Pobreza na Argentina atinge 40% da população - Revista Oeste

Edição da semana

Em 1 out 2020, 17:21

Pobreza na Argentina atinge 40% da população

1 out 2020, 17:21

Esta é a pior taxa de pobreza registrada desde 2004, quando atingiu 44,3% da população

Presidente da Argentina, Alberto Fernández | Foto: Casa Rosada

A taxa de pobreza na Argentina atingiu 40,9% da população no primeiro semestre de 2020, ou seja, cerca de 12 milhões de pessoas.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira, 1º, pelo Instituto Nacional de Estatísticas e Censos da Argentina (Indec).

Esta foi a pior taxa de pobreza registrada desde 2004, quando atingiu 44,3% da população, após a forte crise desencadeada em 2001.

LEIA MAIS: Coca-Cola muda sede regional da Argentina para o Brasil

O número aumentou cinco pontos e meio em apenas um ano, já que no primeiro semestre de 2019 a Argentina registrou 35,4% da população na pobreza.

A maior quantidade de pobres do país está concentrada na periferia da cidade de Buenos Aires, com 5,8 milhões de pessoas. O nível de miséria ou pobreza absoluta no país é de 10,5% do total, cerca de 2,9 milhões de argentinos.

Segundo a agência italiana ANSA, o presidente da Argentina, Alberto Fernández, afirmou que o aumento do índice “está fortemente relacionada com a pandemia”. Ele ainda assegurou que os “resultados teriam sido muito piores se o Estado não tivesse intervindo com medidas de apoio”.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 Comentários

  1. Nada de novo no horizonte.., Nosso vizinho está se tornando . A galope, a Venezuela do cone sul.
    Isto não vai acabar bem ..,

    Responder
  2. Mais uma nação que o comunismo leva para o buraco!

    Responder
  3. Não chores por mim Argentina……

    Responder
  4. Dane-se. Não pensaram nas consequências, agora entraram na chibata e não tem previsão de quando sair dela! E não quero saber de argentino se aglomerando nas fronteiras do Brasil pedindo arrego só porque fez kaghada com seu país! DANE-SE!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

Ciência, que é bom, nada

Ciência, que é bom, nada

"Desde o começo da epidemia a discussão vem sendo assim: política em primeiro lugar", afirma J.R. Guzzo...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês