-Publicidade-

Sinovac justifica baixa eficácia da CoronaVac no Brasil

Laboratório chinês afirmou que grupo de voluntários tinha alto risco de contrair a doença

Laboratório chinês afirmou que grupo de voluntários tinha alto risco de contrair a doença

João Doria
Governador de São Paulo, João Doria, acompanha a chegada do 2º lote da CoronaVac em Guarulhos | Foto: Governo do Estado de SP

A farmacêutica Sinovac tentou justificar nesta quarta-feira, 13, a baixa taxa de eficácia da CoronaVac no Brasil dizendo que os testes foram realizados em profissionais de saúde, que enfrentam alto risco de contrair a covid-19.

A declaração foi dada pelo presidente-executivo da Sinovac, Yin Weidong, em uma coletiva de imprensa em Pequim.

Leia mais: “Os dilemas da vacina”, na edição desta semana da Revista Oeste

Na terça-feira 13, o governo do Estado de São Paulo anunciou que a eficácia do imunizante desenvolvido em parceria com o Instituto Butantan é de 50,38%, pouco superior ao mínimo recomendado pela Organização Mundial da Saúde e pela Anvisa.

“Esses resultados clínicos de fase 3 são suficientes para provar que a segurança e a eficácia da CoronaVac são boas ao redor do mundo”, disse Weidong.

Testes conduzidos no Brasil, Indonésia e Turquia divulgaram quatro taxas de eficácia diferentes para a mesma vacina. Na sexta-feira 8, o Butantan encaminhou à Anvisa o pedido para uso emergencial do imunizante.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

7 comentários

  1. Se o grupo era de alto risco, isso prejudicou tanto os que tomaram a vacina quanto os que tomaram placebo. Aliás, a razão de terem usado um grupo de alto risco, é que os que tomaram placebo rapidamente ficariam doentes e se chegaria no número de infectados necessário para calcular a eficácia. Só não contavam que os vacinados também ficariam doentes. Mais uma narrativa sem pé nem cabeça para convencer as pessoas de que o ruim é bom.

  2. No Protocolo do Butatan, publicado em 24/ago/2020 , lemos:
    “Se na análise final, o critério de sucesso é atingido (p<0,0241),se espera que a razão de risco (hazard ratio) estimada seja aproximadamente de 50%, fornecendo uma eficácia vacinal estimada de aproximadamente 50%, com um ajuste apropriado do limite inferior do intervalo de confiança acima de 30%." (página 42).

    Fonte: https://static-content.springer.com/esm/art%3A10.1186%2Fs13063-020-04775-4/MediaObjects/13063_2020_4775_MOESM1_ESM.pdf

  3. Dória venceu. Ele forçou a barra contra Bolsonaro e atraiu apoios até no PSOL. A ANVISA vai aprovar essa porcaria de vacina apenas pela pressão do Dória. Com esses dados de performance qualquer outro fornecedor seria recusado, inclusive a FIOCRUZ, mas para evitar mais desgaste vão aprovar a vacina meio-a-meio. Não vou tomar nem a pau Juvenal.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês