PL das fake news 'traz mais riscos' do que 'proteções', diz especialista - Revista Oeste

Em 1 jun 2020, 17:00

PL das fake news ‘traz mais riscos’ do que ‘proteções’, diz especialista

1 jun 2020, 17:00

Tema pode ser votado pelo Senado já nesta terça-feira

Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado

Está prevista para terça-feira, 2, a votação no Senado do projeto que cria a Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet, já chamada de Lei das Fake News.

A proposta do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e dos deputados Tábata Amaral (PDT-SP) e Felipe Rigoni (PSB-ES) estabelece que as plataformas estão sujeitas a sanções por não cumprirem obrigações legais.

A votação ocorre na esteira do inquérito que apura supostas fake news contra os ministros do Supremo Tribunal Federal.

Para o especialista em proteção de dados, Felipe Palhares, sócio do Palhares Advogados, o Projeto de Lei tem uma série de pontos “controversos e negativos”.

Segundo ele, o debate sobre fake news é extremamente necessário, mas precisa de mais tempo de maturação.

“Levar o texto à votação é uma conduta açodada, que traz muito mais riscos à sociedade brasileira do que as proteções que se quer trazer pelo projeto”, disse Palhares.

LEIA TAMBÉM: PL das fake news pode virar ‘lei de censura’, diz especialista

Ele considera que o PL traz conceitos abertos e indeterminados, como por exemplo “conta inautêntica”.

“Isso quer dizer que mesmo a conta autenticada, de uma pessoa que porventura quer expressar uma informação, seria considerado ali uma conta inautêntica e caberia às redes sociais vedar a utilização dessas contas e assim você não poderia mais ter acesso à rede social”, afirmou o advogado.

Felipe Palhares vê com preocupação o dispositivo que determina uma filtragem prévia, o que ocasiona, eventualmente, uma censura das plataformas para avaliar se aquele conteúdo é verdadeiro ou não.

“Isso muda a lógica do Marco Civil da Internet, de que não caberia às redes sociais fazer essa filtragem prévia, justamente em respeito à liberdade de expressão e que somente após uma ordem judicial é que esses conteúdos poderiam ser derrubados”, destacou o especialista.

O advogado afirma que está lançado um desafio de como manter o direito à liberdade de expressão intacto se um ente privado pode, inclusive, fazer uma censura prévia do conteúdo.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

5 Comentários

  1. Liberdade de Expressão não convive com CENSURA. Corremos o risco de entrar em uma estrada escura e perigosa, que desembocará no Autoritarismo. Fake News, é de tamanha insignificância, que não merece a menor atenção.

    Responder
  2. Não preciso de mentiras para falar mal de vários , partidos e políticos!

    Responder
  3. a frase “falem mal, mas falem de mim” atribuída ao Paulo Maluf hoje seria proibida… que saudades desse tempo, onde podia-se falar mal de…. RECEITA DE BOLO DE CHOCOLATE… 3 xícaras de farinha de trigo… (pois é, voltaremos a essa época)

    Responder
  4. Uma pandemia no mundo inteiro e esses vermes fazendo política. Lamentável.

    Responder
  5. O mais engraçado é o nome da lei: “Lei da Liberdade ….”

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa news

Coronavírus

Oeste Notícias