-Publicidade-

Pobreza na Argentina atinge 40% da população

Essa é a pior taxa de pobreza registrada desde 2004, quando atingiu 44,3% da população

Esta é a pior taxa de pobreza registrada desde 2004, quando atingiu 44,3% da população

Presidente da Argentina, Alberto Fernández | Foto: Casa Rosada

A taxa de pobreza na Argentina atingiu 40,9% da população no primeiro semestre de 2020, ou seja, cerca de 12 milhões de pessoas.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira, 1º, pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Censos da Argentina (Indec).

Esta foi a pior taxa de pobreza registrada desde 2004, quando atingiu 44,3% da população, após a forte crise desencadeada em 2001.

LEIA MAIS: Coca-Cola muda sede regional da Argentina para o Brasil

O número aumentou cinco pontos e meio em apenas um ano, já que no primeiro semestre de 2019 a Argentina registrou 35,4% da população na pobreza.

A maior quantidade de pobres do país está concentrada na periferia da cidade de Buenos Aires, com 5,8 milhões de pessoas. O nível de miséria ou pobreza absoluta no país é de 10,5% do total, cerca de 2,9 milhões de argentinos.

Segundo a agência italiana ANSA, o presidente da Argentina, Alberto Fernández, afirmou que o aumento do índice “está fortemente relacionada com a pandemia”. Ele ainda assegurou que os “resultados teriam sido muito piores se o Estado não tivesse intervindo com medidas de apoio”.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comentários

  1. Dane-se. Não pensaram nas consequências, agora entraram na chibata e não tem previsão de quando sair dela! E não quero saber de argentino se aglomerando nas fronteiras do Brasil pedindo arrego só porque fez kaghada com seu país! DANE-SE!

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês