Os cotados a substituir Teich: Yamaguchi, Osmar Terra, Pazuello e Lincoln - Revista Oeste

Edição da semana

Em 15 maio 2020, 13:48

Os cotados a substituir Teich: Yamaguchi, Osmar Terra, Pazuello e Lincoln

15 maio 2020, 13:48

Presidente Jair Bolsonaro quer um ministro que defenda publicamente mudança de protocolos sobre o coronavírus

Médica é uma das principais cotadas ao cargo | Foto: Reprodução/Oncoguia

Após a saída de Nelson Teich do Ministério da Saúde, quatro nomes figuram com os mais prováveis para assumir a pasta a partir de agora: a médica Nise Yamaguchi, o ex-ministro da Cidadania Osmar Terra (MDB-RS), o atual secretário-executivo do ministério, general Eduardo Pazuello, e o presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), dr. Lincoln Lopes Ferreira.

CRISE NO MINISTÉRIO: Nelson Teich pede demissão

O presidente da República, Jair Bolsonaro, deseja um perfil específico para bater o martelo e definir o sucessor de Teich. Ele quer alguém que compre a briga da hidroxicloroquina e mude o protocolo para a indicação do medicamento nos primeiros sintomas. Esse foi o principal ponto de divergência entre o agora ex-ministro da Saúde e o presidente da República.

CORONAVÍRUSTenha os números reais sobre a covid-19 no Brasil

Desde segunda-feira, 11, Bolsonaro defende em público e nos bastidores, a defesa da mudança de protocolo. Tal defesa intransigente irritou Teich, que se sentiu desautorizado, sobretudo após o presidente falar isso em videoconferência com empresários na quinta-feira última, 14.

A publicação dos decretos que incluem salões de beleza e academias no hall de atividades essenciais também foi motivo de atrito. A gota d’água, porém, foi a divergência sobre a hidroxicloroquina. “Toda essa saída do Teich gira em torno disso. Então, o presidente vai tentar achar alguém que banque a mudança do protocolo”, destacou uma fonte governista com acesso direto ao presidente, ouvida por Oeste em caráter reservado.

Cotados

O nome do secretário-executivo do Ministério da Saúde, o ‘02’ da pasta, desponta nos bastidores como o mais forte para assumir o comando. “Ele é um solucionador de crises”, sustentou um outro interlocutor do governo. Além disso, as fontes militares também defendem o general Eduardo Pazuello. Isso é outro fator que joga a favor do hoje secretário-executivo do ministério.

REVISTA OESTE: Cloroquina – a solução que venceu a ideologia

A imunologista Nise Yamaguchi, integrante do gabinete federal de combate à crise do novo coronavírus no país, também possui chances. Ela tem como fatores positivos o fato de defender o uso precoce da cloroquina, tal qual o presidente, e a redução do isolamento social. No final da manhã desta sexta-feira, 15, a médica conversou diretamente com o presidente da República no Palácio do Planalto. O teor da conversa não foi divulgado. Além disso, a médica também é bem vista pela chamada “ala ideológica” do governo.

EXCLUSIVO: A médica Nise Yamaguchi defende o uso precoce da hidroxicloroquina

Outro cotado é Terra. Joga a favor do ex-ministro o fato de ele ser alinhado ideologicamente com o presidente, ser um quadro de confiança dos filhos de Bolsonaro e ter feito trabalho satisfatório de combate ao H1N1 à frente da Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul. Pesa contra ele, porém, o fato de que seus prognósticos sobre o número de casos e mortes por covid-19 não foram confirmados. Ele chegou a prever um total de 700 óbitos. E aliados do presidente afirmam que esse detalhe poderia trazer para Bolsonaro “crises desnecessárias”.

Por fim, a possibilidade de mudança do protocolo com base em estudos científicos conduzidos pela Associação Médica Brasileira (AMB) credencia nos bastidores o presidente da entidade, Lincoln Ferreira, como o ministro da Saúde. É um nome bem avaliado por Bolsonaro tendo, inclusive, sido ouvido pelo governo antes da escolha de Teich. É alguém que, afirmam governistas, bancaria a mudança de protocolo defendida pelo presidente.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

9 Comentários

  1. Nise Yamagushi sabe o que diz, trabalha com a HCQ. Osmar Terra não.

    Responder
  2. Pazuello é bom gestor, mas não é médico. Não terá respeito da comunidade médica e nem científica.
    Dr. Lincoln Lopes desconheço completamente. Meu voto é da Nise.

    Responder
    • Bolsonaro podia aproveitar a oportunidade e mandar embora junto com a Nelson teich, a pessoa no governo que indicou essa ameba pra substituir o mandeta.

      Responder
    • Não sei pq não colocou alguém em linha com o pensamento dele. Qualquer um desses nomes será melhor do q alguém q não comunga da mesma premissa. Qto ao ministro, obrigado e vida q segue.

      Responder
  3. Confirmando-se a capacidade de gestão de Nise, ela parece ser a melhor opção.

    Responder
  4. Dra. Nise é o melhor nome.
    Terra pode até integrar o Ministério, como um 02, não como titular.

    Responder
  5. Seja lá quem for o indicado, o importante é que bote ordem nessa bagunça que se transformou o Ministério da saúde.

    Responder
  6. Nise Yamagushi sim, Osmar Terra não,pois e um Avestruz!

    Responder
  7. Conclusão: Está todo mundo perdido, agora só posso crer que a vaidade do Dr. NELSON o fez assumir esse cargo achando que podia tudo. Não devia ter aceitado, feijão!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

O pai, o filho e o deboche

O pai, o filho e o deboche

A ideia geral de que não se deve praticar certas coisas em público, porque “pega mal”, parece caminhar rapidamente...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês