'ONU precisa responsabilizar China por suas ações', diz Trump

Edição da semana

Em Em 22 set 2020, 12:26

‘ONU precisa responsabilizar China por suas ações’, diz Trump

22 set 2020, 12:26

Em seu discurso na Assembleia-Geral da organização, presidente dos Estados Unidos enfatiza que entidade deve ser mais eficiente e focar problemas reais do mundo

donald trump, onu, discurso, assembleia geral da onu, china, oriente médio

O presidente dos EUA, Donald Trump, discursa na abertura da Assembleia-Geral da ONU
Foto: Reprodução

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, discursou logo após o brasileiro Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta terça-feira, 22.

Trump voltou a responsabilizar a China pela pandemia de coronavírus que assola o mundo e ressaltou que a ONU deveria fazer o mesmo.

“O governo chinês e a Organização Mundial da Saúde, que é controlada pela China, falsamente declararam que não havia evidência de transmissão entre humanos”, lembrou o presidente norte-americano. “Depois, afirmaram falsamente que as pessoas sem sintomas não poderiam espalhar a doença. A ONU precisa responsabilizar a China por suas ações.”

Segundo ele, a entidade aponta o dedo para os problemas ambientais norte-americanos, mas não enxerga a poluição chinesa. Trump afirmou que não tolerará mais isso, bem como não aceitará os abusos comerciais que o país asiático praticou durante décadas contra a América.

O presidente também enfatizou o papel que a organização deveria desempenhar em sua visão. “Se a ONU quiser ser eficiente, precisará focar os problemas reais do mundo”, pontuou. “Isso inclui terrorismo, opressão de mulheres, trabalho forçado, tráfico de drogas e de pessoas, perseguição religiosa e limpeza étnica de minorias.”

Por fim, o líder da Casa Branca destacou o trabalho que seu país vem fazendo para pacificar o Oriente Médio, como os acordos que foram intermediados entre Israel, os Emirados Árabes e o Bahrein. “Pretendemos apresentar mais acordos de paz em breve, e eu nunca estive mais otimista sobre o futuro da região. Não há sangue na areia, esses dias acabaram”, concluiu o presidente norte-americano.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. É isso aí!! Somos todos Trump!!!

    Responder
  2. ONU, OMS e congêneres perderam o fio da meada e a sintonia com a realidade. Mas isto certamente não é ao acaso e tem seus objetivos inconfessáveis.

    Responder
  3. Esta mais do que na hora das nações se unirem contra o avanço da insondável China e suas metas sombrias.

    Responder
  4. Falou tudo. Parabéns!

    Responder
  5. Pena que não podemos votar nele…

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês