‘Araraquara vive situação de pós-guerra’, afirma presidente da Ceagesp

Ricardo Mello Araújo concedeu entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan, exibido nesta segunda-feira, 21
-Publicidade-
Ricardo Mello Araújo participou de <i>Os Pingos nos Is</i>, da rádio Jovem Pan
Ricardo Mello Araújo participou de Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan | Foto: Reprodução/YouTube

O coronel da reserva Ricardo Mello Araújo, presidente da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), concedeu entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan, exibido nesta segunda-feira, 21. Durante a conversa, o coronel da reserva falou sobre a situação vivenciada pela cidade de Araraquara, que sofre com a pandemia do novo coronavírus e as medidas restritivas impostas pelo prefeito Edinho Silva (PT).

Fome em Araraquara

Segundo Mello Araújo, o presidente Jair Bolsonaro pediu à Ceagesp que enviasse alimentos às populações carentes. “Nós levamos comida para Aparecida, Potim, Roseira, Pinhalzinho, Amparo e Araraquara”, explicou. “Nessa última, não tivemos apoio da prefeitura. O prefeito criou empecilhos, mas conseguimos atender mais de 25 mil pessoas.”

-Publicidade-

O coronel da reserva lembrou, ainda, da situação calamitosa vivenciada pelos cidadãos de Araraquara. “Havia pessoas passando fome, tendo de comer animais domésticos”, lamentou. “A situação que eu vi, na cidade, é de pós-guerra. Em nenhuma outra cidade a situação é tão crítica quanto essa. O prefeito deixou a população numa situação triste.”

Estabelecimentos fechados

Para Mello Araújo, o Art. 5º da Constituição Federal não está sendo preservado. “Não estão respeitando o direito de ir e vir das pessoas, bem como o direito de se alimentar”, afirmou. “Se o prefeito ordena que os cidadãos não saiam de casa, o mínimo que deveria permitir é a chegada de comida na casa deles.”

Mercados, padarias e estabelecimentos voltados para o setor de alimentos estão fechados, segundo Mello Araújo. “Como as pessoas irão se alimentar, comprar os produtos?”, perguntou. “Isso é um absurdo. Trata-se de uma injustiça, um crime. As pessoas não podem sair de casa para comprar comida. A cidade precisa voltar a funcionar.”

Leia também: “Mesmo com redução nos casos de covid, Araraquara anuncia novo lockdown

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

8 comentários Ver comentários

  1. Desculpem nossos irmãos de Araraquara, mas nesse caso vale a máxima “cada povo tem o governo que merece”. O cara foi reeleito na eleição passada e já havia aprontado no inicio da pandemia. Não há como questionar. Quanto ao lockdown, para ver que não funciona, é só comparar os índices de araraquara…

  2. Que sirva de exemplo e lição para todos! Jamais votemos no PT e satélites. Façamos o possível para que não voltem ao poder. Mantenhamos silêncio absoluto e desprezo total a seus chamados e apelos, exceto, é claro, nos casos (felizmente não muitos) em que fazê-lo seria OMISSÃO ou COVARDIA. Há pessoas que, em certas horas e em certas posições funcionais, TÊM que se manifestar; se isto não for o nosso caso, é melhorar ignorar TOTALMENTE esses malucos, prestando a eles “a homenagem do silêncio”. Isso os enfurece mais que qualquer resposta!

  3. PRIMEIRO, É QUE ESSE PREFEITO PETRALHA DEVERIA ESTAR CUMPRINDO UM TERÇO DA PENA.

    SEGUNDO, ISSO É O QUE O POVO PAGOU POR VOTAR NESSA ORCRIM PT, PORQUE AS OUTRAS CIDADES DA REGIÃO QUE SE LIVRARAM DELA ESTÃO COLHENDO BONS FRUTOS.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.