ONU pede que Israel abandone plano para anexar territórios palestinos

Edição da semana

Em Em 24 jun 2020, 15:35

ONU pede que Israel abandone plano para anexar territórios palestinos

24 jun 2020, 15:35

De acordo com Antonio Guterres, secretário-geral da ONU, ao fazer isso, Israel vai violar as leis internacionais

ONU Israel

Foto: TC Perch/ Pixabay

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, pediu que Israel abandone os planos de anexar assentamentos na Cisjordânia. Guterres alertou que isso ameaça as perspectivas de paz com os palestinos.

“Caso seja implementada, a anexação constitui uma séria violação da lei internacional, prejudicando a perspectiva de dois Estados e dificultando as possibilidades de negociações”, afirmou Guterres no Conselho de Segurança da ONU. “Eu peço que Israel abandone os planos de anexação”, concluiu.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, quer discutir a anexação destes territórios em uma reunião do gabinete marcada, salvo mudança, para o dia 1° de julho. A Cisjordânia foi ocupada pelos israelenses após a Guerra dos Seis Dias, em 1967.

A Autoridade Nacional Palestina e grande parte dos países do mundo já colocaram-se contra essa proposta de anexação. Os palestinos também rejeitaram o plano de paz apresentado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em janeiro. De acordo com essa proposta, os EUA reconheceriam os assentamentos na Cisjordânia como parte do território israelense.

“Caso Israel decida estender a sua soberania, será respeitando os limites de regiões em que possuímos legitimidade histórica e legal”, afirmou o embaixador de Israel da ONU, Danny Danon, conforme informou a agência de notícias Reuters.

Resistência interna

A proposta de anexação desses territórios deve sofrer resistência dentro do próprio governo de Israel, como já informado pela Oeste.

Um dos principais nomes do gabinete, o ministro da Defesa, Benny Gantz, já disse ser contra a anexação desses territórios de forma unilateral pelo país.

“Antes de tomar qualquer medida, precisamos garantir que todos os especialistas sejam ouvidos. Em qualquer cenário, eu não vou apoiar a anexação de áreas com populações palestinas para evitar atritos”, afirmou Gantz.

Benny Gantz foi o principal adversário política de Benjamin Netanyahu nos últimos anos. Eles disputaram três eleições em dois anos, sem nenhum conseguir uma vitória clara. Isso, como consequência, causou uma crise política no país.

Em 2 de março, de forma surpreendente, ambos anunciaram que iam formar um governo de união nacional. Conforme esperado, as negociações foram longas e o novo governo só tomou posse no dia 17 de maio.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês