-Publicidade-

‘O presidente não é alguém reformista, não é liberal’, diz deputado do Novo

Debandada da equipe econômica mostra descompromisso de Bolsonaro com privatizações e reforma administrativa, critica Tiago Mitraud (Novo-MG)
Deputado federal Tiago Mitraud (Novo-MG) | Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados
Deputado federal Tiago Mitraud (Novo-MG) | Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

Debandada da equipe econômica mostra descompromisso de Bolsonaro com privatizações e reforma administrativa, critica Tiago Mitraud (Novo-MG)

Tiago Mitraud (Novo-MG) avalia que debandada da equipe econômica confirma que parte da agenda liberal não tem espaço com Bolsonaro
Foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados

A recente debandada da equipe econômica dá sinais de que o governo não é tão liberal quanto diz ser. Ao menos não defende a agenda de privatizações e da reforma administrativa como se esperava, pondera o deputado federal Tiago Mitraud (Novo-MG), presidente da Frente Parlamentar Mista da Reforma Administrativa.

Em coletiva de imprensa, o ministro da Economia, Paulo Guedes, avisou que a agenda de reformas e privatizações segue o ritmo de Bolsonaro. “O secretário fala isso: ‘Olha, eu não vou ficar aqui se não houver essa reforma’. E o presidente vai pensar o seguinte: ‘Tudo bem. Vira político, seja eleito presidente, venha aqui e faça a reforma que você quiser'”, comentou.

O chefe da equipe econômica ainda citou que quem dá o timing da agenda liberal é a “política”. “Se o presidente da Câmara quiser pautar algo, é pautado. Se o presidente da República quiser mandar uma reforma, é mandada; se não quiser, não é mandada. Quem manda não é o ministro nem os secretários”, comentou Guedes.

As declarações de Guedes foram interpretadas dentro da bancada do Novo como clara sinalização de que o governo não tem compromisso com a reforma administrativa e as privatizações. “Infelizmente é uma confirmação do que a gente sabia: o presidente não é alguém reformista, não é alguém liberal”, avalia Mitraud.

Temor

Durante muito tempo, interpreta Mitraud, o governo tentou construir a narrativa da defesa da agenda de privatizações e da reforma administrativa, mas o deputado acredita que a retórica se esgotou. “Tentaram isso durante muito tempo, até ver que não teve mais saída. E acho uma pena, porque confirma nosso temor de que essas agendas realmente não têm espaço com Bolsonaro”, pondera.

O parlamentar cita o agora ex-secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, como exemplo de seu argumento. “A gente via que a reforma administrativa não andava. E estava claro que não era por falta de esforço do Uebel [quem conduzia os trabalhos], da equipe dele. É porque não era uma agenda do presidente”, diz Mitraud.

Antítese

O movimento liberal suprapartidário Livres foi outro a criticar, nas redes sociais, a saída de Uebel e do secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar. A linha adotada foi a mesma de Mitraud. “O governo não tem compromisso com as privatizações e a reforma administrativa. Jair Bolsonaro é a antítese do liberalismo, sob qualquer ângulo”, protestou.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 comentários

  1. Alguém que tem esse tipo de fala não poderá nunca ser levado a sério, pois é um alienado incapaz de entender a luta diuturno com os maus-caracteres que desejam inclusive derrubar a Democracia no País e/ou um mau-caráter.
    O Novo cada vez mais mostra a baixa qualificação intelectual ou moral de seus membros!

  2. Thiago Lixaud não perdendo a chance de representar o papai Lemman em seu besteirol. Lixaud é a Xatabata Xamaral com um pêênis (se tiver, acho que não)…

  3. Ouvir isso desses liberais bunda mole é um conforto, afinal eles não mandam uma única proposta útil, não tentam firmar um apoio com os congressistas, não fazem porra nenhuma.

    Fica fácil criticar a lentidão do andamento das reformas quando você não abre a boca pra enfrentar o stablishment que é contra elas.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês