-Publicidade-

Associação Brasileira de Imprensa pede ‘impeachment’ de Eduardo Pazuello

Entidade entregou documento contra o ministro da Saúde à Câmara dos Deputados
Eduardo Pazuello: ministro da mira de entidade de imprensa
Eduardo Pazuello: ministro da mira de entidade de imprensa | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Uma entidade representativa de profissionais do jornalismo acionou à Câmara dos Deputados contra um ministro de Estado. De acordo com documento entregue nesta semana aos parlamentares, a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) pede o impeachment de Eduardo Pazuello, atual titular do Ministério da Saúde.

Leia mais: “Ministério da Saúde pede isenção de imposto para importar seringas”

No documento encaminhado à Casa legislativa, a ABI fala em supostos crimes de responsabilidade cometidos pelo ministro. Além disso, a entidade usa termos como “negligência” e “inabilitação” para se referir ao trabalho de Pazuello à frente das ações de combate à disseminação do novo coronavírus no Brasil.

A ABI relaciona o pedido de impeachment aos números da covid-19 registrados no país. Conforme evidencia o painel atualizado diariamente pelo site da Revista Oeste, o Brasil contabiliza até a tarde desta quinta-feira, 7, 197 mil mortos em decorrência da doença — para um total de 7,8 milhões de casos confirmados.

“Ineficiência e incapacidade para desempenhar as tarefas de seu cargo”

“Enquanto isso, Pazuello dá repetidas demonstrações de incompetência, ineficiência e incapacidade para desempenhar as tarefas de seu cargo”, afirma a entidade por meio de nota oficial. Presidida por Paulo Jerônimo de Souza, o “Pagê”, a ABI não se manifestou a respeito de ataques virtuais protagonizados pelo movimento Sleeping Giants Brasil contra articulistas e veículos de mídia, observou Oeste em novembro de 2020. Meses antes, a instituição figurou como signatária que colocava o youtuber Felipe Neto como exemplo de comunicador.

Imprensa X Pazuello

A ABI não é a única instituição voltada ao jornalismo a se posicionar politicamente contra o ministro da Saúde. A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), que também assinou manifestou em favor de Felipe Neto, criou no fim do ano passado a campanha “Fala, Pazuello”, chegando a cobrar a realização de mais coletivas de imprensa por parte do integrante do governo federal.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

13 comentários

  1. “Os idiotas (especialmente idiotas jornalistas) vão acabar tomando conta do mundo; não pela capacidade ou pela competência, mas pela quantidade. Eles são muitos”. Nelson Rodrigues, 1912 – 1980, jornalista e escritor, considerado como o mais influente dramaturgo do Brasil.

  2. Cada dia um desses Sindicatos pedem a cabeça de um Ministro.Se a extrema imprensa já é uma carga de ideologias ambulante, o que dizer de uma associação, “Sindicato” da cathiguria.

    1. Que competência esses jornalistas analfabetos funcionais têm para falar sobre a competência do Ministro? Tão ignorantes, que nem sabem que o Ministro é assessorado por médicos, pesquisadores e cientistas.

    2. Quem domina a comunicação (complemento aqui, e educação) domina o mundo,
      Vejam hj quem são os donos das grandes mídias e inclusive as mídias municipais (ainda q aparentemente pequenas, mas proporcionalmente grandes), ou são políticos na maioria ou empresários q tem interesse polico- econômico.
      Se não podem os proprietários das mídias fazer auto propaganda tb editam o q querem q o cidadão ouça dos deus opositores, q as vezes é melhor q auto promoverem.

  3. Dá a impressão que a esquerda e o STF querem boicotar a vacinação, o que é crime hediondo. Eles querem vender uma imagem que estão defendendo a vacinação, mas na verdade é o contrário. Acho que o governo deveria processar os caras, incluindo ministros do stf por fazerem terrorismo numa época que necessitamos de apoio de todos os setores. Levar tudo a ponta de faca e não dialogar como deveria ser é um ato antipatriótico. O que custava para o Levandoviski, por exemplo, procurar até mesmo o presidente para saber dele o que está sendo planejado e o quais os problemas existentes. Ele quer mandar no governo e determina prazos para o governo responder. Assim é terrorismo.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.