Órgãos do governo federal terão de apresentar estudos para compras e obras - Revista Oeste

Em 26 Maio 2020, 16:35

Órgãos do governo federal terão de apresentar estudos para compras e obras

26 Maio 2020, 16:35

Planalto pretende diminuir o desperdício de recursos públicos

Esplanada dos Ministérios | Foto: Agência Brasil

A partir de julho, os órgãos e as entidades da administração pública federal terão de apresentar estudos técnicos preliminares (ETP) se quiserem comprar bens ou contratarem serviços e obras.

A obrigação valerá tanto para os ministérios como para fundações e autarquias. A exigência consta de instrução normativa publicada nesta terça-feira, 26, no Diário Oficial da União.

Os estudos terão de demonstrar a viabilidade técnica, socioeconômica e ambiental da licitação.

Segundo a Agência Brasil, o documento servirá de base para o anteprojeto, o termo de referência e, caso se constate a viabilidade da contratação, ao projeto.

A Secretaria de Gestão do Ministério da Economia afirma que a medida melhorará o planejamento e a gestão das contratações públicas, que movimentam cerca de R$ 48 bilhões por ano.

Os estudos serão inseridos no Sistema ETP Digital, que será lançado em julho, assim que a exigência entrar em vigor.

A ideia, segundo o ministério, consiste em facilitar o compartilhamento das informações e permitir que uma instituição consulte o trabalho de outro órgão numa necessidade de aquisição comum aos dois.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. Mais um golaço do ME. Bilhões são despendidos em contratações todos os anos. Cada vez mais a administração pública federal tem que fazer valer o princípio da eficiência, consagrado na constituição federal. Mais racionalidade.

    Responder
  2. A iniciativa é louvável, mas burocratiza o processo e não atingirá os seus objetivos. A solução é a contratação de seguro, como faxem os países desenvolvidos. O melhor fiscal é a seguradora, que não vai pagar prêmio por falcatrua ou atraso.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias