Para trabalhadores da Índia, o isolamento no país é decreto de fome - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 1 abr 2020, 20:48

Para trabalhadores da Índia, o isolamento no país é decreto de fome

1 abr 2020, 20:48

 Milhões vivem e comem onde trabalham; com o fechamento dos negócios, os indianos sofrem com a fome

Monge Indiano | Foto: PixBay

O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, ordenou em 25 de março último o confinamento de 1,3 bilhão de cidadãos do país para combater a propagação do coronavírus, pedindo às pessoas que se distanciem socialmente e trabalhem em casa.

O distanciamento social, no entanto, significa fome para muitos na Índia, onde a força de trabalho dependente fortemente da atividade manual.

Cerca de 80% dos 470 milhões de trabalhadores do país estão no setor informal, sem contrato e desprotegidos pelas leis trabalhistas. Trabalhadores manuais nos campos, fábricas e ruas do país constituem grande parte da população.

Como foi noticiado por Oeste, milhões de trabalhadores nas cidades indianas vivem e comem onde trabalham. Diante disso, o fechamento dos negócios produziu um problema social, não apenas econômico.

O jornal americano The New York Times entrevistou alguns trabalhadores indianos que relatam não temer o coronavírus, mas sim a fome.

Ramchandran Ravidas mora em uma garagem onde aluga bicicletas; em um bom dia, pode ganhar até 450 rúpias, ou 6 dólares, disse ele.

Ravidas teme que seja despejado em breve, pois não teve clientes desde o o início do isolamento.

“Não estou preocupado com a coronavírus; se ele me pegar, pelo menos essa vida de miséria vai acabar”, disse o trabalhador.

Baudghiri é um sadhu — monge andarilho — e ganha cerca de 1,5 dólar por dia, oferecendo orações às pessoas nas ruas. O religioso contou a jornalistas que não comia havia dois dias.

Segundo ele, nunca passara fome em sua vida, pois sempre encontrava uma refeição em templos hindus ou gurdwaras, locais de culto dos sikhs. Mas eles fecharam desde o início do bloqueio na semana passada.

“Em todas as crises, os templos permaneciam abertos”, disse ele. “Ainda conseguimos nos alimentar e encontrar abrigo. Nunca vi esse pânico em toda a vida”, acrescentou.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 Comentário

  1. Alguém, além do presidente Bolsonaro, está pensando nos milhões de chefes de família que saiam de casa para MATAREM UM LEÃO POR DIA ou que VENDIAM O ALMOÇO PARA COMPRAREM O JANTAR? Vão morrer de fome dentro de casa junto com os filhos? Ou vão sair desorganizadamente e desesperadamente, para conseguir alimentos de um jeito ou de outro? Cabe aos governos locais organizarem a volta gradual daquelas atividades que asseguram o ganha-pão destes milhões de trabalhadores brasileiros. PÁTRIA AMADA BRASIL.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês