Atividades turísticas têm queda recorde de 54,5% em abril ante março, diz IBGE

Na comparação com abril de 2019, houve retração de 67,3%
-Publicidade-
Jardim Botânico de Curitiba (PR) | Foto: Sérgio Castro/Estadão Conteúdo
Jardim Botânico de Curitiba (PR) | Foto: Sérgio Castro/Estadão Conteúdo

Na comparação com abril de 2019, houve retração de 67,3%

Jardim Botânico de Curitiba (PR) | Foto: Sérgio Castro/Estadão Conteúdo
-Publicidade-

O índice de atividades turísticas teve uma retração de 54,5% em abril frente a março de 2020. A informação foi divulgada nesta quarta-feira, 17, pela Pesquisa Mensal de Serviços do IBGE.

A queda é mais intensa da série histórica, iniciada em janeiro de 2011.

LEIA TAMBÉM: Setor de serviços sofreu uma queda de 11,7% em abril

As medidas preventivas contra a pandemia atingiram de forma mais intensa e imediata boa parte das empresas relacionadas ao turismo, especialmente os restaurantes, hotéis e transporte aéreo de passageiros.

Todas as 12 Unidades da Federação investigadas registraram retração, com destaque:

  • São Paulo (-52,0%)
  • Rio de Janeiro (-52,7%)
  • Minas Gerais (-49,4%)
  • Bahia (-63,1%)

Na comparação com abril de 2019, as atividades turísticas encolheram 67,3%, pressionadas pela queda na receita de restaurantes, hotéis, transporte aéreo e rodoviário coletivo de passageiros.

Também houve reduções em todas as 12 Unidades da Federação, com variações expressivas em São Paulo (-65,9%), Rio de Janeiro (-65,8%), Minas Gerais (-64,5%), Paraná (-69,1%), Bahia (-72,6%) e Rio Grande do Sul (-76,0%).

No acumulado de janeiro a abril de 2020, o agregado especial de atividades turísticas mostrou queda de 20,9% ante igual período de 2019.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.