Os conflitos entre milícias e os Black Lives Matter: "Cenas do Velho Oeste" - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 13 set 2020, 17:13

Os conflitos entre milícias e os Black Lives Matter: “Cenas do Velho Oeste”

13 set 2020, 17:13

Dylan Stevens, líder do Angry Viking, argumenta que seu grupo está preenchendo um vácuo de segurança “após um verão de violência”

Dezenas de homens e mulheres armados com espingardas e fuzis, vestindo roupas pretas ou camufladas. Poderia ser um campo de batalha. Era uma rua qualquer de Louisville, no Kentucky, Estados Unidos. De um lado, militantes do movimento de esquerda Black Lives Matter. Do outro, integrantes de milícias de direita, como os Angry Viking. Surpreendentemente, a polícia não estava presente.

Uma reportagem da ITV News, rede inglesa independente de televisão, afirma que desde que explodiram os protestos antirracismo nos Estados Unidos, “as milícias estão se sentindo fortalecidas e encorajadas e estão saindo das sombras de uma forma nunca antes vista”, afirmam da descrição do vídeo. “Era como uma cena do Velho Oeste, mas sem um xerife na cidade”, acrescentam, ao destacar a ausência da polícia, da Guarda Nacional e dos líderes civis.

Dylan Stevens, líder do Angry Viking, argumenta que seu grupo está preenchendo um vácuo de segurança “após um verão de protestos e violência em várias cidades dos EUA”. Por outro lado, Nadia Ford, dos Black Lives Matter, rebate: “Nós tentamos a paz por anos, mas isso não nos levou a nada. Eles nos assassinaram por sermos pacíficos”, diz. “Apenas quando nos levantarmos eles nos levarão a sério e é o que vamos fazer”. Tanto Stevens quanto Nádia estavam armados quando deram essas declarações.

Em seu artigo publicado na mais recente edição de Oeste, Frank Furedi começa relatando uma viagem que fez pelos Estados Unidos em 2019, na qual uma garçonete no Maine afirma que em breve o país viveria uma guerra civil. “Na época, achei que ela estivesse exagerando”, escreve Furedi. “Os eventos dos últimos dois ou três meses indicam que a mulher meio que tinha razão. Infelizmente, as divisões dentro dos Estados Unidos endureceram a ponto de pessoas demais sentirem que a violência é um meio aceitável de fazer uma manifestação política”.

O vídeo abaixo mostra que infelizmente as coisas parecem estar indo para esta direção.

Leia também o artigo de Frank Furedi: Uma guerra civil nos EUA?

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. No final assim como lá, se utiliza as ideologias p poder impor seus interesses, porém quando a resposta é no mesmo tom, sempre o lado oponente é radical. A ideologia naxista surtiu efeito quase q no mundo todo. Dividiu pessoas p conquistar o poder. Os Estados Unidos estão sofrendo o mesmo mal q o Brasil sofreu durante décadas, criando minorias para poder controlar o poder. Espero q a resposta para esse conflito venha das urnas.

    Responder
  2. porrete nos comunistas

    Responder
  3. por isso esquerda sempre quer desarmar o cidadão de bem. para ficar indefeso refém do estado e de massa de manobra fascista

    Responder
  4. “Nós somos pacíficos. Por isso eles nos matam.” Que bela mentira. O lobo nunca precisou de argumentos para matar a ovelha. Século XX está cheio de exemplos do pacifismo da esquerda. A esquerda sempre totalitária. Sempre mentirosa, assassina e maligna.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês