI); Taliria Petrone , deputada federal do PSOL (Brasil); Paulo Pimenta , deputado do PT e presidente do grupo na Câmara dos Deputados (Brasil); Loïc Prud’homme , adjunto (FI); Adrien Quatennens , deputado (FI); Jean-Hugues Ratenon, deputado (FI); Muriel Ressiguier , MP (FI); Michèle Rivasi , MEP (EELV); Caroline Roose , MEP (EELV); Sabine Rubin , MP (FI); François Ruffin , adjunto (FI); Mounir Satouri , MEP (EELV); João Pedro Stédile , Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (Brasil); Sophie Taillé-Polian , senadora (Génération.s); Bénédicte Taurine , Membro do Parlamento (FI); Marie Toussaint , MEP (EELV); Salima Yenbou , MEP (EELV); Ivan Valente, deputado federal do PSOL (Partido Socialismo e Liberdade), presidente do grupo PSOL na Câmara dos Deputados (Brasil); O Sindicato dos Petroleiros do Estado do Rio de Janeiro (Brasil).

    um grupo de personalidades e associações políticas francesas e brasileiras

  10. É impressionante como a esquerda não tem ética nenhuma quando busca o poder. É como disse a Dilma: “fazemos o diabo para ganhar eleição”. Essa turma não vale nada.

  11. Prezados, a questão não é em suma se o tratamento precoce funciona ou não. A questão é se a população brasileira tem ou não acesso a esse tipo de tratamento. Vou explicitar com fatos verídicos observados na minha cidade que possui 600 mil habitantes: há uma UPA ( ou UBS) numa região que atende a mais de cinco bairros. Nessa região se conta uma população de aproximadamente 30 mil moradores. As consultas na Unidade são agendadas pessoalmente (isso: não há agendamento por telefone ou internet) e com senhas. Essas senhas terminam todos os dias por volta de três da tarde. Os que não conseguem senha retornam na madrugada do dia seguinte e engrossam a fila com os novos paciente. Para os que conseguem a senha, o atendimento termina impreterivelmente às nove horas da noite. Não há atendimento após este horário nem que você tenha uma faca cravada no peito. Os que necessitam de algum exame o calvário recomeça do zero. Os exames são agendados para dias e até meses à frente, caso seja -por exemplo- uma tomografia. Em épocas de festas de fim de ano, feriados e férias é comum a ausência de profissionais sem reposição. Neste quadro de terror eu pergunto aos senhores: que tratamento precoce pode ser oferecido neste cenário? Reconhecemos que o Governo herdou essa situação de governos (ou desgovernos )anteriores, mas não se deve defender um tipo de tratamento, cuja capacidade de oferecê-lo simplesmente não existe.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês