43% dos domicílios brasileiros receberam auxílios do governo

Dinheiro veio principalmente do coronavoucher e do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda
-Publicidade-
Pequena cidade no interior do Brasil | Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil
Pequena cidade no interior do Brasil | Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil

Dinheiro veio principalmente do coronavoucher e do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda

Brasil
Pequena cidade no interior do Brasil | Foto: Marcello Casal jr/Agência Brasil

Dados divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira, 23, mostram que cerca de 43% dos domicílios brasileiros (29,4 milhões) receberam, em junho, algum auxílio emergencial do governo relacionado à pandemia.

-Publicidade-

Segundo a Pnad Covid19, versão da Pnad Contínua, o número corresponde a mais 3,1 milhões de lares beneficiados, na comparação com o mês anterior.

Foram distribuídos R$ 27,3 bilhões, sendo que metade da população brasileira, formada pelos estratos mais baixos de renda, recebeu 75,2% das transferências.

LEIA MAIS: PF cria banco de dados contra fraudes no coronavoucher

Em junho, 49,5% da população, cerca de 104 milhões de pessoas, viviam em domicílios em que, pelo menos, um morador recebeu auxílio.

“Direta ou indiretamente, esse contingente pode ter sido beneficiado com auxílio”, disse o diretor adjunto de Pesquisas do IBGE, Cimar Azeredo.

O dinheiro veio principalmente do coronavoucher de R$ 600 e do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda. O valor médio do benefício foi de R$ 881 por domicílio.

IBGE
Domicílios que receberam o Auxílio Emergencial | Foto: Reprodução/IBGE

Entre os 83,4 milhões de trabalhadores do país, cerca de 14,8 milhões estavam afastados do trabalho e, entre estes, 7,1 milhões estavam sem remuneração, o equivalente a 48,4% dos trabalhadores afastados.

Em maio, este percentual chegou a 51,3%, o equivalente a 9,7 milhões de pessoas. No Nordeste, 51,8% das pessoas afastadas do trabalho estavam sem remuneração.

O percentual de afastados devido à pandemia caiu de 18,6% para 14,2% dos ocupados, de maio para junho, totalizando 11,8 milhões de pessoas.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

1 comentário Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.