OMS se posiciona contra a obrigatoriedade de vacina de covid-19

Edição da semana

Em Em 22 out 2020, 11:01

OMS se posiciona contra a obrigatoriedade de vacina de covid-19

22 out 2020, 11:01

Vice-diretora da entidade afirmou que adultos têm capacidade de discernimento e que não recomenda medidas autoritárias sobre o tema

oms, obrigatoriedade, vacina de covid-19, coronavírus, mariângela simão

A vice-diretora da OMS Mariângela Simão disse que vacina de covid-19 não pode ser obrigatória
Foto: Unaids

A Organização Mundial da Saúde (OMS) se posicionou contra a obrigatoriedade da vacina de covid-19, assim como o governo federal brasileiro.

De acordo com a vice-diretora da entidade, Mariângela Simão, em entrevista à CNN Brasil, adultos têm capacidade de discernimento para fazer escolhas informadas. Por isso, medidas autoritárias não se fazem necessárias.

Ela também aponta que obrigar a população a tomar vacina é algo de difícil implementação e fiscalização e que dependeria muito da situação interna de cada país.

“O desafio humano é usado para acelerar o processo e comparar uma vacina com outra, o que demora bastante tempo”, concluiu Mariângela. “A OMS tem colocado que precisa ter critérios: justificativa científica; tem que avaliar o custo benefício; recomenda-se que faça consulta pública sobre o tema; que haja coordenação entre pesquisadores e serviços de saúde; que a escolha de onde estudo vai acontecer seja criteriosa, pois se uma pessoa ficar doente, o serviço de saúde tem que ter condições de atender; e tem que ver o tipo de participante, que neste caso são voluntários jovens, de 18 a 30 anos, que têm menos complicações; e claro que tem que ter consentimento informado.”

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. O Dória ainda não entendeu que o sangue Argentino pulou a cerca.
    Meus compatriotas estão de saco cheio de china, de pandemia, de político em sua quase totalidade, de justiça brasileira.
    Trocamos tudo isto pelo fim do Senado Federal.

    Responder
    • Até que enfim algo dito pela OMS faz sentido. Coitado do dorinês e seu “Negócio da China”.

      Responder
  2. Mais uma vez, Bolsonaro estava certo.

    Responder
  3. Dória precisa explicar essa história de Coronavac. Tem cheiro de trambique. Randolfe Rodrigues e sua patota de governadores mediocres, aí tem !!
    Infelizmente, o povo paulista e o tesouro nacional vão pagar essa conta. Ainda bem que a casa de Dória tem espaço para o armazenamento…
    JB correto….investir na cura, pois a vacina, só daqui 01 ano no mínimo, se for rápida. E , convenhamos, a Covid veio para ficar e ser tratada como gripe (mais perigosa, claro) normal. Kit covid e a vida segue !!!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês