Barroso afirma que o voto auditável diminui a segurança das eleições

'Vai dar defasagem', disse o presidente do Tribunal Superior Eleitoral
-Publicidade-
Especialista afirma que a urna eletrônica é passível de fraude
Especialista afirma que a urna eletrônica é passível de fraude | Foto: Wallace Martins/Estadão Conteúdo

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, voltou a criticar o voto auditável. Segundo o juiz, a medida vai comprometer a segurança do sistema eleitoral. “Cria-se um problema que o Brasil não tem”, declarou o magistrado, em live do Grupo Prerrogativas, neste sábado, 26. “Vai dar defasagem entre os votos. Vão questionar e judicializar com pedido de fraude. Na recontagem, vai sumir voto, aparecer voto. Isso tudo diminuirá a segurança”, acrescentou, ao mencionar “risco” de quebra do sigilo do voto.

Barroso disse esperar que “as bobagens” acerca de uma possível fraude na eleição por meio da urna eletrônica desapareça primeiro por meio do “surgimento da verdade do que pela persecução criminal”. Além disso, anunciou que o TSE estuda aumentar a quantidade de equipamentos testados durante a disputa do ano que vem. Hoje, 100 aparelhos são levadas ao tribunal para uma “auditoria independente”, com técnicos especializados no assunto. “E tudo isso é filmado”, salientou o ministro.

Especialista levanta dúvidas sobre as urnas

-Publicidade-

Amílcar Brunazo, engenheiro especialista em segurança de dados e voto eletrônico, afirmou que a confiabilidade das urnas eleitorais é duvidosa. De acordo com ele, o equipamento pode ser objeto de fraude. “O software é desenvolvido no TSE seis meses antes das eleições, compilado com 15 dias de antecedência, transmitido por internet pelos tribunais regionais e por cartórios, e gravado num flashcard”, explicou Brunazo, no mês passado, durante audiência pública em comissão especial da Câmara dos Deputados.

“A equipe do professor Diego Aranha, dentro do TSE, mostrou ser possível pegar esse cartão, inserir nele um código espúrio, que não foi feito pelo TSE, e colocar na urna eletrônica”, salientou o especialista, ao mencionar que os brasileiros acabam tendo de confiar no servidor que vai pôr o dispositivo na máquina. “Muitas vezes é um profissional terceirizado. Realmente, o processo eleitoral brasileiro depende da confiança de todos os funcionários envolvidos. Isso é um equívoco”, lamentou Brunazo.

Leia também: “O que você precisa saber sobre o voto impresso”, reportagem publicada na Edição 54 da Revista Oeste

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

29 comentários

    1. O TSE não adota o Princípio da Segregação de Funções recomendado pelo TCU e por todo profissional especializado em governança de gestão. O TSE não segue as recomendações da norma ISO 27001 de segurança da informação. O TCU não audita o Sistema Eletrônico de Votação. Informações falsas são publicadas no site do TSE.

    2. Esse Barroso já passou de todos os limites sobre o voto auditável. Dizendo o que disse,
      ele passa a ofender a nossa inteligência.
      Já deu, Barroso. Militância tem limite.

  1. Barroso é um canalha, militante de esquerda o qual tem hoje um poder que jamais deveria ter lhe sido concedido. Tem que ser barrado agora, junto a outros bandidos hoje dando expediente no STF, nem que seja por meio da violência. Sua vida não é mais importante do futuro que ele quer roubar de todos nós. Estamos em guerra, se ainda não perceberam, e nós somos responsáveis por determinar se vamos ser massacrados ou vamos reagir.

  2. Como é que é Barroso? -“Na recontagem vai sumir voto, aparecer voto, Isso tudo diminuirá a segurança”.
    Como assim, em que momento, no próprio ambiente do TSE? Afinal as urnas com o VOTO IMPRESSO são lacradas e só poderão ser abertas para auditoria ou recontagem no recinto do TSE ou sob sua fiscalização. Podemos concluir portanto que urnas eletrônicas não transparentes poderão ser também fraudadas nesse ambiente? Quem Barroso quer enganar? Será que não tem a sensibilidade de enxergar que a maioria da população não vê transparência nas urnas eletrônicas e que poderá haver graves conflitos sociais de perdedores da direita, centro ou esquerda ?

  3. Que declaração mais I-N-F-E-L-I-Z desse pseudojuiz! Ele quer, porque quer, eleger o Carniça (vulgo Lula) de qualquer forma. Isso só acontecerá com a fraude das urnas Barroso.

    1. Parece maluquice, mas a única solução que vejo é chegar às sete da manhã na seção de votação no dia da eleição e quebrar a urna “tropeçando” nos fios e obrigando a votar com papel…

  4. Judicializar por judicializar, o que vemos hoje é um governo paralelo no Brasil através da judicialização. Antes uma eleição judicializada do que uma eleição fraudada. É para isso que existe o Judiciário. Notem a ameaça de persecução criminal para quem não confia nas urnas eletrônicas. E Barroso (ou seu corpo técnico) se faz de desentendido. Não adianta aumentar a quantidade de urnas testadas. Isso sim, é reforçar uma solução que já não garantia a credibilidade. É desperdício de tempo e dinheiro público, ou tentativa de reforçar uma enganação. Tudo que é programado digitalmente é volátil. A única programação auditável com segurança é a que seja gravada em um tipo de memória que só pode ser apagada com luz ultravioleta de fonte externa (EPROM). Existem, até comercialmente, chips de Wi-Fi que podem ser reprogramados a centenas de metros de distância. Como os processadores de hoje são caixas-pretas do mundo nanométrico, nenhum usuário sabe o quê de fato tem ali, e poucos países têm tecnologia para uma investigação nesse nível. A tecnologia atual permite reprogramar dispositivos, a qualquer momento, até por satélite. Agora imaginem a nossa situação quando a Huawei (5G) tiver “controle total” (isso é título de filme), em tempo real, da produção do Agro brasileiro. Ninguém produzirá um único grão se isso não for autorizado pela China. Lembra do IFA da vacina? Pois é.

  5. NOMEADO PELA MAIOR ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA DA VIDA PÚBLICA DO BRASIL.

    LIBERTADOR DA QUADRILHA DE BANDIDOS MENSALEIROS.

    APOIADOR DE TERRORISTA ITALIANO.

    EM PAÍS SÉRIO, ESSE JÁ TINHA SUMIDO DE CENA.

  6. O TSE não adota o Princípio da Segregação de Funções recomendado pelo TCU e por todo profissional especializado em governança de gestão. O TSE não segue as recomendações da norma ISO 27001 de segurança da informação. O TCU não audita o Sistema Eletrônico de Votação. Informações falsas são publicadas no site do TSE.

  7. O Lulu Bandeja (ou seria lelhor Boca de Veludo?) deveria se preocupar em respeitar a Constituição, coisa que nem ele nem seus comparsas do “stf” fazem.

  8. A afirmação do ministro não é fundamento jurídico para sustentar o voto não auditável. Sua persistência em negar mais transparência ao processo eleitoral me faz pensar que há um prévio ajuste de fraude para a próxima eleição. Tem muita gente, incluindo membros do supremo, querendo eleger o ex-presidiário e maior corrupto do País. Até quando os brasileiros vão votar em criminosos ou tolerar ou aceitar que ocupem cargos públicos?

  9. O brasileiro pouco tá preocupado com voto auditável; o que na verdade a população quer e a câmara não vota NUNCA é o VOTO FACULTATIVO. Eles tem muito interesse em obrigar o povo a votar neles.

  10. O empenho de Barroso torna o processo imediatamente suspeito….., e será precedido pelo Xandão, outro soberbo que não medirá esforços pra conduzir onde quer o pleito.

  11. “Na recontagem, vai sumir voto, aparecer voto. Isso tudo diminuirá a segurança”. Um argumento desse coloca em cheque a confiança no tse. Se pode sumir voto impresso, o que dizer de dados da urna?

  12. Barroso é “tonto” e como qualquer “tonto” tem que ser levado a sério. Os “tontos” desse tipo tem que ser presos. Como o ADELIO. Adelio não conseguiu mas esse “tonto” caso fique solto consiga. Todo cuidado é pouco principalmente com esse “tonto”. Os “tontos” estão preparando um golpe de “tontos”.

  13. STF e TSE são hoje, respectivamente as duas instituições de menor credibilidade no país. Em seguida temos o famigerado Congresso Nacional com sua maioria composta de corruptos.

  14. STF e TSE são hoje, respectivamente as duas instituições de menor credibilidade no país. Em seguida temos o famigerado Congresso Nacional com sua maioria composta de corruptos…

  15. A resistência ao voto auditável revela o óbvio: querem eleger o capo de nove dedos de qualquer maneira. Se já o livraram da condenação por 10 juízes, não pode ser que as urnas eletrônicas não possam ser controladas também… Se o Congresso não aprovar, Lula estará eleito automáticamente. E nós, vamos fazer o quê?? Assistir?

  16. Ministros do Supremo e do TSE falam muita bobagem sobre um assunto técnico que desconhecem por completo. Atuam como o boneco do ventríloquo. As suas afirmações são manipuladas pelos técnicos do TSE.

    A lógica leiga conflita com as melhores práticas recomendadas pelo TCU, a norma ISO 27001 e todos os especialistas em segurança da informação e governança de gestão.

  17. Tá certo barroso. Só que não!!!
    Precisamos do voto impresso, auditável, contado cada papelzinho antes de 01.01.2023.
    Dá tempo vai!
    Pode informar quem ganhou já no mesmo dia. Mas imediatamente passa-se à contagem RIGOROSA, sem ter que comprar/remediar com programas porque “deu pau” na hora H.
    Ainda que ganhe o Lula, estaremos cientes de quantos idiotas tem no Brasil.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site