-Publicidade-

Guedes e Novo engatam articulação por reformas

Ministro da Economia e partido se reunirão na próxima semana para debater estratégias e estímulos políticos que estabeleçam o timing definitivo da retomada das reformas
Líder do Novo na Câmara, Paulo Ganime (RJ)
Foto: Novo/Divulgação
Líder do Novo na Câmara, Paulo Ganime (RJ) Foto: Novo/Divulgação

Ministro da Economia e partido se reunirão na próxima semana para debater estratégias e estímulos políticos que estabeleçam o timing definitivo da retomada das reformas

Líder do Novo na Câmara, Paulo Ganime (RJ), tem papel central na retomada do diálogo com a equipe econômica | Foto: Novo/Divulgação

Ciente da pressão do Congresso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, quer apresentar nas próximas semanas suas sugestões para a reforma tributária. E contará com o apoio do Novo para vocalizar a defesa pela pauta e por outras reformas estruturantes.

Oeste antecipou que o chefe da equipe econômica e o partido estão em processo de reaproximação. As conversas amadureceram, e uma reunião foi marcada para a próxima segunda-feira, 29, às 17 horas.

O objetivo da reunião entre Guedes e o Novo é gerar estímulos políticos para robustecer a agenda de reformas e, assim, criar o timing da retomada da pauta. O assunto tem ganhado destaque e sido alvo de debates, como um realizado na segunda-feira, 22, pelo Congresso em Foco.

A assessora especial do Ministério da Economia para a reforma tributária, Vanessa Canado, sinalizou que o governo estuda algumas ideias. Entre elas, a da tributação de lucros e dividendos para desonerar a folha de pagamento.

Correções

O líder do Novo na Câmara, Paulo Ganime (RJ), tem boas expectativas para a reunião. Nela, a perspectiva é avançar na sinergia pela agenda econômica no pós-coronavírus, quando as reformas terão papel preponderante.

A análise do parlamentar, contudo, é que Guedes acabará apoiando as pautas em tramitação no Congresso e sugerindo ajustes pontuais. “Acho que o governo vai acabar apoiando e, no máximo, propondo correções e ajustes no que está ali. Até porque, se apresentar um texto novo, levantaria muitas críticas dos opositores, independentemente do mérito”, explica.

Convergências

O esboço da reforma está bem desenhado. Resta buscar convergências e saber o que o governo deseja. Ganime pondera que a grande divergência no Congresso está em detalhes como o comitê gestor sugerido na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45/2019. “No conceito do IVA [Imposto sobre Valor Agregado], o governo e nós concordamos”, destaca.

A desoneração da folha defendida pelo governo é outra pauta de convergência com o partido. “Também somos contrários a coisas ruins aventadas, como o imposto sobre grandes fortunas, mas a base do IVA, que é o principal, acho que não tem muita discordância nem no Congresso”, analisa.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês