Oi recebe 50% de desconto em dívida bilionária - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 27 nov 2020, 21:22

Oi recebe 50% de desconto em dívida bilionária

27 nov 2020, 21:22

Empresa de telecomunicação está em processo de recuperação judicial

oi - dívida bilionária - agu

Foto: Oi

A Advocacia-Geral da União (AGU) anunciou nesta sexta-feira, 27, desconto de 50% na dívida a ser paga pela Oi. Com a nova decisão do órgão federal, a empresa de telecomunicação que enfrenta processo de recuperação judicial poderá quitar o montante de R$ 7,15 bilhões em até sete anos.

Leia mais: “Leilão do 5G deve ocorrer no 1° semestre de 2021”

Inicialmente, a Oi teria de arcar com pagamento de R$ 14,3 bilhões. Valor esse somado em 198 multas administrativas impostas ao decorrer dos últimos anos pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), órgão por regular o setor no país.

O valor, no entanto, cairá pela metade porque a AGU fez valer a lei que permite tal benefício a “grandes empresas em recuperação judicial”. A Oi está nessa classificação desde 2017, mas só tem um novo plano homologado pela Justiça no mês passado.

Acordo histórico

Apesar do desconto de 50% e da possibilidade de o total da dívida pela operadora ser pago em até 84 parcelas, a AGU comemorou o desfecho da situação. Garantiu ser o maior acordo da história formalizado pela Anatel e pela Procuradoria-Geral Federal.

Mais: “Claro, TIM e Vivo compram divisão de telefonia móvel da Oi”

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. Supondo-se a falência da empresa, como fica o desconto inútil, cobra-se de alguém ou fica pras calendas?

    Responder
  2. Neste país, só trouxa é quem paga seus compromisso em dia. Esses vigaristas, não pagam suas dívidas e ainda conseguem 50% de abatimento e ainda divididos em 84 (oitenta e quatro) parcelas! Conclusão: sugiro que os corretos sigam o exemplo desta empresa vigarista aí.

    Responder
  3. Nessa republiqueta bananeira, só o joão-ninguém, honesto e trabalhador, é que se f&%$. Os grandões mexem lá com os pauzinhos, molham as mãos das “otoridades”, e se safam de qualquer dívida. Decididamente, o Brasil não deu certo.

    Responder
    • simples assim!!! concordo com sua opinião!!!!

      Responder
  4. Enquanto isso, empresas Estatais que nem dependem do governo. São colocadas a venda sem justificativa plausível…
    Principalmente da pasta ao qual o ministro é responsável…

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O partido contra o Brasil

Ninguém ainda descobriu no planeta um jeito tão eficaz de concentrar renda quanto a fórmula usada para administrar as contas públicas no país

A paciência acabou

Os brasileiros começam a reagir à cassação dos direitos individuais

Os novos senhores do mundo

Os gigantes da tecnologia censuram Trump, fazem o que bem entendem e exercem um poder global desmedido. Isso é justo?

Eficácia

“Você demorou muito a comprar. Eficácia depende de rapidez” / “Poxa… Se eu soubesse teria comprado mais rápido. Ando muito dispersivo”

O culto à ignorância

Valorizar a educação formal e a cultura clássica virou preconceito elitista, um mau sinal para o futuro

Como surgiu o novo coronavírus?

A resposta mais provável, até o momento: o vírus teve origem em pesquisas com manipulação genética no Instituto de Virologia de Wuhan

Globalistas assanhados com Biden

Eles não costumam viver de fatos, apenas de narrativas. Adotam a visão estética de mundo, e por isso a ONU é seu maior símbolo

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês