-Publicidade-

Pesquisadores afirmam que coronavírus pode ser atenuado pela luz solar

O estudo, realizado no Centro Nacional de Análise e Contramedidas da Biodefesa dos Estados Unidos, também mostrou que o vírus é enfraquecido com a elevação da temperatura e da umidade.

Estudo também mostrou que o vírus é enfraquecido com a elevação da temperatura e da umidade

Foto: PxHere

Um novo estudo realizado por cientistas vinculados ao governo norte-americano aponta que o novo coronavírus perde força ao ser exposto à luz do sol, bem como a uma atmosfera quente e úmida.

O estudo inspira esperança de que a propagação da doença possa diminuir durante o verão no Hemisfério Norte.

A pesquisa foi apresentada pelo consultor de Ciência e Tecnologia do Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos, William Bryan. Em coletiva de imprensa na Casa Branca, ele disse a repórteres que cientistas do governo descobriram que os raios ultravioletas têm um impacto contra a covid-19.

“Nossa observação mais impressionante até o momento é o poderoso efeito que a luz solar parece ter sobre a morte do vírus, tanto na superfície quanto no ar”, disse ele.

O estudo, realizado no Centro Nacional de Análise e Contramedidas da Biodefesa dos Estados Unidos, também mostrou que o vírus é enfraquecido com a elevação da temperatura e da umidade.

Os cientistas descobriram que o potencial do vírus pode ser reduzido pela metade em uma temperatura de 21°C a 24°C durante 20 horas e uma umidade de 20% em uma superfície não porosa. Isso inclui superfícies como maçanetas e aço inoxidável, segundo a Rádio França Internacional.

A resistência do coronavírus caiu para seis horas quando a umidade subiu para 80%. Quando a luz solar é adicionada a essa equação, o patógeno sobrevive apenas dois minutos.

Mas Bryan alertou que a diminuição da propagação não significa que o patógeno seja eliminado completamente e que as medidas de distanciamento social não podem ser totalmente excluídas.

“Seria irresponsável dizer que o verão matará totalmente o vírus e que as pessoas poderiam ignoram essas diretrizes”, afirmou.

A pesquisa da equipe americana foi realizada em laboratório e sob condições específicas de temperatura e umidade adicionadas a emissões de raios ultravioletas. Na prática, o comportamento do vírus nem sempre condiz com o que indicam alguns estudos preliminares.

O Estado do Amazonas, no norte do Brasil, por exemplo, conta com todas as condições reunidas no ensaio americano que combateriam o vírus. Mas, como em outras localidades quentes e úmidas do Brasil e do mundo, a covid-19 continua se expandindo

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês