Pico de mortes por covid-19 no Brasil já passou - Revista Oeste

Edição da semana

Em 7 jul 2020, 11:18

Pico de mortes por covid-19 no Brasil já passou

7 jul 2020, 11:18

De acordo com a análise dos gráficos do Registro Civil, desde que não haja uma segunda onda de contaminação no país, o pior já passou

Ilustração

Em junho, Oeste fez uma reportagem em que reuniu algumas considerações e dados sobre a pandemia. Apesar da imprecisão na produção de estatísticas no Brasil, a análise de alguns gráficos permitiu inferir que as mortes por covid-19 no Brasil atingiram o pico no mês de maio.

Leia também: “A verdade por trás dos números da covid-19” 

Para o médico cardiologista Juliano Lara Fernandes, formado pela Unicamp, com doutorado na FMUSP e MBA em Gestão de Sistemas de Saúde pela FGV, a análise dos gráficos indica que o mês de maio foi muito mais de “consolidação e saída da pandemia” do que de intensificação e piora do quadro no país. Ou seja, desde que não haja uma segunda onda de contaminação no Brasil, o pior já passou.

No gráfico abaixo, as informações do Registro Civil indicam que desde 8 de maio já é possível identificar uma estabilização na curva de mortes no país.

É preciso considerar que a partir de 22 de junho os números estão atrasados e ainda serão atualizados, conforme os trâmites legais dos cartórios de Registro Civil.

Na cidade de São Paulo, onde bares, restaurantes e salões de beleza reabriram nesta segunda-feira 6 depois de 104 dias fechados por causa do isolamento social, as mortes por covid-19 também atingiram o pico em maio. No gráfico, as informações do Registro Civil mostram que, a partir do dia 21 de maio, é possível identificar uma estabilização na curva de mortes na cidade.

covid-19-pico-coronavírus-São Paulo

É preciso considerar que a partir de 22 de junho os números estão atrasados e ainda serão atualizados, conforme os trâmites legais dos cartórios de Registro Civil.

Clique aqui e veja os números da covid-19 no Brasil e no mundo

Conforme noticiou Oeste, o ritmo de contaminação do coronavírus no Brasil desacelera a cada semana. Entretanto, mesmo com os dados apontando para um arrefecimento da pandemia, parte da população ainda não se sente segura para retornar à normalidade. Em um painel que captou, entre os dias 23 e 29 de junho, dados extraídos das redes sociais divulgado pela fsb comunicação, as três sensações mais recorrentes no universo das mídias digitais são — saudade, depressão e medo, nessa ordem. É o retrato de uma doença que, além de ceifar vidas, espalhou o pânico, paralisou atividades econômicas, destruiu empregos, levou à falência milhares de empresas e comprometeu a saúde mental das pessoas.

 

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

9 Comentários

  1. Notícias alvissareiras! Quanto ao pânico e medo e depressão esta conta em grande parte vai para a grande mídia funerária.

    Responder
  2. Pesquisem nos cartórios o número de suicídios que ocorreram nesse período, e vcs verão o quanto assassinos são os governos fiquem em casa!

    Responder
  3. É preciso Avisar pra Globo, pois parece que seus reportes ainda não sabem ou estão fingindo não saber. pois as edições de manhã, tarde e noite, mostram um quadro totalmente diferente do que eu acabo de ler.

    Responder
    • Tomara que um processo criminal de abrangência mundial seja concretizado rapidamente, contra Tedros e contra o Partido Comunista Chinês, fazendo-os pagar por todos os seus atos infames ( CRIMES CONTRA A HUMANIDADE ). Ao contrário da escória ativista, guerrilheira, terrorista e corrupta do jornalismo, que fica fazendo campanha para que sejam doadas mais montanhas de dólares para essa organização criminosa e assassina que se chama OMS. Eles é que tem que pagar ao mundo por esta catástrofe. Todavia, as vidas das criaturas assassinadas e das famílias destroçadas não voltarão. Não somos amebas, zumbis, palhaços esquerdopatas, ignorantes e histéricos. Não fazemos parte dessa imunda escória de ativistas comunistas, “JORNALISTAS ” ou NÃO.

      Responder
    • Estranho, muito estranho, leitor da Revista Oeste informando-se (manhã, tarde e noite) pela GloboLixo?!
      Esqueça Globo, Estadao Folha UOL, estas midias estão infestados de Petralhas. Afaste-se rápido, caso contrário vc vai pirar

      Responder
  4. VAMOS FALAR A VERDADE ??? A peste chinesa vai acabar quando o PC Chinês e Bill Gates decidirem terminá-la, disponibilizando uma vacina mágica, o que lhes renderá centenas de bilhões de dólares, após terem assassinado centenas de milhares, talvez milhões de pessoas em todo o mundo, com a cumplicidade desse “doutor” Fauci e outros meliantes comuno-globalistas, ao passo que mais de 90 por cento poderiam ter sido salvas com a administração na hora certa da hidroxi-cloroquina. Pesquisem a DOUTORA JUDY MIKOVITZ, renomada infectologista americana, que afirmou peremptoriamente que o VÍRUS CHINÊS foi obra de MANIPULAÇÃO em laboratório chinês, que o mesmo NÃO SOFREU mudança natural, que o COMUNA-VÍRUS possui a sequência inteira do HIV em seu nucleotídeo e que seriam necessários no mínimo 800 ANOS para passar a infectar HUMANOS em uma mutação natural. VAMOS FALAR DEFINITIVAMENTE A VERDADE OU NÃO PARA A POPULAÇÃO ???

    Responder
  5. Eu acho estranha a didiscrepância entre os dados do Registro Civil, em torno de 700 óbitos por dia, e os números levantados pelo tal consórcio dos órgãos de imprensa, sempre na casa dos 1.200.

    Responder
    • Desde que tive conhecimento do Portal da Transparência, fiz vários pedidos, às mais personalidades e meios de comunicação, para que fosse verificada esse divergência, entre os dados públicados na imprensa e os do Portal. Infelizmente, nunca fui percebido! Só recentemente tenho visto surgir essa análise. Penso que o problema está nos números que são repassados pelas Secretarias Estaduais de Saúde que, certamente, estão inflados.

      Responder
  6. Além do que já foi dito e com o que concordo, a enfatizar, o papel desastroso, incompetente, genocida e cínico da chamada grande mídia que contribuiu fortemente para a morte e o pânico desnecessários de tantos.

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Alerta: pesquisas à vista!

Por que as sondagens eleitorais erram tanto, como isso distorce o processo democrático e o que se pode fazer

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma guerra civil nos EUA?

A mídia recusa-se a noticiar o que é evidente aos olhos de seus espectadores, e intelectuais argumentam que “saques e protestos violentos são vivenciados como eventos alegres e libertadores”

Você não pode perder

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês