-Publicidade-

Estados Unidos proíbem transações em aplicativos chineses

Decreto assinado por Trump cita proteção da segurança nacional
Ao centro, da direta para a esquerda, os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e China, Xi Jinping
Ao centro, da direta para a esquerda, os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e China, Xi Jinping | Fonte: Xinhua

Nesta quarta-feira, 6, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou um decreto proibindo transações com 8 aplicativos chineses. A lista é composta por QQ Wallet, o Alipay, usado para pagamentos do WeChat, o CamScanner, o SHAREit, o Tencent QQ, o VMate e o WPS Office. O texto da medida informa que esses softwares podem informar ao governo chinês dados pessoais e a localização de funcionários públicos norte-americanos.

“Essa coleta de dados ameaça fornecer ao Governo da República Popular da China e ao Partido Comunista Chinês acesso a informações pessoais e de propriedade norte-americana, o que permitiria à China rastrear a localização de funcionários federais e empreiteiros”, relata a legislação. “Os Estados Unidos devem tomar medidas agressivas contra aqueles que desenvolvem ou controlam aplicativos de software conectados na China para proteger nossa segurança nacional.”

Leia também: “Coronavírus: China barrada investigadores da OMS”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês