Oxford: dexametasona reduziu mortes em pacientes graves com covid-19 - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 16 jun 2020, 13:55

Oxford: dexametasona reduziu mortes em pacientes graves com covid-19

16 jun 2020, 13:55

Pesquisa vê corticoide como grande avanço para tratamento da doença

dexametasona

Foto: Pixabay

Pesquisadores anunciaram nesta terça-feira, 16, que a aplicação da dexametasona, um corticoide de baixo custo, reduziu a taxa de mortalidade em cerca de um terço entre os casos mais graves de covid-19, submetidos à ventilação.

Não houve ganho, porém, em pacientes internados que não precisam de ajuda para respirar.

A droga foi aplicada em 2.104 pacientes no Reino Unido que fizeram parte de um estudo clínico randômico que recebeu o nome de “Recovery” e foi conduzido pela Universidade de Oxford.

Eles receberam a medição por dez dias e tiveram seu desempenho comparado com 4.321 pacientes que receberam apenas os cuidados habituais.

“Este é um resultado que mostra que, se pacientes que têm Covid-19 e estão ligados a ventiladores ou no oxigênio recebem dexametasona, isso salvará vidas, e o fará a um custo notavelmente baixo”, disse Martin Landray, professor da Universidade de Oxford.

O grupo de Oxford informou que, entre os pacientes que receberam a medicação, houve redução de um terço das mortes dos pacientes ventilados e de um quinto em outros pacientes recebendo apenas oxigênio.

Os dados ainda não foram submetidos a avaliação dos pares e não foram publicados em revista científica.

Os cientistas disseram que, dada a importância desses resultados para a saúde pública, estão trabalhando para publicar todos os detalhes o mais rápido possível.

“A dexametasona não é cara na prateleira e pode ser usada imediatamente para salvar vidas em todo o mundo”, afirmou Peter Horby, pesquisador e colíder do teste.

A droga é um forte anti-inflamatório e imunossupressor usado em doenças reumatológicas (como artrite) e alérgicas (como asma).

Os resultados dão a entender que 1 morte seria evitada com um tratamento de dexametasona entre cada 8 pacientes de Covid-19 ligados a ventiladores e que 1 morte seria evitada em cada 25 pacientes de Covid-19 que receberam o remédio e estão dependentes de oxigênio.

Reino Unido

Após a divulgação dos dados, o secretário de Estado da Saúde e Assistência Social do Reino Unido, Matt Hancock, divulgou um vídeo em sua conta no Twitter afirmando que vai adotar o remédio na rede pública do país.

Ele disse ainda que o governo começou a armazenar a dexametasona há vários meses porque estava esperançoso quanto ao potencial da droga e que já tem 200 mil doses em mãos.

Brasil

O medicamento está sendo avaliado no Brasil pela Coalização Covid Brasil, esforço dos hospitais Sírio Libanês, Albert Einstein, HCor e BricNet para fazer ensaios clínicos com diversas drogas candidatas.

Com informações do Estadão Conteúdo.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

2 Comentários

  1. “Os resultados dão a entender que 1 morte seria evitada com um tratamento de dexametasona entre cada 8 pacientes de Covid-19 ligados a ventiladores “.
    Com todo respeito, essa conclusão ignorou noções comezinhas de aritmética.
    O estudo mencionou que o medicamento reduziu uma taxa de óbitos da ordem de 40% para 28%, entre aqueles pacientes.
    Isso equivale a uma redução de aproximadamente 1/3 na taxa de óbitos, e não de 1/8, como sugeriu o autor da matéria.
    Na verdade os resultados dão a entender que 1 morte seria evitada com um tratamento entre cada 3 pacientes de Covid-19 ligados a ventiladores.

    Responder
  2. Esse estudo, tão festejado, comemora o que já se sabia. Desde março corticóides vem sendo usados com bons resultados. O que se precisa entender é que não há “uma droga” que cure. Sendo uma doença sistêmica necessitam-se diversas drogas: HCQ ou Ivermectina+enoxaparina+corticóides (os melhores resultados obtidos são com metilprednisolona em pulso terapia)+azitromicina. Parece que a vantagem da dexametasona sobre metilprednisolona é o custo mais baixo e a maior disponibilidade.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

É o “mecanismo”

É o “mecanismo”

A 3ª maior doadora da campanha paulistana do PSOL é uma herdeira da empreiteira de obras públicas Andrade Gutierrez...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês