‘Araraquara vive situação de pós-guerra’, afirma presidente da Ceagesp

Ricardo Mello Araújo concedeu entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan, exibido nesta segunda-feira, 21
-Publicidade-
Ricardo Mello Araújo participou de <i>Os Pingos nos Is</i>, da rádio Jovem Pan
Ricardo Mello Araújo participou de Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan | Foto: Reprodução/YouTube

O coronel da reserva Ricardo Mello Araújo, presidente da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), concedeu entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan, exibido nesta segunda-feira, 21. Durante a conversa, o coronel da reserva falou sobre a situação vivenciada pela cidade de Araraquara, que sofre com a pandemia do novo coronavírus e as medidas restritivas impostas pelo prefeito Edinho Silva (PT).

Fome em Araraquara

Segundo Mello Araújo, o presidente Jair Bolsonaro pediu à Ceagesp que enviasse alimentos às populações carentes. “Nós levamos comida para Aparecida, Potim, Roseira, Pinhalzinho, Amparo e Araraquara”, explicou. “Nessa última, não tivemos apoio da prefeitura. O prefeito criou empecilhos, mas conseguimos atender mais de 25 mil pessoas.”

-Publicidade-

O coronel da reserva lembrou, ainda, da situação calamitosa vivenciada pelos cidadãos de Araraquara. “Havia pessoas passando fome, tendo de comer animais domésticos”, lamentou. “A situação que eu vi, na cidade, é de pós-guerra. Em nenhuma outra cidade a situação é tão crítica quanto essa. O prefeito deixou a população numa situação triste.”

Estabelecimentos fechados

Para Mello Araújo, o Art. 5º da Constituição Federal não está sendo preservado. “Não estão respeitando o direito de ir e vir das pessoas, bem como o direito de se alimentar”, afirmou. “Se o prefeito ordena que os cidadãos não saiam de casa, o mínimo que deveria permitir é a chegada de comida na casa deles.”

Mercados, padarias e estabelecimentos voltados para o setor de alimentos estão fechados, segundo Mello Araújo. “Como as pessoas irão se alimentar, comprar os produtos?”, perguntou. “Isso é um absurdo. Trata-se de uma injustiça, um crime. As pessoas não podem sair de casa para comprar comida. A cidade precisa voltar a funcionar.”

Leia também: “Mesmo com redução nos casos de covid, Araraquara anuncia novo lockdown

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site