PGR pede abertura de inquérito para apurar declarações de Moro - Revista Oeste

Em 24 abr 2020, 17:30

PGR pede abertura de inquérito para apurar declarações de Moro

24 abr 2020, 17:30

Em coletiva, o ex-ministro da Justiça alegou que houve tentativa de interferência na Polícia Federal. Presidente nega

Aras pede para investigar declarações de Moro | Foto: PGR

O procurador-geral da República, Augusto Aras, solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF), nesta sexta-feira, 24, a abertura de inquérito para apurar as declarações dadas pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro. Entre as providências, o procurador-geral pede que Moro seja ouvido e preste depoimento.

MAIS: Podemos quer Moro candidato à Presidência da República pelo partido em 2022

Durante a coletiva em que anunciou sua saída do Ministério da Justiça,Moro alegou que houve tentativa de interferência na condução dos trabalhos da Polícia Federal. O presidente da República, Jair Bolsonaro, nega.  “Cobrar uma posição da Polícia Federal sobre minha tentativa de assassinato é interferir na PF?”, disse Bolsonaro em pronunciamento. Moro deixou o cargo após não conseguir indicar o nome do substituto do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. Valeixo foi exonerado nesta sexta-feira.

O pedido da PGR busca investigar supostos casos de crimes como “falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, prevaricação, obstrução de justiça, corrupção passiva privilegiada, denunciação caluniosa e crime contra a honra”, nas palavras da Procuradoria-Geral da República. “A dimensão dos episódios narrados revela a declaração de ministro de Estado de atos que revelariam a prática de ilícitos, imputando a sua prática ao presidente da República, o que, de outra sorte, poderia caracterizar igualmente o crime de denunciação caluniosa”, aponta o procurador-geral no pedido de inquérito.

“Indica-se, como diligência inicial, a oitiva de Sergio Fernando Moro, a fim de que apresente manifestação detalhada sobre os termos do pronunciamento, com a exibição de documentação idônea que eventualmente possua acerca dos eventos em questão. Uma vez instaurado o inquérito, e na certeza da diligência policial para o não perecimento de elementos probatórios, o procurador-geral da República reserva-se para acompanhar o apuratório e, se for o caso, oferecer denúncia”, conclui Augusto Aras no pedido.

Confira na íntegra o pedido da PGR ao Supremo

Com informações da Procuradoria-Geral da República

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. O pronunciamento do PBR foi bom, extremamente franco – espero sinceramente que, não obstante a turbulência, a Presidéncia consiga se sair maior do que os desejos derrotistas de seus oponentes.

    Responder
  2. Agora o feitiço virou contra o feiticeiro. Se o Moro não provar as acusações, será processado por calúnia.

    Responder
  3. Se esse imbróglio se deu por um fato que aconteceu na data de ONTEM, a decisão do Moro foi um tanto quanto precipitada e corre o risco de não conseguir provar de forma contundente.
    Ele trucou. Bolsonaro respondeu. E, por fim, vamos ver o que vai dar.

    Bolsonaro saiu de todas as outras crises mais forte. Se essa crise não “pará-lo”, lamento informar a oposição, mas esse cara só para na bala.

    Responder
  4. É dr Moro, Gilmar Mendes te espera.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias