Oposição democrática sofre ameaça das autoridades de Hong Kong

Edição da semana

Em Em 14 jul 2020, 12:45

Oposição democrática sofre ameaça das autoridades de Hong Kong

14 jul 2020, 12:45

Carrie Lam ameaçou impor a lei de segurança nacional contra quem participou das eleições prévias; mais de 600 mil moradores de Hong Kong participaram

Hong Kong

Manifestante joga ovo em retrato do presidente da China | Foto: Studio Incendo/Flickr

A chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, ameaçou colocar a lei de segurança nacional contra ativistas pró-democracia. Nesta segunda-feira, a oposição pró-democracia realizou primárias informais para as eleições do território que devem acontecer em setembro.

A ameaça de Lam aconteceu em uma coletiva de imprensa. De acordo com os organizadores, cerca de 610 mil pessoas votaram nessas primárias que duraram dois dias. A população de Hong Kong é de cerca de 7 milhões.

De acordo com Carrie Lam, os organizadores das primárias prejudicam o processo eleitoral para o Conselho Legislativo, informa a televisão japonesa NHK. Ela ameaçou impor a lei de segurança nacional, afirmando que isso se enquadra em “subversão do poder estatal”, pois o objetivo é resistir às políticas do governo.

As primárias foram organizadas pela oposição para decidir quem vai se candidatar ao Conselho Legislativo, a votação está marcada para setembro. As autoridades de Hong Kong vão começar a receber as candidaturas neste sábado.

De acordo com o professor da Universidade de Hong Kong Benny Tai, que auxiliou a organizar a primária, a ameaça de Lam não procede. Ele afirmou que o direito ao voto é garantido aos moradores da ilha e que, consequentemente, isso não viola a lei de segurança nacional.

Lei polêmica

A lei de segurança nacional foi imposta por Pequim após uma onda de protestos na ex-colônia britânica. A imposição chinesa causou protestos na ilha e fortes críticas na comunidade internacional.

Conforme já divulgado por Oeste, essa lei pode causar fortes consequências na economia de Hong Kong, considerado um dos centros financeiros do mundo.

Grandes empresas como Facebook, Google e Microsoft já afirmaram que vão rever as suas operações no território semiautônomo.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Que os chineses do continente reajam a ditadura.os tempos são outros. Um país com a força capitalista que tem ser dominada pelo partido comunista. Já basta. O.mindo quer ter simpatia pela China mas todos os últimos acontecimentos vem afastando os países da China.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês