Pai de denunciado na Lava Jato determina julgamento de juiz da Lava Jato - Revista Oeste

Edição da semana

Em 12 set 2020, 23:40

Pai de denunciado na Lava Jato determina julgamento de juiz da Lava Jato

12 set 2020, 23:40

Eduardo Martins, filho do presidente do STJ, figura nas investigações da operação desde janeiro deste ano

Marcelo Bretas

Marcelo Bretas

O juiz Marcelo Bretas, que participa da força-tarefa da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro, será julgado na próxima semana. O processo foi instaurado em maio deste ano por determinação do ministro Humberto Martins, então corregedor nacional de Justiça e atual presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Detalhe: ele é pai de Eduardo Martins, advogado que está sendo investigado pela mesma Lava Jato.

Martins, o filho, é acusado pela força-tarefa de ter recebido R$ 40 milhões para tentar influenciar a corte presidida pelo pai. A denúncia é feita com base em documentos apreendidos na Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomercio) do Rio de Janeiro e no depoimento de Orlando Diniz — ex-presidente da instituição.

Em delação premiada, o ex-dirigente confessou ter pago a quantia ao advogado através de contratos com a Fecomercio. Os procuradores acreditam que esses pagamentos tenham sido para “influenciar atos praticados por magistrados do Superior Tribunal de Justiça”. Na última quarta-feira, 9, o escritório de Eduardo Martins foi alvo de um mandado de busca e apreensão executado pela Lava Jato.

Bretas, por sua vez, responde a processo disciplinar por ter participado de dois eventos públicos com o presidente Jair Bolsonaro e o prefeito do capital fluminense, Marcelo Crivella, em fevereiro deste ano.

O primeiro foi a inauguração de uma alça da ponte Rio-Niterói, e o segundo, uma comemoração evangélica na praia. A acusação foi feita a pedido da Ordem dos Advogados do Brasil com o argumento de que ele teria se envolvido em “atos de caráter político-partidário”, ação vedada por lei aos magistrados. Em sua defesa, o juiz afirma que os eventos eram públicos e sem conotação política.

Pai e filho aparecem nas delações desde janeiro

Tanto o nome do pai quanto o do filho apareceram nas investigações da Lava Jato em janeiro, no depoimento dado por Léo Pinheiro, da construtora OAS. O empreiteiro confirmou ter pago R$ 1 milhão ao filho para que um processo movido contra sua empresa fosse atrasado pelo pai. Segundo Pinheiro, houve ainda o pedido de um valor dez vezes maior para que uma decisão desfavorável fosse revertida. “Eduardo Martins me solicitou a importância de 10 milhões para reverter um processo desfavorável à empresa”, disse o empresário.

O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) emitiu nota em que garante que o julgamento de Bretas não é uma retaliação feita pelo ministro Martins: “Sua inclusão em pauta foi realizada no dia 2 do mesmo mês e a intimação das partes foi efetuada no dia 4, portanto antes da deflagração da operação da PF. Como é de conhecimento público, o procedimento administrativo que tem por sujeito o juiz federal Marcelo Bretas visa a apuração de conduta do magistrado e foi iniciado em fevereiro, a partir de representação encaminhada à Corregedoria Nacional de Justiça, por iniciativa da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)”.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

27 Comentários

  1. É incompreensível que o próprio não peça para sair depois de tantas delações e comprovações. Mais uma vez comprova falta de caráter.

    Responder
  2. Bretas p cima deles, a população está do seu lado. Arregaça !!!!

    Responder
    • Quem é a OAB pra acusar quem quer que seja por ato político partidário?

      Responder
      • Essa entidade perdeu credibilidade com o atual presidente que tem.

        Responder
    • E a participação de ministros do STF e do STJ em eventos no Congresso, Palácio do Planalto, etc? A OAB fez alguma reclamação?

      Responder
  3. Bretas p cima deles, a população está do seu lado. Arregaça !

    Responder
  4. Quem é a OAB pra acusar quem quer que seja por ato político partidário?

    Responder
    • A OAB tem que ser EXTIRPADA DA JUSTIÇA!

      Responder
  5. OAB a maior Orcrim do brasil e o pior ela se uniu a suprema vergonha para perseguir os juizes decentes desse pais

    Responder
  6. Esses são os absurdos da “justiça” brasileira. Juízes totalmente comprometidos, julgam sem a menor cerimônia.

    Responder
  7. Não dá para aguentar esses canalhas de toga e seus filhinhos e esposas protegidos advogando nos tribunais. E a dona oab calada. Que lixo de judiciário.

    Responder
  8. Juízes como Bretas e outros, procuradores como Dallagnol e outros precisam se candidatar à câmara federal e senado. É ali que as coisa acontecem. É ali que estamos precisando urgentemente de pessoas de bem.

    Responder
    • Esses advogados e juízes são uma vergonha . Essa profissão virou uma escola de bandidos legais. Precisam ser extirpados.

      Responder
  9. O filho de terrorista, comunista vagabundo e salafrário, só vai “sossegar” no dia em que for removido dessa b…. que é a OAB, entidade que não tem o respeito de mais de 90% dos advogados brasileiros.

    Responder
  10. Orgulho de ser BRASILEIRO, Mineiro da querida Diamantina, afilhado de JK. Ô Bretas, grande Dalagnol , sobrarão vagas – se o senado federal não acabar antes, com o descrédito de Anastasia e Rodrigo Pacheco. Venham como a Dilma, se candidatarem por MG para o senado federal. Confirmamos em 18 o “golpe nos brasileiros” acabando com a carreira bandida da Anta. Mas vcs 2? Tamos juntos com quem quer acabar de vez com o lulopetismo.

    Responder
  11. A nossa Justiça virou um circo.

    Responder
  12. Olha a OAB (Organização de Assaltantes e Bandidos) aí gente!!!
    ora…ora…ora….a OAB.

    Responder
  13. Há uns quarenta anos ou mais, havia em BH, um popular comentarista esportivo, o Cafunga que já dizia naquela linguagem simples típica desse pessoal: “Aqui no Brasil, o errado é o certo e o certo é o errado.” Algo assim, não me lembro mais, exatamente como dizia. Pois bem, olhem isso daí e muitas outras coisas mais, inumeráveis por sinal. O bandido julgando o juiz…

    Responder
  14. #BretasNoSTF
    Deus proteja este homem!

    Responder
  15. A população está ao lado de Bretas, toda e qualquer artimanha dos criminosos implicam em afastar, por qualquer motivo, a área de atuação dos bons cidadãos.
    A nós pouco importa onde Bretas vai ou deixa de ir, o que nos interessa é que a sua função de Juiz seja exercida com o respeito e o rigor requerido pelo povo que lhe paga os salários.

    Responder
  16. “Bretas, por sua vez, responde a processo disciplinar por ter participado de dois eventos públicos com o presidente Jair Bolsonaro e o prefeito do capital fluminense, Eduardo Paes, em fevereiro deste ano.” O prefeito a que o texto se refere não era Eduardo Paes, mas sim Marcelo Crivella.

    Responder
    • Já foi corrigido. Obrigado pela observação.

      Responder
  17. “Bretas, por sua vez, responde a processo disciplinar por ter participado de dois eventos públicos com o presidente Jair Bolsonaro e o prefeito do capital fluminense, Eduardo Paes, em fevereiro deste ano”.
    Corrija o texto acima. O prefeito é o Crivella e não Eduardo Paes.

    Responder
    • Já foi corrigido. Obrigado pela observação.

      Responder
  18. Marcello Bretas, para o STF!!!

    Responder
  19. saiam os 3 nas ruas (pai,filho e bretas) vamos ver quem será homenageado.
    Bretas, pau no gato (e no rato também)

    Responder
  20. banana comendo macaco!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês