A CPI da Covid parece uma piada macabra

Uma das condições mais importantes para alguém ser juiz na comissão é fazer parte da lista de codinomes da Odebrecht
-Publicidade-
Não é preciso ser nenhum doutor em ciência política para ver o que muitos membros da CPI estão fazendo lá
Não é preciso ser nenhum doutor em ciência política para ver o que muitos membros da CPI estão fazendo lá | Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

(J. R. Guzzo, publicado no jornal Gazeta do Povo, em 26 de abril de 2021)

Uma coisa que os políticos brasileiros aprenderam há muito tempo, com curso de pós-graduação fornecido pelo Supremo Tribunal Federal, é virar juiz de alguma coisa, em todas as oportunidades que lhes aparecem pela frente. É automático, ou pelo menos é assim que raciocinam: o melhor jeito de escapar da polícia é sair gritando “pega ladrão”. Como se sabe, pelo menos um terço de todo o Congresso brasileiro tem problemas com o Código Penal — possivelmente, a maior concentração per capita de gente enrolada com a Justiça, num ambiente só, que existe fora das penitenciárias em todo o território brasileiro. É natural que utilizem as suas “imunidades parlamentares” para ficarem fora da cadeia — e que, além disso, vivam brigando para fazer o papel de julgadores. Enquanto estão julgando os outros, com pose de justiceiros, eles próprios não são julgados.

Estão nessa vida há anos, ou até décadas. Já se viu aí todo o tipo de absurdo, mas poucas vezes exageraram tanto como nessa “CPI da Covid” que o Senado inventou para apurar incompetência, corrupção e outras coisas horríveis na administração da covid, e que começa amanhã a sua atividade. Veja só quem participa da CPI, no papel de polícia correndo atrás de bandido — e acredite se quiser.

-Publicidade-

Está lá, na primeira fila, ninguém menos que o senador Renan Calheiros, dono de uma das mais prodigiosas folhas corridas da história penal do Brasil; nem os seus advogados sabem ao certo quantos processos ele tem hoje nas costas. Há 30 anos vive fugindo, através de truques diversos, do seu encontro com a lei — trata-se de um verdadeiro maratonista, como descreveu o jornalista Augusto Nunes. Sua medalha de ouro é a participação na lista de políticos comprados que a empreiteira Odebrecht mantinha nos computadores do seu Departamento de Corrupção. Seu apelido (cada um tinha o seu apelido, ali) é “Atleta”.

Pode parecer uma piada macabra, mas não é: uma das condições mais importantes para alguém ser juiz na CPI da Covid é fazer parte da lista de codinomes registrados no Departamento de Corrupção da Odebrecht. Ao lado de Renan, estão ali gigantes como Humberto Costa (o “Drácula”, por seu envolvimento na máfia dos ladrões de sangue quando era ministro da Saúde de Lula), ou Jader Barbalho (o “Whiskey”, pelos motivos que se pode imaginar; seu filho, o atual governador do Pará, Helder Barbalho, é o “Cavanhaque”). Detalhe: o Pará é um dos Estados onde mais se roubou dinheiro público destinado ao combate da epidemia, segundo as denúncias correntes.

Não é preciso ser nenhum doutor em ciência política para ver o que muitos membros da CPI estão fazendo lá. Desde o aparecimento da covid, um ano e pouco atrás, cerca de R$ 60 bilhões em verbas federais foram entregues aos Estados — e uma grande parte dessa pilha de dinheiro, por conta da situação oficial de “emergência”, foi gasta sem licitação pública e outros controles legais. Como foi fartamente noticiado, as “autoridades locais” roubaram de tudo: respiradores, máscaras, luvas, aventais cirúrgicos, diárias de UTI, desinfetante, o diabo.

Por que não? No governo Lula roubaram até sangue — e o ministro da Saúde de então é um dos juízes da ladroagem de hoje. É assim que funcionam as sagradas “instituições democráticas” do Brasil.

Leia também: “O Atleta é mais veloz que a Justiça”, artigo de Augusto Nunes publicado na Edição 57 da Revista Oeste

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Realmente um desrespeito a todos nós, mas esperar respeito desta figuras é querer demais. Sao canalhas que cuidam de seus interesses e nada mais, agem como uma alcateia (grupo de hienas) atacando o que esta pela frente.

    1. Em primeiro lugar quero parabenizar esta revista que é uma ilha de verdade num mar de noticias falsas e nojentas.
      O Brasil tem muito o que mudar ainda .
      Por exemplo o Renan “Atleta”calheiros. Ele não entrou no senado a força. Infelizmente ele foi eleito .
      Então o problema é o brasileiro aprender a votar e a justiça funcionar.
      E não essa vergonha que é o STF que não passa de um puxadinho do Pt.
      Mas eu acredito que o Brasil de bem vai vencer.

  2. O texto retrata com precisão a decadência moral das chamadas “instituições democráticas” com seus criminosos de estimação. Mas o maior recordista de medalhas da corrupção da história do País é o ex presidiário e ex presidente petista,

  3. Lendo OESTE nos assustamos com o NORTE, ainda que já há bastante tempo não nos horrorizamos nem com draculas nem morcegos togados.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.