Polícia prende suspeito de participar da morte de Marielle - Revista Oeste

Edição da semana

Em 10 jun 2020, 10:31

Polícia prende suspeito de participar da morte de Marielle

10 jun 2020, 10:31

O bombeiro Maxwell Simões Correa emprestou seu carro para esconder as armas de Ronnie Lessa, suspeito de assassinar a vereadora, informou a Justiça

polícia

A vereadora Marielle Franco | Foto: GUILHERME CUNHA/ALERJ

O bombeiro Maxwell Simões Correa foi preso na manhã de hoje sob suspeita de participar do assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ). A parlamentar e seu motorista, Anderson Gomes, foram mortos no Rio de Janeiro em março de 2018.

Correa é alvo da Operação Submersus 2, realizada pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ). Segundo a Justiça, ele teria emprestado o carro para ocultar as armas usadas por Ronnie Lessa, suspeito de efetuar os disparos contra as vítimas.

Além do mandado contra Maxwell, estão sendo cumpridos outros pedidos de busca e apreensão em dez endereços na capital fluminense. Sendo assim, mais informações podem vir à tona. Ainda, o MPRJ argumenta que o bombeiro é suspeito de tentar “atrapalhar de maneira deliberada a investigação”.

Leia mais: “Helder Barbalho é alvo de investigação da PF”

“O carro estava na posse do Maxwell. A participação dele foi ter cedido o carro para o transporte das armas”, informou a promotora do Grupo de Combate ao Crime Organizado Letícia Emili Alqueres Petriz, ao chegar à delegacia. Além disso, a intenção era jogar as armas no mar.

Portanto, ocultar as provas do crime.

Correa chegou à delegacia de polícia por volta das 7h40 de hoje depois de a prisão ter sido efetuada em um condomínio de luxo chamado Recreio dos Bandeirantes. A mansão onde o suspeito mora é incompatível com os rendimentos dele.

Dessa maneira, suspeita-se que alguém o esteja ajudando.

TAGS

*O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assine a nossa newsletter

Colunistas

Vacinação sem vacina

Falar em obrigar a população inteira a se vacinar — com uma vacina que não existe — significa o quê? Um negócio da China?

Supremas diferenças

Ao compararmos o STF à Suprema Corte dos Estados Unidos, o choque é violento

A coerção e o coronavírus

A necessidade de restrições ocasionais não deve abalar os fundamentos do verdadeiro liberalismo, sustentado no “inovismo” e no “adultismo”

Uma nova doença: o vício em desculpas

Poucas figuras públicas têm a força de caráter para se recusar a pedir desculpas aos identitaristas, que gostam de desempenhar o papel de vítimas permanentes

Você não pode perder

O pai, o filho e o deboche

O pai, o filho e o deboche

A ideia geral de que não se deve praticar certas coisas em público, porque “pega mal”, parece caminhar rapidamente...

A VOZ DAS REDES

Uma seleção de tuítes que nos permitem um olhar instigante do mundo, ajudam a pensar e divertem o espírito

LEIA MAIS

Oeste Notícias

R$ 19,90 por mês