-Publicidade-

Semana pode ser decisiva para a PEC da 2ª instância

Retorno dos trabalhos da comissão especial que trata do tema pode ser autorizado
Dep. Fábio Trad (PSD/ MS) | Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Dep. Fábio Trad (PSD/ MS) | Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Retorno dos trabalhos da comissão especial que trata do tema pode ser autorizado

Fábio Trad
Dep. Fábio Trad (PSD/ MS) | Luis Macedo/Câmara dos Deputados

O caso André do Rap reacendeu a discussão sobre a prisão após condenação em 2ª instância. Se a PEC que trata do tema estivesse aprovada, o traficante estaria preso.

No início do mês, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que o texto será pautado até dezembro.

O relator, deputado Fábio Trad (PSB/MS), disse que, nesta semana, a luta é conseguir autorização para que a Comissão Especial que discute o tema possa voltar a trabalhar.

“O Brasil é o único país do mundo que, para se concretizar uma decisão, é preciso percorrer quatro graus de jurisdição. Não é possível conviver com essa anomalia”, disse o deputado a Oeste nesta sexta-feira, 16.

Ele defendeu que sem a presença permanente da imprensa e o apoio da população não haverá “força suficiente para aprovar a PEC da 2ª instância”. Acompanhe:

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comentários

  1. Não adianta em nada uma PEC que não atinge os já condenados em segunda instância.
    Será mais um conluio político para livrar a cara daqueles que já estão condenados e vender uma falsa imagem de justiça à sociedade.

    1. Melhor ter uma lei que moralize o futuro do que não ter nada. Certamente os nossos netos e bisnetos não precisarão se indignar como nós hoje. Os malfeitores de hoje são protegidos pelo establisment existente.

      1. Somos um povo eternamente em busca do futuro e que ignora o presente.
        Os bandidos de ontem, hoje e amanhã devem ser punidos.
        Devemos parar de buscar o menos pior e agir em sociedade em busca do que é correto, sempre.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês