Parlamento belga aprova resolução anti-Israel - Revista Oeste

Edição da semana

Em Em 26 jun 2020, 11:45

Parlamento belga aprova resolução anti-Israel

26 jun 2020, 11:45

A medida foi aprovada pela Câmara Baixa do Parlamento; Parlamentares que apresentaram a resolução anti-Israel fazem parte de um grupo que defendem o boicote à Israel

Resolução anti-Israel

Sede do parlamento da Bélgica | Foto: Asterion/Wikimedia

A maioria dos membros da Câmara Baixa do Parlamento da Bélgica aprovaram uma resolução onde pedem que o governo pressione a União Europeia a tomar medidas anti-Israel.

De acordo com o texto, o governo da Bélgica deve posicionar-se e pedir que o bloco europeu tome uma posição contra o plano israelense de anexar territórios palestinos na Cisjordânia.

A resolução anti-Israel foi aprovada nesta sexta-feira, informa o jornal israelense The Jerusalem Post.

“O governo deve tomar um papel de liderança na Europa e nos organismo multilaterais para a efetiva tomada de contramedidas, que seriam a resposta para qualquer anexação de territórios palestinos por Israel”, afirma a resolução.

Veja também: “Israel fechou 2019 como um dos 10 maiores exportadores militares”

A União Europeia já demonstrou se opor a qualquer ação de anexação de territórios palestinos por Israel, mas resiste em tomar ações mais duras, como as pedidas pelo Parlamento da Bélgica.

A resolução aprovada foi apresentada por três membros do Partido verde, que fazem oposição ao governo da primeiro-ministra, Sophie Wilmès, que é uma liberal. Dos 150 membros daquela casa, 100 votaram de forma favorável e 39 votaram contra.

Os três parlamentares, que fazem parte de um grupo que prega o boicote à Israel, também apresentaram uma resolução pedindo que a Bélgica reconheça a Palestina como um Estado. Ainda não há previsão para que essa medida seja votada.

Resistência interna

Conforme já publicado pela Oeste, o ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, já afirmou ser contra qualquer plano para a anexação de territórios palestinos. A anexação conta com a simpatia de Benjamim Netanyahu e seja discutida em uma reunião de gabinete no próximo dia 1°.

“Antes de tomar qualquer medida, precisamos garantir que todos os especialistas sejam ouvidos. Em qualquer cenário, eu não vou apoiar a anexação de áreas com populações palestinas para evitar atritos”, disse Gantz.

Mais: “EUA e Israel coordenaram sanções contra o TPI”

O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres também afirmou que é certamente contra qualquer anexação. “Eu peço que Israel abandone os planos de anexação”, disse.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

O império dos sem-voto

Há cada vez mais pessoas que nunca receberam um único voto na vida, e não têm mandato nenhum, dizendo o que o cidadão deve ou não deve fazer

O mal de roupa nova

O Partido Democrata não esconde as intenções: quer mais coletivismo, menos autonomia dos Estados, maior controle exercido pelo Executivo central e intervenção na economia

A nova Torre de Babel

Ao contrário do mito bíblico, a torre atual está sendo edificada com base na confusão proposital das palavras por indivíduos desprovidos de inteligência e coragem

Segundo turno nupcial

“Ué, você tá torcendo pra mim?” / “Não sei. Estou indeciso”

A imprensa morre no escuro

A atividade que já foi chamada de “quarto poder” escorrega perigosamente para a irrelevância

O resgate de Tocqueville

O desprezo pelo cristianismo, tão comum em meios “progressistas”, representa um perigoso afastamento dos pilares norte-americanos

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês